Capacidade absortiva como propulsora da inovação em empresas incubadas de Santa Catarina

Autores

  • Alessandra Cassol Universidade Nove de Julho - UNINOVE Universidade do Contestado - UNC
  • Jaqueline Zapalai Universidade do Contestado
  • Renato Fabiano Cintra Universidade Nove de Julho

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.23.1.9-41

Resumo

O capital intelectual vem sendo investigado como um recurso estratégico preparado para ser um propulsor da inovação. Desse modo, supõe-se que o capital intelectual e a capacidade absortiva possam ser recursos influenciadores da gestão da inovação nas empresas. Esta pesquisa, por sua vez, tem como finalidade compreender se a capacidade absortiva é capaz de moderar a relação entre o capital intelectual e a inovação em empresas incubadas. Como método, utilizou-se uma pesquisa descritiva com abordagem quantitativa e aplicação de questionário para uma amostra de 88 respondentes gestores de empresas incubadas de Santa Catarina. Na análise dos dados foi utilizada a técnica modelagem de equações estruturais através do PLS (Partial Least Squares). Os resultados confirmam que o capital intelectual tem influência positiva na inovação das empresas pesquisadas e que a capacidade absortiva apresenta um papel de moderação na relação entre o capital intelectual e a inovação, ou seja, por meio da capacidade absortiva o conhecimento é mais bem aproveitado, contribuindo de forma acentuada para o desenvolvimento de inovações em empresas incubadas. A presente pesquisa tem como contribuição ampliar a discussão e a compreensão sobre a utilização da capacidade absortiva para tornar-se uma propulsora da inovação moderando o uso do capital intelectual existente nas empresas.

Biografia do Autor

Alessandra Cassol, Universidade Nove de Julho - UNINOVE Universidade do Contestado - UNC

http://lattes.cnpq.br/9005547281638334

Downloads

Publicado

23.12.2016

Como Citar

CASSOL, A.; ZAPALAI, J.; CINTRA, R. F. Capacidade absortiva como propulsora da inovação em empresas incubadas de Santa Catarina. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 9–41, 2016. DOI: 10.5020/2318-0722.23.1.9-41. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/4074. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos