Epistemologia de Certeau e sua Contribuição para os Estudos Baseados em Prática em Organizações

Autores

  • Rafael Carvalho Machado Universidade Positivo
  • Franciely Chropacz Universidade Positivo
  • Yara Lucia Mazzioti Bulgacov Universidade Positivo Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2020.26.2.10091

Palavras-chave:

Certeau. epistemologia. práticas. cotidiano. organizações.

Resumo

O enfoque deste ensaio teórico é apresentar contribuições para possibilidades de pesquisa, sob a perspectiva epistemológica apresentada na obra A Invenção do Cotidiano, de Michel de Certeau, para os estudos organizacionais, especialmente para os estudos baseados em prática. A compreensão de fundamentos ontoepistemológicos associados à leitura retrospectiva dessa obra permitiu estabelecer uma agenda de pesquisa para os estudos baseados em práticas na perspectiva certeauniana. Escolheu-se essa obra porque nela o filósofo destina o seu olhar para as práticas cotidianas, o que o coloca entre os teóricos da “virada da prática”. Nela, as ocorrências diárias revelam como a sociedade recebe e consome aquilo que lhe é dado. A contribuição de Certeau para a compreensão do processo de mudança organizacional, em especial nos campos de aprendizagem organizacional e cultura, revelam a importância das micro-ocorrências do cotidiano e como sua perspectiva atribui agência a atores organizacionais a quem a literatura tradicional só atribui papel de reprodução. Ao identificar algumas contribuições e possibilidades da perspectiva do filósofo francês no campo dos estudos organizacionais, este ensaio propõe suas aplicações em estudos de mudança organizacional e organizações não tradicionais, além de conceitos sensibilizadores para a compreensão da lógica da prática social.

Biografia do Autor

Rafael Carvalho Machado, Universidade Positivo

Doutorando em Administração (Universidade Positivo) na linha de estudos organizacionais, com foco em aprendizagem e mudança organizacional Mestre em administração (Universidade Positivo, 2017) com foco em inovação e estratégia. Graduado em Administração Pública (EAESP-FGV, 2004).

Franciely Chropacz, Universidade Positivo

Mestre em Administração pela Universidade Positivo (2018). Pós-graduada em Auditoria e Perícia Contábil (2017), Direito Constitucional (2014), Direito Público (2012), MBA em Gestão Pública (2008) e Direito Tributário (2007). Bacharel em Direito pela Universidade Tuiuti do Paraná (2002) é Analista Fiscal da prefeitura de Pinhais, desde abril de 2004.

Yara Lucia Mazzioti Bulgacov, Universidade Positivo Universidade Federal do Paraná

Professora Sênior do PPPGADM da Universidade Federal do Paraná. Doutora em Educação pela UNESP; Mestre em Psicologia pela PUC-SP, Graduada em Psicologia pela UEL. Participa, junto ao CNPq, Grupo de Pesquisa: Organizações e Subjetividade, desenvolvendo pesquisas com base epistemológica interpretativa aproximando categorias teóricas da psicologia social sócio-histórica, psicologia comunitaria junto ao campo dos estudos organizacionais.

Referências

BISPO, M. D. S.; GODOY, A. S. A Etnometodologia enquanto caminho teórico metodológico para investigação da aprendizagem nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v. 16, n. 5, p. 684-704, 2012.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19. p. 20-29. jan./fev./mar./abr. 2002.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Reproduction in education, society and culture. Sage, 1990.

BRUNER, J. Realidade mental, mundos possíveis. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BUEGER, C.; GADINGER, F. The play of international practices. International Studies Quarterly, [S. l.], v. 59, n. 3, p. 1-27, 2015.

BULGACOV, Yara L. M.; CHAVES, Carlos J. A.; VILELA, Juliana S.; VOGT, Sérgio S. A abordagem da prática proposta por Nicolini: base para uma “teoria” fundamentada. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 4., 2016, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: [s.n.], 2016. p. 1-12.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. v. 1.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefacum, 2010.

CZARNIAWSKA, B. After practice: a personal reflection. Nordic Journal of Working Life Studies, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 105, 2015.

DURAN, M. Uma leitura do cotidiano escolar com Michel de Certeau. International Studies on Law and Education, [S. l.], v. 12, p. 43-48, 2012.

FARIA, A. M.; LEITE-DA-SILVA, A. R. Estudos organizacionais baseados em Michel de Certeau: a produção internacional entre 2006 E 2015. Revista Alcance, Biguaçu, v. 24, n. 2, p. 209, 2017.

KÖHLER, J.; GEELS, F. W.; KERN, F.; et al. An agenda for sustainability transitions research: State of the art and future directions. Environmental Innovation and Societal Transitions, [S. l.], v. 31, p. 1-32, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.eist.2019.01.004. Acesso em: 27 mar. 2019.

MACHADO, Filipe C. L.; FERNANDES, Talita A.; SILVA, Alfredo R. L. da. Michel de Certeau e estudos organizacionais: uma leitura do cenário brasileiro. Caderno de Administração, Maringá, v. 25, n.2, p. 24-43, jul./dez. 2017.

MASCARENHAS, André O. Etnografia e cultura organizacional: uma contribuição da antropologia à administração de empresas. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 42, n. 2, abr./jun. 2002.

NICOLINI, D. Articulating practice through the interview to the double. Management Learning, [S. l.], v. 40, n. 2, p. 195-212, 2009.

NICOLINI, D. Practice theory, work, and organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press, 2012.

NICOLINI, D.; MONTEIRO, P. The practice approach: for a praxeology of organisational and management studies. In: LANGLEY, Ann; TSOUKAS, Haridimos. The SAGE handbook of process organization studies, [S. l.]: SAGE Publications, 2016. p. 110-126. Link. Acesso em: 23 mar. 2019.

ORLIKOWSKI, W. J. Practice in research: phenomenon, perspective and philosophy. In: GLOSORKHI, D.; ROULEAU, L; SEIDL, D.; VAARA, E. (org.). Cambridge handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2015. p. 70-83.

PASSERON, Jean-Claude. Morte de um amigo, fim de um pensador. In: ENCREVÉ, Pierre; LAGRAVE, Rose-Marie. Trabalhar com Bourdieu. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PEREIRA, M. H. de F.; SARTI, F. M. A leitura entre táticas e estratégias? consumo cultural e práticas epistolares. História da Educação, [S. l.], v. 14, n. 31, p. 195-217, 2010.

RECKWITZ, A. Toward a theory of social practices: A development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 243–263, 2002. Link. Acesso em: 23 mar. 2019.

SANDBERG, J.; TSOUKAS, H. Grasping the logic of practice: Theorizing through practical rationality. Academy of Management Review, [S. l.], v. 36, n. 2, p. 338-360, 2011.

SANTOS, L. L. da S.; ALCADIPANI, R. Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organização e Sociedade, Salvador, v. 22, n. 72, p. 79-98, 2015

SCHATZKI, T. R.; CETINA, K. K.; SAVIGNY, E. Von. The practice turn in

contemporary theory. New York: Routledge, 2005.

SPINK, Peter K. Micro cadeias produtivas e a nanoeconomia: repensando o trabalho decente. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 227-241, 2009.

SPINK, Peter K. O lugar do lugar na análise organizacional. RAC. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 5, p. 11-34, 2001.

SPINK, Peter K. O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, Recife, v. 20, p. 70-77, 2008.

TSOUKAS, H. The practice of theory: a knowledge-based view of the development in organization studies. In: TSOUKAS, H. Complex Knowledge: studies in organizational epistemology. Oxford: Oxford University Press, 2005. p. 427.

WENGER, E. Comunidades de práctica: aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paidos, 2011.

Downloads

Publicado

05.11.2020

Como Citar

MACHADO, R. C.; CHROPACZ, F.; BULGACOV, Y. L. M. Epistemologia de Certeau e sua Contribuição para os Estudos Baseados em Prática em Organizações. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 26, n. 2, 2020. DOI: 10.5020/2318-0722.2020.26.2.10091. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/e10091. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos