A riqueza do consumo: Análise das demonstrações de valor adicionado à luz da Teoria dos Ciclos Econômicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2024.30.e13292

Palavras-chave:

Consumo cíclico, Consumo Não Cíclico, Expansão, Recessão, Demonstração do Valor Adicionado

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar a variação da riqueza gerada e distribuída entre os agentes econômicos nos setores de consumo cíclico e não cíclico nos períodos de expansão e recessão econômica. A amostra compreendeu todas as empresas dos respectivos setores, segundo classificação setorial da Brasil, Bolsa, Balcão B3 que disponibilizaram a Demonstração do Valor Adicionado (DVA) entre 2009 e 2019. Os resultados apontaram que os setores não apresentaram crescimento na geração de riqueza no período de recessão. Entretanto, a ruptura na tendência de crescimento se apresentou primeiro no setor de consumo cíclico que é considerado sensível em períodos de recessão conforme a Teoria dos Ciclos Econômicos. Com relação à distribuição aos agentes econômicos, o grupo remuneração de capitais de próprios apresentou maiores taxas de crescimento no período de expansão em ambos, contudo no período de recessão esse grupo foi mais impactado por taxas negativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Aparecida Batista da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Municipal de São José, Graduada em Segunda Licenciatura Letras Inglês pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci e Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atua como professora de Inglês da Rede Pública Estadual de Santa Catarina. 

Denize Demarche Minatti Ferreira, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Pós-doutora em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (UFSC), Mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental, Graduada em Ciências Biológicas e Bacharel em Ciências Contábeis. Professora do Departamento de Ciências Contábeis (UFSC), do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis (PPGC/UFSC) e pesquisadora do Núcleo de Estudos em Contabilidade e Controladoria (NECC).

Monique Cristiane Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (PPGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bacharela em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora no Núcleo de Estudos em Contabilidade e Controladoria - NECC (2014). Professora Substituta no Departamento de Ciências Contábeis (CCN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

Banco Central do Brasil – BCB. (2021, 26 de março). Calculadora do Cidadão. https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores

Brasil Bolsa Balcão – B3. (2020, 01 de setembro). Empresas Listadas por setor de atuação. http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/renda-variavel/empresas-listadas.htm

Behun, M., Gavurova, B., Tkacova, A., & Kotaskova, A. (2018). The impact of the manufacturing industry on the economic cycle of European Union countries. Journal of competitiveness, 10(1), 23-39. https://doi.org/10.7441/joc.2018.01.02

Blanchard, O. (2007). Macroeconomia (4a ed.). Editora Pearson.

Borges, B. C., & Rover, S. (2022, 27 a 29 de julho). Os ciclos econômicos influenciam a relevância das provisões e passivos contingentes? Um estudo das companhias brasileiras de capital aberto. [Apresentação de trabalho]. 19º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. https://congressousp.fipecafi.org/anais/22UspInternational/ArtigosDownload/4024.pdf

Brugnera, T. L., & Damke, E. J. (2022). Relação entre Desempenho Econômico e Social por Meio da DVA. Pensar Contábil, 23(83), 57-67.

Campos, O. V., Lamounier, W. M., & Souza, R. M. de. (2022). A composição do endividamento das firmas e a macroeconomia do capital: uma análise econômica construída por meio de informações contábeis. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 21, 1-18. https://doi.org/10.16930/2237-766220223296

Cardoso, V. R. S., & Pinheiro, M. C. (2020). Influência da recessão e das variáveis macroeconômicas sobre a estrutura de capital setorial. Revista Contabilidade & Finanças, 31(84), 392-408. https://doi.org/10.1590/1808-057x201908100

Comitê de Datação de Ciclos Econômicos – CODACE. (2019, 26 de maio). Comunicado de Criação do CODACE e Datação de Ciclos Trimestrais Brasileiro. FGV IBRE. https://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumChannelId=4028808126B9BC4C0126BEA1755C6C93

Comitê de Datação de Ciclos Econômicos – CODACE. (2021, 07 de maio). Comunicado de datação de ciclos mensais brasileiros. FGV IBRE. https://portalibre.fgv.br/sites/default/files/2020-06/comunicado-do-comite-de-datacao-de-ciclos-economicos-29_06_2020-1.pdf

De Luca, M. M. M., Cunha, J. V. A. Da, Ribeiro, M. S., & Oliveira, M. C. (2009). Demonstração do valor adicionado: Do cálculo da riqueza criada pela empresa ao valor do PIB (2a ed.). Editora Atlas.

Feltes, T., & Ribeiro, A. M. (2020). Estrutura de Capital e o Desempenho de Empresas Brasileiras em Ciclos Econômicos Distintos/Capital Structure and Performance of Brazilian Companies in Different Economic Cycles. Revista FSA (Centro Universitário Santo Agostinho), 17(10), 131-148. http://www4.unifsa.com.br/revista/index.php/fsa/article/view/2139

Gonçalves, T., Gaio, C., & Ferro, A. (2021). Corporate social responsibility and earnings management: Moderating impact of economic cycles and financial performance. Sustainability, 13(17), 1-14. https://doi.org/10.3390/su13179969

Goulart, M., Ferreira, L.F., Araujo, A. R. M., & Ferreira, D. D. M. (2018). Distribuição de riqueza aos agentes econômicos da DVA: Um olhar sobre o ranking das “Melhores empresas para se trabalhar em 2016, 2015 e 2014”. Revista Capital Científico, 17(1), 42-58. https://revistas.unicentro.br/index.php/capitalcientifico/article/view/5415

Guesser, A. P. G., Fedrigo, J., & Einsweiller, A. C. (2018). Demonstração do valor adicionado: A evolução e distribuição da riqueza das empresas catarinenses listadas na BMF&BOVESPA. Revista Ambiente Contábil, 10(1), 200- 222. https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/11276

Kassouri, Y., Alola, A. A., & Savaş, S. (2021). The dynamics of material consumption in phases of the economic cycle for selected emerging countries. Resources Policy, 70, 1-9. https://doi.org/10.1016/j.resourpol.2020.101918

Keynes, J. M. (1988). A teoria geral do emprego, do juro e da moeda (M. R. da Cruz, Trad.). Nova Cultural.

Koch, C. J., Bampi, J., Scheren, G., & Dittadi, J. R. (2021). Relação entre Indicadores Econômico-Financeiros com a Carga Tributária das Empresas Não Financeiras Listadas na B3. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 25(1), 3-21. https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v25i1.59244

Mitchell, W. C. (1998). Os ciclos econômicos e suas causas (3a ed., I. Rosental, Trad.). Nova Cultural.

Oreiro, J. L. (2017). A grande recessão brasileira: Diagnóstico e uma agenda de política econômica. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 31(89) 75-88. https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890009

Pandini, J., Stüpp, D. R., & Fabre, V. V. (2018). Análise do impacto das variáveis macroeconômicas no desempenho econômico-financeiro das empresas dos setores de consumo cíclico e não cíclico da BMF&BOVESPA. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 17(51), 7-22. https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v17n51.2606

Paula, L. F., & Pires, M. (2017). Crise e perspectivas para economia brasileira. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 31(89), 125-144. https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890013

Paulo, E., & Mota, R. H. G. (2019). Ciclos econômicos e estratégias de gerenciamento de resultados contábeis: um estudo nas companhias abertas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 30(80), 216-233. https://doi.org/10.1590/1808-057x201806870

Santos, A. dos. (2007). Demonstração do valor adicionado: Como elaborar e analisar a DVA (2a ed.). Atlas.

Santos, A. A., Botinha, R. A., & Lemes, S. (2019). Análise da Value Relevance da demonstração do valor adicionado nos níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBOVESPA. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 1(18), 1–16. https://doi.org/10.16930/2237-766220192697

Santos, A., Cunha, J. V. A.; De Luca, M. M. M., & Ribeiro, M. De S. (2013). A economia das empresas nos governos FHC e Lula: Uma análise a partir da demonstração do valor adicionado. Revista de Contabilidade e Controladoria, 5(1), 47-64. https://repositorio.usp.br/item/002440122

Schumpeter, J. A. (1985). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico (2a ed., M. S. Possas Trad.). Nova Cultural.

Teixeira, E., Oliveira, E. R. de, Santos, G. C., & Ferreira, R. A. (2022). Análise Comparativa do Desempenho Econômico-financeiro entre os Setores de Consumo da B3 em Períodos de Crise Econômica. Redeca, Revista Eletrônica do Departamento de Ciências Contábeis & AMQ. 1(9), 1-18. https://doi.org/10.23925/2446-9513.2022v9id56998

Tinoco, J. E. P., & Moraes, P. B. (2008). Uso da Demonstração do Valor Adicionado – DVA, como ferramenta de medição da carga tributária no Brasil. Revista Eletrônica de Gestão e Negócios, 4(1), 1-32.

Wang, H., Liang, P., & Deng, J. (2017). Economic Cycle, Accounting Conservatism and Financial Constraints. In J. Xu, M. Gen, A. Hajiyev, & F. L. Cooke (Eds.) Proceedings of the Eleventh International Conference on Management Science and Engineering Management. Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-59280-0_146

Weller, L. (2019). Economic Cycles in Brazil. In S. Smirnov, A. Ozyildirim, & P. Picchetti (Eds.), Business Cycles in BRICS (pp. 69-87). Springer.

Wink, E., Severo, P. S., & Dornelles, M. T. (2015). Demonstração do valor adicionado (DVA): Distribuição de riqueza ao pessoal e aos capitais de entidades dos setores da auto indústria e de bens de capital. Revista metropolitana de sustentabilidade, 5(3), 61-80. https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/view/722

Downloads

Publicado

04.03.2024

Como Citar

SILVA, K. A. B. da; FERREIRA, D. D. M.; OLIVEIRA, M. C. A riqueza do consumo: Análise das demonstrações de valor adicionado à luz da Teoria dos Ciclos Econômicos. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 30, p. 1–14, 2024. DOI: 10.5020/2318-0722.2024.30.e13292. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/13292. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos