Estudos Baseados em Práticas como uma Alternativa Teórico-Metodológica para o Estudo de Novas Formas Organizacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2023.29.e13701

Palavras-chave:

Novas Formas Organizacionais, Estudos Baseados em Prática, Alternativas Teórico-metodológicas, Aprendizagem Organizacional

Resumo

Este estudo propõe o uso da lente teórico-metodológica das práticas como uma maneira (alternativa) de aprofundar e explorar as compreensões sobre os processos de aprendizagem em Novas Formas Organizacionais (NFO). A lente da prática amplia o entendimento da aprendizagem em NFO através de um olhar processual e relacional, explorado neste ensaio a partir da perspectiva de Gherardi, Nicolini, Strati e Latour. Trata-se de entender o conhecimento como um constante acontecendo, onde o saber é
inerente à ação e, portanto, temporário, produzido, reproduzido e transformado a cada prática. A prática oferece uma alternativa ontoepistemológica que permite explorar o saber-fazer na tecitura de práticas produzidas pelos atores, fruto do nexo de relações e ações em fluxo. O uso da prática para compreender a aprendizagem em formas organizacionais que fogem do mainstream dos negócios, mostra-se possível através da compreensão de organização enquanto organizing, entendendo que estruturas surgem das relações, e como tal, e à medida que surge, também se desmantelam, trazendo assim a ideia de fluxo e ponto para dentro dos estudos organizacionais. Diferente das lentes teóricas marcadas pela ortodoxia sistêmica, a perspectiva da prática permite acessar nuances impulsionadoras dos processos de aprendizagem em coletivos constituídos pelas NFOs, deslocando o foco do ‘‘por quê’’ para o ‘‘como’’ as relações se agregam e produzem conhecimento. Os Estudos Baseados em Prática fornecem um olhar às subjetividades da vida organizacional, apoiando a gestão de NFO a partir do entendimento que a estrutura surge das relações e se molda pelas que nelas se estabelecem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa de Campos Junges, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Professora na área de Administração na UNICRUZ (2023). Professora Substituta na área de Administração na Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2021 - 2023). Doutora em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2019). Mestra em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2019). Bacharela em Administração pela Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ (2016). 

Simone Alves Pacheco de Campos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Professora Adjunta na Universidade Federal de Santa Maria . Atua no Departamento de Ciências Administrativas e no Programa de Pós-Graduação em Administração. Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2009), mestrado em Programa de Pós-Graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2011) e doutorado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). 

Rúbia Goi Becker, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutoranda do curso de Pós-Graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2020), Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2020). Graduação no Programa Especial de Graduação Formação de Professores para a Educação Profissional (PEG) - UFSM (2021). Especialização em Marketing (2018) e Graduação em Administração (2014) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Janaina Marchi, Universidade Franciscana, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Graduada em História pela Universidade Federal de Santa Maria (2009), pós-graduada em História do Brasil  pela PPGH/UFSM (2010). Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, e Mestre em Administração (PPGA/UFSM).  Coordenadora de cursos de Graduação na modalidade EAD da Universidade Franciscana e Coordenadora de Extensão da área de negócios. Atuante como pesquisadora no Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos em Organizações, Pessoas e Sociedade (NOS), da Universidade Federal de Santa Maria, e do grupo de Estudos Estratégicos em Negócios (GEN- UFN).

Referências

Alves, E. B. (2021). Gestão de espaço de fala e análise das condições de produção de versões sobre um crime

corporativo: O caso do rompimento da barragem B1 da Vale S/A em Brumadinho/MG. [Tese de Doutorado].

Universidade Positivo.

Alves, E. B., Bueno, A. M., & Eberspächer, A. M. G. (2021). Formas não convencionais de organização e o sistema

de ensino superior do curso de administração. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 8(22),

-393. https://doi.org/10.25113/farol.v8i22.5045

Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2010). A encruzilhada da aprendizagem organizacional: uma visão multiparadigmática.

Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 310-332. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000200008

Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2011). Aprendizagem organizacional e as raízes de sua polissemia. In C. S. Antonello,

& A. S. Godoy (Eds.), Aprendizagem Organizacional no Brasil (pp.31-50). Bookman.

Avila, V. P. de, & Antonello, C. S. (2016, 19 a 21 de outubro). Knowing-in-practice: explorando as práticas de um grupo

de desenvolvedores de software. [Apresentação de trabalho]. 4º Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais,

Porto Alegre, Paraná. https://anaiscbeo.emnuvens.com.br/cbeo/issue/view/2

Azevedo, D. (2013). Aprendizagem organizacional e epistemologia da prática: Um balanço de percurso e repercussões. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2(1), 35-55. https://doi.org/10.9771/23172428rigs.v2i1.10045

Baldi, M. (2004). Novas formas organizacionais: A necessidade de superação das perspectivas sobressocializadas e

subsocializadas. Cadernos EBAPE, 2(1), 1-15. https://doi.org/10.1590/S1679-39512004000100003

Barad, K. (2003). Posthumanist performativity: Toward an understanding of how matter comes to matter. Signs: Journal of women in culture and society, 28(3), 801-831. https://doi.org/10.1086/345321

Barcellos, R. M. R., & Dellagnelo, E. E. L. (2013). Novas formas organizacionais: Do dominante às ausências. Revista

do Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(1), 1-16. http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v7i1.200

Barcellos, R. M. R., & Dellagnelo, E. H. L. (2014). A Teoria Política do Discurso como abordagem para o estudo das

organizações de resistência: Reflexões sobre o caso do circuito fora do eixo. O&S,21(70), 405-424. https://doi.

org/10.1590/S1984-92302014000300004

Barcellos, R. M. R., Dellagnelo, E. H. L., & Salles, H. K. (2017). Reposicionando Conceitos: A organização fora dos

eixos. RAE, 57(1), 10-21. https://doi.org/10.1590/S0034-759020170102

Barlatier, P. J., Chauvet, V., & Morales, J. (2017). Management alternatif. Revue Française de Gestion, 264(3), 11-22.

https://doi.org/10.3166/rfg.2017.00125

Barros, M. A., & Santos, T. C. (2010). Terceiro Setor: Racionalidade instrumental ou substantiva? Revista Espaço

Acadêmico, 10(113), 11-18.

Bispo, M. (2013). Estudos baseados em prática: Conceitos, história e perspectivas. RIGS, 2(1), 13-33. https://doi.

org/10.9771/23172428rigs.v2i1.10058

Blackler, F. (1993). ‘Knowledge and the theory oforganizations: Organizations as activ-ity systems and the

reframing ofmanagement’. Journal of Management Studies, 30(6), 863-84. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/

abs/10.1111/j.1467-6486.1993.tb00470.x

Brandi, U., & Thomassen, M. L. (2020). Sustainable organizational learning and corporate entrepreneurship: A

conceptual model of sustainability practices in organizations. Journal of Workplace Learning, 33(3), 212-228.

https://doi.org/10.1108/JWL-05-2020-0084

Czarniawska, B. (2004). On time, space, and action nets. Organization, 11(6), 773-791. https://doi.

org/10.1177/13505084040472

Czarniawska, B. (2008). A theory of organizing. Edward Elgar Press.

Czarniawska, B. (2010). Going back to go forward: On studying organizing in action nets. In T. Hernes, S. Maitlis

(Eds.). Process, sensemaking, and organizing:perspectives on process organization studies (pp.140–160). Oxford

University Press.

Cruz, L. B., Alves, M. A., & Delbridge, R. (2017). Next steps in organizing alternatives to capitalism: Toward a relational

research agenda. Management, 20(4), 322-335. https://doi.org/10.3917/mana.204.0322

Cerri, L. T., Maranhão, C., & Pereira, J. J. (2017). As racionalidades substantiva e instrumental na prática organizacional: um olhar sobre Guerreiro Ramos e os estudos organizacionais. Revista Foco, 10(2), 125-147.

Chiesa, C. D., & Kihara, S. R. (2015). A sociabilidade e a forma de organizar: interpretações simmelianas em um projeto social. Revista Gestão & Conexões, 4(1), 187-209. https://doi.org/10.13071/regec.2317-5087.2014.4.1.8404.187-209.

Costa, P. D. A., Seifert, R. E., Meira, F. B., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2018). Provocações epistemológicas, teóricas

e metodológicas a partir de experiências empíricas de organizações alternativas e contra hegemônicas. Farol,

(13), 477-495. https://doi.org/10.25113/farol.v5i13.4903

Davel, E. (2014). Primeiro momento: Sobre a prática em contexto brasileiro. In S. Gherardi, & A. Strati (Org.),

Administração e aprendizagem na prática (pp. 15-18). Elsevier.

Dellagnelo, E. L., & Machado, C. L. S. (2000). Novas formas organizacionais: Onde se encontram as evidências

empíricas de ruptura com o modelo burocrático de organizações? Organizações & Sociedade,7(19), 19-33.

Durante, D. G., Veloso, F. R., Machado, D. Q., Cabral, A. C., & Santos, S. M. (2019). Aprendizagem organizacional

na abordagem dos estudos baseados em prática: revisão da produção científica. Revista de Administração

Mackenzie, 20(2), 1-28. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eRAMG190131

Duarte, M. F., & Alcadipani, R. (2016). Contribuições do organizar (Organizing) para os Estudos Organizacionais.

Organizações & Sociedade, 23(76), 57-72. https://doi.org/10.1590/1984-9230763

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2007). A instituição da violência nas relações de trabalho. In J. H. Faria, (Coord),

Análise Crítica das Teorias e Práticas Organizacionais (pp. 278-299). Editora Atlas.

Feldman, M. S., & Orlikowski, W. J. (2011). Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, 22(5),

–1253. https://doi.org/10.1287/orsc.1100.0612

Ferrazza, D. E. (2020). Meetups como saberes coletivos? O organizar de espaços alternativos de aprendizagem à

luz da teoria baseada em prática. [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Biblioteca

Digital de Teses e Dissertações da UFRGS. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/212992

Filgueiras, F. B (2012). Guerreiro Ramos, a redução sociológica e o imaginário Pós-Colonial. Caderno CRH, 25(65),

-363. https://doi.org/10.1590/S0103-49792012000200011

Fischer, T. (2012). Gestão social do desenvolvimento de territórios. Revista Psicologia: Organização e Trabalho, 12(1),

-120. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v12n1/v12n1a10.pdf

Gallon, S., Bitencourt, B. M., Viana, D. D., & Antonello, C.S. (2016). Formas de aprendizagem e saberes no trabalho

de manicures. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(1), 96-112. http://dx.doi.org/10.12712/

rpca.v10i1.655

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. (I. Storniolo

Trad.). Idéias & letras.

Gherardi, S. (1999). Learning as problem-driven or learning in the face of mystery? Organization Studies, 20(1),

–124. https://doi.org/10.1177/0170840699201005

Gherardi, S. (2000). Practice-Based theorizing on learning and knowing in organizations. Organization, 7(2), 211–223.

https://doi.org/10.1177/135050840072001

Gherardi, S. (2006). Organizational knowledge: The texture of workplace learning. Blackwell Publishers.

Gherardi, S. (2009a). Practice? It’sa matter of taste!. Management Learning, 40(5), 535-550. https://doi.

org/10.1177/1350507609340812

Gherardi, S. (2009b). Introduction: The critical power of the practice lens’. Management learning, 40(2), 115-128. https://doi.org/10.1177/135050760810122

Gherardi, S. (2011). Organizational learning: the sociology of practice. In M. Easterby-Smith, & M. Lyles (Eds.), Handbook of organizational learning, knowledge management (2a ed., pp. 43-65). John Wiley & Sons.

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/9781119207245.ch3

Gherardi, S. (2012). How to conduct a practice-based study: problems and methods. Elgar.

Gherardi, S., & Nicolini, D. (2001). The sociological foundations of organizational learning. In M. Dierkes, A. Berthoin, J.Child, & I. Nonaka (Orgs.), The handbook of organizational learning and knowledge (pp. 35-60). Oxford University

Press.

Gherardi, S., & Nicolini, D. (2002). Learning the trade: A culture of safety in practice. Organization, 9(2), 191–223.

https://doi.org/10.1177/1350508402009002264

Gherardi, S., & Strati, A. (2014). Administração e aprendizagem na prática. Elsevier.

Heidegger, M. (1996). Being and time. (J. Stambaugh Trad.) State University New York. (Original work publisher 1927).

Kalberg, S. (1980). Max Weber’s types of rationality: Cornerstones for the analysis of rationalization processes in

history. American journal of sociology, 85(5), 1145-1179.

Kastrup, V. (2013). A rede: Uma figura empírica da ontologia do presente. In A. Parente (Org.). Tramas da rede: Novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação (pp.80-90). Sulina.

Langley, A., & Tsoukas, H. (2010). Introducing perspectives on process organization studies. In T. Hernes, & S. Maitlis

(Eds.), Process, sensemaking, and organizing (pp. 1–26). Oxford University Press.

Latour, B. (1986). The power of association. In J. Law (Ed.), Power, Action andBelief: A New Sociology of Knowledge?

Routledge & Kegan Paul.

Latour, B. (1987). Science in Action. Harvard University Press.

Latour, B. (1990). Drawing Things Together. In M. Lynch, & S. Woolgar, (Eds.), Representation in Scientific Practice

(pp. 19-68). MIT Press, 1990.

Latour, B. (1992). Where are the missing masses? The sociology of a few mundane artifacts,

In W. E. Bijker, & J. Law. (Eds). Shaping Technology/Building Society: Studies in Sociotechnical Change (pp. 225-259).

MIT Press.

Latour, B. (2005). Reassembling the social. An introduction to actor-network-theory. Oxford University Press.

Latour, B. (2011). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade a fora (2a ed.). Editora UNESP.

Law, J. (1992). Notes on the Theory of the Actor-Network: Ordering, Strategy, and Heterogeneity. Systemic Practice

and Action Research, 5(4), 379-393.

Law, J. (1994). Organizing Modernity. Blackwell Publishers.

Law, J .(1999). After ANT: Complexity, naming and topology. The Sociological Review, 47(1suppl), 1–14. https://doi.

org/10.1111/j.1467-954X.1999.tb03479.x

Law, J. (2015). What’s wrong with a one-world world? Distinktion: Scandinavian Journal of Social Theory, 16(1), 126-

https://doi.org/10.1080/1600910X.2015.1020066

Margoto, J. B., Behr, R. R., & De Paula, A. P.P. (2010). Eu me Demito! Evidências da racionalidade substantiva nas decisões de desligamento em organizações. O&S, 17(52), 115-135. https://doi.org/10.1590/S1984-92302010000100007

Meira, F. B. (2014). Liminal organization: Organizational emergence within solidary economy in Brazil. Organization,

(5), 713-729. https://doi.org/10.1177/1350508414537621

Moraes, J. (2010). Self-management as a tool to organize counter-hegemony. O&S, 17(55), 585-604. https://doi.

org/10.1590/S1984-92302010000400001

Nicolini, D. (2009). Zooming in and out: Studying practices by switching theoretical lenses and trailing connections.

Organization Studies, 30(12), 1391–1418. https://doi.org/10.1177/0170840609349875

Nicolini , D. (2012). Practice theory, work, and organization: An introduction Oxford University Press..

Nicolini, D. (2016). Knowing in Organizations: A Practice-Based Approach: A Practice-Based Approach. Routledge.

Nicolini, D. (2017). Practice theory as a package of theory, method and vocabulary: Affordances and limitations. In

M. Jonas, B. Littig, & A. Wroblewski (Eds.), Methodological reflections on practice oriented theories (pp. 19-34).

Springer.

Nicolini, D., Gherardi, S., & Yanow, D. (2003). Introduction: Toward a practice-based view of knowing and learning

in organizations. In D. Nicolini, S. Gherardi, & D. Yanow. (Orgs.), Knowing in organizations: A practice-based

approach (pp. 3-31). M.E. Sharpe.

Nicolini, D., & Monteiro, P. (2017). The practice approach in organizational and management studies. In A. Langley, &

H. Tsoukas, (Eds), The Sage Handbook of Process Organization Studies (pp. 110-126). SAGE.

Nogueira, R. A., & Odelius, C. C. (2015). Desafios da pesquisa em aprendizagem organizacional. Cadernos Ebape.

BR, 13(1), 83-102. https://doi.org/10.1590/1679-395112602

Oliveira, D. G., Mozzato, A. R., & Colet, D. S. (2016). Aprendizagem Baseada em Prática: entre remédios e receitas

em pequena farmácia. ReGePe, 5(3), 90-115. https://doi.org/10.14211/regepe.v5i3.388

Orlikowski, W. J. (1996). Improvising organizational transformation over time: A situated change perspective. Information systems research, 7(1), 63-92.

Orlikowski, W. J. (2002). Knowing in practice: enacting a collective capability in distributed organizing. Organization

Science, 13(3), 249-273. https://doi.org/10.1287/orsc.13.3.249.2776

Pagani, C. (2021). Estudos baseados na prática (EBP): Uma revisão sistemática de literatura. REUNA, 26(4), 1-18.

Parker, M., Cheney, G., Fournier, V., & Land. C. (2014). The Routledge companion to alternative organization. Routledge.

Peredo, A. M., & Chrisman, J. J. (2006). Toward a theory of community-based enterprise. Academy of Management

Review, 31(2), 309-328. https://doi.org/10.5465/amr.2006.20208683

Pimentel, R., & Nogueira, E. E. D. S. (2018). Estudos baseados na prática: Possibilidades metodológicas para pesquisas em estudos organizacionais. O&S, 25, 350-370. https://doi.org/10.1590/1984-9250861

Ramos, A. G. (1989). A nova ciência das organizações. Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Reed, M. (1999). Teorização Organizacional: Um campo historicamente contestado. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W.

R. Nord, (Orgs.), Handbook de estudos organizacionais: Modelos de análise e novas questões em estudos

organizacionais (pp.61-98). Atlas.

Reedy, P. (2014). Impossible organisations: Anarchism and organisational praxis. Ephemera, 14(4), 639-658.

Sandberg, J., & Tsoukas, H. (2011). Grasping the logic of practice: Theorizing through practical rationality. Academy

of Management Review, 36, 338–360. https://doi.org/10.5465/amr.2009.0183

Salm, J. F., & Menegasso, M. E. (2015). A base epistemológica da ação administrativa nas organizações substantivas e

a formação do gestor social. RCA, 17(edição especial), 63-78. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2015v17nespp63

Schatzki, T. (2012). A Primer on Practices. In J. Higgs, R. Barnett, S. Billett, M. Hutchings, & F. Trede (Eds.), Practice-

Based Education: Perspectives and Strategies (pp. 13–26). Sense.

Sandberg, J., & Tsoukas, H. (2011). Grasping the logic of practice: Theorizing through practical rationality. Academy

of management review, 36(2), 338-360.

Santos, A. R. (2017). A racionalidade coletiva como paradigma organizativo do MST. Educação & Formação, 2(2),

-130. https://doi.org/10.25053/edufor.v2i5.2034.

Santos, L. L. S., & Alcadipani, R. S. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: A contribuição de

Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98. https://doi.org/10.1590/1984-9230724

Seifert, R. E., & Vizeu, F. (2015). Crescimento organizacional: Uma ideologia gerencial?. Revista de Administração

Contemporânea, 19(1), 127-141. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2015812

Sell, C. E. (2001). Sociologia Clássica: Durkheim, Weber e Marx. Vozes.

Sennett, R. (2000). A corrosão do caráter: As consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo (4a ed., M.

Santarrita Trad.). Record.

Serva, M. (1993). O fenômeno das organizações substantivas. RAE, 33(2), 36-43. https://doi.org/10.1590/S0034-

Serva, M. (1996). Racionalidade e organizações: O fenômeno das organizações substantivas. [Tese de Doutorado,

Fundação Getúlio Vargas]. FGV Repositório Digital. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/4533

Serva, M. (1997). A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. RAE, 37(2), 18-30. https://doi.

org/10.1590/S0034-75901997000200003

Silva, É. S. da, & Silva, G. P. da. (2019). Formação humana e racionalidade substantiva: Resistência à formação

instrumental. Plurais Revista Multidisciplinar, 4(3), 115-131. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2019.

v4.n3.115-131

Siqueira, G. D. M. V. (2017). Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental: Estudo de caso em uma

ecovila no sul da Bahia. Cadernos EBAPE. BR, 15, 768-782. https://doi.org/10.1590/1679-395155014

Strati, A. (1992). Aesthetic Understanding of Organizational Life. The Academy of Management Review, 17(3), 568-

https://doi.org/10.2307/258723

Strati, A. (1996). Organizations viewed through the lens of aesthetics. Organization, 3(2), 209-218. https://doi.

org/10.1177/13505084963200

Strati, A. (1998a). Organizational symbolism as a social construction: A perspective from the sociology of knowledge.

Human Relations, 51(11), 1379-1402. https://doi.org/10.1177/001872679805101103

Strati, A. (1998b). Organization and Aesthetics. SAGE Publications Ltd.

Strati, A. (2000). The aesthetic approach in organization studies. In S. Linstead, & H. Höpfl, (Eds.). The Aesthetics of

Organization (pp.13-34). SAGE Publications.

Strati, A. (2003). Knowing in practice: aesthetic understanding and tacit knowledge. In S. Gherardi, D. Nicolini, & D.

Yanow. Knowing in organizations: A practice-basedapproach (pp. 53-75). Routledge.

Strati, A. (2007a). Sensible knowledge and practice-based learning. Management Learning, 38(1), 61–77. https://doi.

org/10.1177/1350507607073023

Strati, A. (2007b). Organização e estética. Editora FGV.

Tragtenberg, M. (1992). Burocracia e ideologia (2a ed.). Ática.

Verzelloni, L. (2016). Beyond the provisional nature: towards a radial concept of practice. Teoria e Prática em

Administração, 6(2), 01-25. https://doi.org/10.21714/2238-104X2016v6i2-31614

Vizeu, F. (2009). Contribuições da sociologia da dádiva aos estudos sobre organizações substantivas. O&S, 16(50),

-427. https://doi.org/10.1590/S1984-92302009000300001

Vizeu, F., Seifert, R. E., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2015). Non capitalist organizations in latin America: lessons from

the Brazilian Faxinal grassroot community. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 369-389. https://doi.org/10.1590/1679-

Voegelin, E. (1978). Anamnesis: On the theory of history and politics. University of Missouri Press.

Weber, M. (1982). Ensaios de sociologia (5a ed.). LTC Editora.

Weber, M. (1987). A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (5a ed.). Pioneira.

Weick, K. E. (1979). The social psychology of organizing. Addison-Wesley.

Wenger, E. (1998). Communities of practice. learning, meaning and identity. Cambridge University Press.

Zilio, L. B., Barcellos, R. M. B., Dellagnello. E. H. L., & Assmann, S. J. (2012). Organizações contra hegemônicas e

possibilidade de redescoberta da política na modernidade: Uma contribuição a partir do pensamento de Hannah

Arendt. Cadernos EBAPE.BR, 10(4), 789-803. https://doi.org/10.1590/S1679-39512012000400002

Downloads

Publicado

07.03.2023

Como Citar

JUNGES, V. de C.; CAMPOS, S. A. P. de; BECKER, R. G.; MARCHI, J. Estudos Baseados em Práticas como uma Alternativa Teórico-Metodológica para o Estudo de Novas Formas Organizacionais. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 29, p. 1–21, 2023. DOI: 10.5020/2318-0722.2023.29.e13701. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/13701. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos