Estratégias de internacionalização e a formação dos gestores

Autores

  • Felipe Mendes Borini FEA/USP

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.15.1.%25p

Resumo

O objetivo desse artigo é determinar quais as diretrizes que precisam ser incluídas e modificadas para o ensino da estratégia num cenário de internacionalização. Em outras palavras, será que os recém administradores recebem toda uma carga de ensino e práticas gerenciais adequadas para atuar nas empresas globais de hoje (subsidiárias estrangeiras no país) e nas empresas globais de amanhã (subsidiárias de empresas brasileiras no exterior)? Uma primeira etapa do estudo verificou a atuação das multinacionais no país, os principais e mais recentes resultados de pesquisa em termos de gerenciamento das empresas multinacionais e a importância do estudo da cultura nacional para a inserção num mundo globalizado. Ainda dentro desse último, traz a idéia da antropofagia organizacional para compreender e melhor gerenciar as multinacionais, assim como para garantir uma internacionalização qualificada de nosso ensino. Desse modo, por meio desses assuntos são norteadas algumas diretrizes para o ensino da estratégia organizacional com vistas à internacionalização, mas baseado numa metodologia antropofágica. Assim, foram desenvolvidas as competências a serem discutidas e incluídas nos currículos do ensino da estratégia organizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Mendes Borini, FEA/USP

Professor do Departamento de Administração da ESPM. Doutor pela FEA/USP

Downloads

Como Citar

BORINI, F. M. Estratégias de internacionalização e a formação dos gestores. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 15, n. 1, 2010. DOI: 10.5020/2318-0722.15.1.%p. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/512. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos