Transparência pública de governos locais: uma análise baseada na Escala Brasil Transparente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2024.30.e13870

Palavras-chave:

transparência passiva, Lei de Acesso à Informação, município, teste de hipótese, análise de regressão

Resumo

Objetivo: Analisar se os governos locais se mostram mais inclinados a responder aos pedidos de informação quando esses já regulamentaram a lei de acesso à informação (LAI). Metodologia/abordagem: Foi realizada uma pesquisa quantitativa, com teste de hipótese e análise de regressão, em dados secundários da Escala Brasil Transparente, com o apoio do software SPSS. Principais resultados: Os resultados mostram que a regulamentação da LAI impacta na transparência passiva dos municípios brasileiros, influencia o grau de atendimento das solicitações de registros públicos, e afeta o prazo para o cumprimento dos pedidos de informação do governo. Contribuições acadêmicas: A pesquisa contribuiu para reduzir a carência de conhecimento sobre transparência passiva, principalmente, relacionando-a à regulamentação da LAI em governos locais; apresentou, ainda, evidências empíricas que comprovam a existência de relação entre a regulamentação da LAI e os resultados dos pedidos de informação. Contribuições práticas: Os resultados desta pesquisa podem subsidiar e incentivar práticas que garantam o direito de acesso à informação no setor público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wender Rodrigues de Siqueira, Universidade Federal de Catalão, Catalão, Goiás, Brasil

Doutorado em Administração pela Universidade de Brasília (2022), Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (2014), Especialização em Gestão Pública pela Universidade Federal de Goiás (2010), Graduação em Administração Pública pela Universidade Estadual de Goiás (2013), e Graduação em Administração pelo Centro Universitário UNA (2006). Atualmente é professor efetivo da Universidade Federal de Catalão, onde também ocupa o cargo efetivo de Administrador. Atuou como Coordenador do Setor de Comunicação e Eventos da Regional Catalão/UFG (atual ASCOM/UFCAT) de 2007 a 2011. Foi premiado pelo Conselho Federal de Administração pela obtenção da 2ª colocação no Prêmio "Belmiro Siqueira" de Administração, na Modalidade Pós-Graduação Stricto Sensu, no ano de 2014.

Paulo Henrique de Souza Bermejo, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Mestrado em Engenharia de Produção (área de concentração em Inteligência Aplicada) e doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento, ambos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pós-doutorado em Inovação pela Bentley University em Massachusetts/EUA e Certificação Executiva em Tecnologia e Inovação pelo Massachusetts Institute of Technology (MiT). É professor associado da Universidade de Brasília e coordenador do Núcleo de P&D para Excelência e Transformação do Setor Público - NEXT/UnB. Atua como docente permanente e orientador no Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado e Doutorado) da Universidade Federal de Brasília (UnB). Professor colaborador do Doutorado Profissional em Modelagem Computacional de Sistemas da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Possui mais de 25 anos de experiência profissional exercendo funções nas áreas de gestão, tecnologia e de inovação empresarial. Seus principais interesses de pesquisa são Eficiência, Tecnologia, Inovação, Transformação Digital e Empreendedorismo. É autor/co-autor de 7 livros, 24 capítulos e 100 trabalhos publicados em revistas científicas e eventos especializados. Antes de iniciar como docente da UnB, Paulo Bermejo atuou como Assessor de Estratégia e Inovação na Secretaria Executiva do Ministério da Educação entre junho de 2015 a maio de 2016 e como docente da Universidade Federal de Lavras (2006-2016), onde acumulou a função de Pró-Reitor Adjunto de Pós-Graduação (2009 a 2011). Foi bolsista de produtividade / Pesquisador mineiro FAPEMIG 2013-2015 e de Desenvolvimento Tecnológico e Científico do CNPq, categoria DTC-A 2016-2017.

Luiz Almeida da Silva, Universidade Federal de Catalão, Catalão, Goiás, Brasil

Enfermeiro, Graduando em Estatística, Pós-Doutorado pela Universidade Federal de Goiás, Doutor pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Enfermagem IBIOTEC e Orientador do Programa de Pós-graduação em Gestão Organizacional da Universidade Federal de Catalão, GO.

Referências

Abdala, P. R. Z., & Torres, C. M. S. de O. (2016). A Transparência como Espetáculo: Uma análise dos portais de transparência de estados brasileiros. Administração Pública e Gestão Social, 8(3), 147–158. https://doi.org/10.21118/apgs.v1i3.1023

Bairral, M. A. da C., Silva, A. H. C. e, & Alves, F. J. dos S. (2015). Transparência no setor público: Uma análise dos relatórios de gestão anuais de entidades públicas federais no ano de 2010. Revista de Administração Pública, 49(3), 643–675. https://doi.org/10.1590/0034-7612125158

Ben-Aaron, J., Denny, M., Desmarais, B., & Wallach, H. (2017). Transparency by Conformity: A Field Experiment Evaluating Openness in Local Governments. Public Administration Review, 77(1), 68–77. https://doi.org/10.1111/puar.12596

Birchall, C. (2014). Radical transparency? Cultural Studies - Critical Methodologies, 14(1), 77–78. https://doi.org/10.1177/1532708613517442

Lei no 12.527, de 18 de novembro de 2011. (2011, 18 de novembro). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Presidencia da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm

Choi, J. M. (2018). Factors influencing public officials’ responses to requests for information disclosure. Government Information Quarterly,35(1), 30-42. https://doi.org/10.1016/j.giq.2017.11.007

Comin, D., Ramos, F. M., Zucchi, C., Favretto, J., & Fachi, C. C. P. (2016). A Transparência Ativa nos Municípios de Santa Catarina: Avaliação do Índice de Atendimento à Lei De Acesso à Informação e suas Determinantes. Revista Catarinense Da Ciência Contábil, 15(46), 24–34. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v15n46p24-34

Controladoria Geral da União. (2018a). Acesso à Informação. CGU. https://www.gov.br/cgu/pt-br/acesso-a-informacao

Controladoria Geral da União. (2018b). Escala Brasil Transparente - Transparência Passiva. CGU.

https://www.gov.br/cgu/pt-br/assuntos/transparencia-publica/escala-brasil-transparente-360#:~:text=A%20Escala%20Brasil%20Transparente%20(EBT,promo%C3%A7%C3%A3o%20do%20acesso%20%C3%A0%20informa%C3%A7%C3%A3o

Controladoria Geral da União. (2018c). Metodologia de Gestão de Riscos. chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.gov.br/cgu/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/institucionais/arquivos/cgu-metodologia-gestao-riscos-2018.pdf.

Controladoria Geral da União. (2018d). Panorama dos Governos Municipais. Escala Brasil Transparente - 2a avaliação. CGU.

Cruz, C. F., Ferreira, A. C. de S., Silva, L. M. da, & Macedo, M. Á. da S. (2012). Transparência da gestão puáblica municipal: Um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municiápios brasileiros. Revista de Administração Publica, 46(1), 153–176. https://doi.org/10.1590/S0034-76122012000100008

Cuadrado-Ballesteros, B. (2014). The impact of functional decentralization and externalization on local government transparency. Government Information Quarterly, 31(2), 1–13. https://doi.org/10.1016/j.giq.2013.10.012

Curral, J. (1994). Statistics Packages: A General Overview. Universidade de Glasgow Press.

Curtin, D., & Mendes, J. (2011). Transparence et Participation: Des Principes Démocratiques Pour L’Administration de L’Union Européenne. Revue Française d’administration Publique, 1(137–138), 101–121. https://doi.org/10.3917/rfap.137.0101

Gandía, J. L., & Archidona, M. C. (2008). Determinants of web site information by Spanish city councils. Online Information Review, 32(1), 35–57. https://doi.org/10.1108/14684520810865976

Gavelin, K., Burall, S., & Wilson, R. (2009). Open government: Beyond static measures. Involve.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). Atlas.

Graciliano, E. A., & Fialho, W. C. D. (2013). Registro da Depreciação na Contabilidade Pública: Uma Contribuição para o Disclosure de Gestão. Pensar Contábil, 15(56), 14–21. http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/pensarcontabil/article/view/1540

Grimmelikhuijsen, S. G., & Meijer, A. J. (2014). Effects of transparency on the perceived trustworthiness of a government organization: Evidence from an online experiment. Journal of Public Administration Research and Theory, 24(1), 137–157. https://doi.org/10.1093/jopart/mus048

Guillamón, M.-D., Bastida, F., & Benito, B. (2011). The Determinants of Local Government’s Financial Transparency. Local Government Studies, 37(4), 391–406. https://doi.org/10.1080/03003930.2011.588704

Herawaty, M., & Hoque, Z. (2007). Disclosure in the annual reports of Australian government departments: A research note. Journal of Accounting & Organizational Change, 3(2), 147–168. https://doi.org/10.1108/18325910710756159

Hood, C. (2006). Transparency in historical perspective. In C. Hood & D. Heald (Eds.), Transparency: The Key to Better Governance? (135th ed., pp. 3–23). Proceedings of the British Academy.

Klein, R. H., Luciano, E. M., & Macadar, M. A. (2015). Grau de Transparência de Dados Abertos Governamentais do Site Dados.Rs.Gov.Br. E&G Economia e Gestão, 15(41), 256–285. https://periodicos.pucminas.br/index.php/economiaegestao/article/view/9965

Maingot, M., & Zeghal, D. (2008). An Analysis of Voluntary Disclosure of Performance Indicators by Canadian Universities. Tertiary Education and Management, 14(4), 269–283. https://doi.org/10.1080/13583880802481666

Malhotra, N. K. (2010). Marketing reserch: An applied orientation (6th ed.). Pearson.

Medeiros, S. A., Magalhães, R., & Pereira, J. R. (2014). Lei de Acesso à Informação: Em busca da transparência e do combate à corrupção. Informação & Informação, 19(1), 55–75. https://doi.org/10.5433/1981-8920.2014v19n1p55

Paiva, C. P. de R., & Zuccolotto, R. (2009, 19-23 de setembro). Índice de Transparência Fiscal das Contas Públicas dos Municípios Obtidos em Meios Eletrônicos de Acesso Público [Apresentação de trabalho]. 33º Encontro da Anpad, São Paulo, Brasil. http://arquivo.anpad.org.br/eventos.php?cod_evento=&cod_evento_edicao=45&cod_edicao_subsecao=506&cod_edicao_trabalho=10383

Parks, W. (1957). The open government principle: Applying the right to know under the constitution. The George Washington Law Review, 26(1), 1–22. https://doi.org/10.3366/ajicl.2011.0005

Portaria no 277, de 7 de fevereiro de 2013. (2013, 8 de fevereiro). Institui o Programa Brasil Transparente que tem por objetivo geral apoiar Estados e Municípios na implementação da Lei de Acesso à Informação, Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, no incremento da transparência pública e na adoção de medidas de governo aberto. Diário Oficial da União, no 28, Seção 1. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/30295372

Provdanov, C. C., & Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Feevale.

Ramirez-Alujas, A. V. (2011). Gobierno Abierto y Modernización de la Gestión Pública. Tendencias actuales y el (Inevitable) Camino que Viene - Reflexiones Seminales. Revista Enfoques: Ciencia Política y Administración Pública, 9(15), 99–125. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=96021303006

Raupp, F. M., & Pinho, J. A. G. de. (2016). Review of passive transparency in Brazilian city councils. Revista de Administração, 51(3), 288–298. https://doi.org/10.1016/j.rausp.2016.02.001

Roberts, A. (2012, November 14). Transparency in Troubled Times Alasdair [Conference presentation paper]. Tenth World Conference of the International Ombudsman Institute, Wellington, New Zealand. https://www.theioi.org/publications/wellington-2012-conference-papers

Sacramento, A. R. S., & Pinho, J. A. G. (2008). Transparência na administração pública: O que mudou depois da Lei de Responsabilidade Fiscal? Um estudo exploratório em seis municípios da região metropolitana de Salvador. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), 48–61. https://doi.org/10.9771/rcufba.v1i1.2579

Santana, J. J. B. de, Jr., Libonati, J. J., Vasconcelos, M. T. de C., & Slomski, V. (2009). Transparência fiscal eletrônica: Uma análise dos níveis de transparência apresentados nos sites dos poderes e órgãos dos estados e do Distrito Federal do Brasil. Revista de Educação e Pesquisa Em Contabilidade, 3(3), 62–84. https://doi.org/10.17524/repec.v3i3.101

Silva, D. J. M., Segatto, J. A. C., & Silva, M. A. da. (2016). Disclosure no Serviço Público: Análise da Aplicabilidade da Lei de Transparência Applicability of the Transparency Law in Minas. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(44), 24–36. https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v15n44p24-36

Vian, T., Kohler, J. C., Forte, G., & Dimancesco, D. (2017). Promoting transparency, accountability, and access through a multi-stakeholder initiative: Lessons from the medicines transparency alliance. Journal of Pharmaceutical Policy and Practice, 10(18), 1–11. https://doi.org/10.1186/s40545-017-0106-x

Vieira, M. M. F., & Zouain, D. M. (2005). Pesquisa qualitativa em administração: Teoria e prática. Editora FGV.

Wang, D., Chen, C., & Richards, D. (2018). A prioritization-based analysis of local open government data portals: A case study of Chinese province-level governments. Government Information Quarterly, 35(4), 644–656. https://doi.org/10.1016/j.giq.2018.10.006

Wei, T. L., Davey, H., & Coy, D. (2008). A disclosure index to measure the quality of annual reporting by museums in New Zealand and the UK. Journal of Applied Accounting Research, 9(1), 29–51. https://doi.org/10.1108/09675420810886114

Worthy, B., John, P., & Vannoni, M. (2016). Transparency at the parish pump: A field experiment to measure the effectiveness of freedom of information requests in England. Journal of Public Administration Research and Theory, 27(3), 485-500. https://doi.org/10.1093/jopart/muw063

Downloads

Publicado

02.02.2024

Como Citar

SIQUEIRA, W. R. de; BERMEJO, P. H. de S.; SILVA, L. A. da. Transparência pública de governos locais: uma análise baseada na Escala Brasil Transparente. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 30, p. 1–13, 2024. DOI: 10.5020/2318-0722.2024.30.e13870. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/13870. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos