Autoeficácia e Percepção de Interferência Tecnológica de Profissionais Contábeis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2024.30.e14088

Palavras-chave:

Autoeficácia, Percepção de Interferência Tecnológica, Profissionais Contábeis

Resumo

O objetivo da pesquisa consiste em analisar a relação entre a autoeficácia e a percepção de interferência tecnológica de profissionais contábeis. Para tanto, foi realizada uma survey online divulgada junto a Conselhos Regionais de Contabilidade, sindicatos e associações profissionais, sendo obtidas 151 respostas válidas. A partir da técnica de Modelagem de Equações Estruturais (MEE) foi possível constatar a relação positiva entre a autoeficácia negativa e a percepção de interferência tecnológica. Por meio da Multigroup Analysis (MGA) foram observadas diferenças significantes a partir do bem-estar subjetivo e da percepção quanto ao auxílio do curso de Ciências Contábeis frente às questões tecnológicas. Os resultados apontam que é necessária uma maior atenção quanto a formação dos profissionais contábeis frente a elementos psicológicos, como a autoeficácia, visto que a adaptação dos profissionais contábeis às tecnologias pode ser afetada por esta variável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Silva de Oliveira, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Leticia Isabele Pereira, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, Paraná, Brasil

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Alison Martins Meurer, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Professor Adjunto do Magistério Superior da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Doutor em Contabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGCONT) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Contabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGCONT) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Especialista em Avaliação do Ensino e da Aprendizagem pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Avaliador de periódicos de Administração e Contabilidade e de congressos nacionais e internacionais de Contabilidade. Possui interesses de pesquisa nas áreas de Ensino e Pesquisa em Contabilidade, Contabilidade Gerencial, Evidenciação Contábil e Contabilidade Tributária. Membro do Laboratório de Educação e Pesquisa Contábil (LEPEC). Integrante da Comissão dos Coordenadores e Professores de Cursos de Ciências Contábeis do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná - CRC PR.

Ricardo Adriano Antonelli, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Doutor e Mestre em Contabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGCONT) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Pato Branco (UTFPR). Bacharel em Informática pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Especialista em Desenvolvimento para Ambiente de Internet utilizando Orientação a Objetos, Java e Banco de Dados pela UTFPR. Experiência nas áreas de Tecnologia da Informação e Ciências Contábeis, com ênfase em contabilidade gerencial, sistemas de informações, análise financeira, perícia contábil, ensino em contabilidade, implantação de sistemas de informação e programação Java. Perito Judicial desde o ano de 2011 atuando em causas cíveis e bancárias.

Referências

Bandura, A. (1977). Self-Efficacy: Toward a Unifying Theory of Behavioral Change.

Psychological Review, 84(2), 191-215. https://doi.org/10.1037/0033-295X.84.2.191

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. W. H. Freeman and Company.

Bandura, A., Azzi, R. G., & Polydoro, S. (2008). Teoria social cognitiva: Conceitos básicos. Artmed.

Bessen, J. E. (2016). How computer automation affects occupations: Technology, jobs and skills. Boston Univ. Research Work In Law, Economics And Law, 15-49. https://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2690435

Bido, D. D. S., & Silva, D. D. (2019). SmartPLS 3: Especificação, Estimação, Avaliação e Relato. Revista de Administração: Ensino e Pesquisa, 20(2), 488-536. https://doi.org/10.13058/raep.2019.v20n2.1545

Bomfim, V. C. (2020). Os Avanços Tecnológicos e o Perfil do Contador Frente à Era Digital. Revista Trevisan, 18(173), 1-19.

https://rtrevisan.emnuvens.com.br/revistatrevisan/article/view/74

Carvalho, A. F. D., & Gomes, V. S. (2018). A Era Digital e suas contribuições para a Contabilidade: Evolução histórica dos processos contábeis. [Trabalho de Conclusão de Curso Graduação, Universidade do Estado do Amazonas]. Repositório Institucional UEA. http://repositorioinstitucional.uea.edu.br/handle/riuea/1063

Cohen, J. (1988). Statistical Power Analysis for the Behavioural Sciences. Laurence Erlbaum Associates.

Corrêa, J. F. B., Moraes, L. D. C. L. S., & Mattos, C. A. C. de. (2020). Autoeficácia e Motivação para aprender. Revista Gestão & Sustentabilidade, 2(1), 57-70. https://doi.org/10.36661/2596-142X.2020v2i2.10811

Frare, A. B., Horz, V., Martins, A. S. R., Fernandes, C. M. G., & Quintana, A. C. (2020). Qualificação Profissional, Inovação Tecnológica e Desempenho em Escritórios de Contabilidade. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 10, 1-13. https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-13.1243

Frey, C. B., & Osborne, M. A. (2017). The future of employment: How susceptible are jobs to computerization? Technological forecasting and social change, 114, 254-280. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2016.08.019

Güney, A. (2014). The role of technology in accounting and electronic accounting. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 152, 852-855. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2014.09.333

Hair, J., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. A. (2014). Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). SAGE Publications.

Muldowney, S. (2018, March 1). Should young accountants have to do basic accounting work? Intheblack Magazine. https://www.intheblack.com/articles/2018/03/01/young-accountants-basic-accounting-tasks

Kehl, S. M., Antonelli, R. A., Schvirck, E., & de Almeida, L. B. (2017). Profissionais da Tecnologia da Informação e Comunicação [TIC] e a Operacionalização dos Sistemas de Informações Contábeis: Um Estudo Sobre Suas Dificuldades de Compreensão dos Conceitos e Teorias Contábeis. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 4(2), 92-114. https://doi.org/10.26694/2358.1735.2017.v4ed25830

Kounrouzan, M. C. (2017). O perfil do profissional contábil. Faculdades Oswaldo Cruz. https://www.oswaldocruz.br/download/artigos/social17.pdf

Lunelli, R. L. (2016). A contabilidade e o avanço da tecnologia. Portal de Contabilidade.

Naheb, O. A., Sukoharsono, E. G., & Baridwan, Z. (2017). The influence of critical factors on the behavior intention to computerized accounting systems (CAS) in cement manufactures in Libya. The International Journal of Accounting and Business Society, 25(1), 38-60. https://doi.org/10.21776/ub.ijabs.2017.25.1.7

Oliveira, D. B. de, & Malinowski, C. E. (2016). A Importância da Tecnologia da Informação na Contabilidade Gerencial. Revista de Administração, 14(25), 3-22.

Oliveira, I. T. D. S. (2018). A Evolução Tecnológica na Área Contábil: Impacto Empresarial. Centro Universitário São Lucas.

Oliveira, M. B. de, & Soares, A. B. (2011). Autoeficácia, raciocínio verbal e desempenho escolar em estudantes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 33-39. https://doi.org/10.1590/S0102-37722011000100005

Ourique, L. R., & Teixeira, M. A. P. (2012). Autoeficácia e personalidade no planejamento de carreira de universitários. Psico, 17(2), 311-321. https://doi.org/10.1590/S1413-82712012000200015

Pati, C. (2017, 21 de dezembro). Estas profissões podem acabar até 2030. Exame. https://exame.com/carreira/estas-profissoes-podem-acabar-ate-2030-ao-menos-para-os-humanos/

Payot, W., & Diener, E. (2009). Review of the satisfaction with life scale. In E. Diener (Ed.), Assessing well-being: The collected works of Ed Diener (pp. 101-117). Springer, Dordrecht. https://doi.org/10.1037/1040-3590.5.2.164

Sanchez, G. (2013). PLS Path Modeling with R. Trowchez Editions.

Selau, F. F., Espinosa, T., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2019). Fontes de autoeficácia e atividades experimentais de física: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, 41(2), 1-9. https://doi.org/10.1590/1806-9126-RBEF-2018-0188

Silva, C. G. da, Eyerkaufer, M. L., & Rengel, R. (2019). Inovação tecnológica e os desafios para uma contabilidade interativa: Estudo dos escritórios de contabilidade do estado de Santa Catarina. Revista Destaques Acadêmicos, 11(1), 148-163. http://dx.doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v11i1a2019.1982

Trevisan, L. N., Veloso, E. F. R., Silva, R. C. da, & Dutra, J. S. (2016). Âncoras de carreira e tecnologia na percepção sobre estresse no ambiente de trabalho. Revista Organizações em Contexto, 12(24), 65-89. https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n24p65-90

Downloads

Publicado

04.03.2024

Como Citar

OLIVEIRA, B. S. de; PEREIRA, L. I.; MEURER, A. M.; ANTONELLI, R. A. Autoeficácia e Percepção de Interferência Tecnológica de Profissionais Contábeis. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 30, p. 1–13, 2024. DOI: 10.5020/2318-0722.2024.30.e14088. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/14088. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos