Vidas invisíveis: Como os estudos de administração exploram a travestilidade e transexualidade?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2024.30.e14043

Palavras-chave:

transgênero, travesti, administração

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa busca aprofundar-se nas temáticas gênero, diversidade e trabalho, tendo como objetivo revisar a literatura que explora a travestilidade e transexualidade nos estudos de administração e gestão. Método: Para alcance do objetivo proposto, foi realizada uma revisão da literatura, no qual três perguntas auxiliaram a compreender o estado da arte sobre a temática no cenário nacional e internacional. Resultados: As análises inicias indicam que mesmo após 16 anos da primeira publicação na área da administração no Brasil, ainda existe um número limitado de pesquisa nas revistas e eventos científicos nacionais. Além disso, a academia brasileira não acompanhou o período de crescimento sobre a temática que iniciou em 2017 na literatura internacional. Nos últimos anos, nas pesquisas internacionais, nota-se a tendência de trabalhos com um olhar voltado as organizações, que avaliam os benefícios e vantagens das políticas de inclusão e defesa da liberdade de gênero e a discussão sobre temas mais sensíveis. Conclusão: este estudo amplia a discussão sobre minorias, gênero, sexualidade, suas interseccionalidades e o trabalho. Além disso, apresenta como os estudos da área de administração estão abordando esta temática, identificando lacunas teóricas e propondo uma agenda de pesquisas futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Bastos Gomes Neto, Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Mestrando em Administração pela Pontifícia Universidade Católica - Minas Gerais (PUC-MG). Graduado em Administração pela Universidade Federal do Cariri (UFCA/2021). Técnico em Finanças pela Escola Estadual de Educação Profissionalizante Raimundo Saraiva Coelho (EEEPRSC/ 2016).

Carolina Maria Mota-Santos, Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutora em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais / Fundação Dom Cabral (2012). Mestre em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais / Fundação Dom Cabral (2007). Pós graduada em Docência do Ensino Superior (2001) e Especialização em Novas Tecnologias em Educação e Treinamento (2002). Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2000).).

Referências

Achyldurdyyeva, J., Wu, L. F., & Datova, N. (2021). Understanding LGBT individuals' employment environment in Taiwan: A relational framework perspective. Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal, 42(5), 656-684. https://doi.org/10.1108/EDI-02-2020-0042

Almeida, C. B. D., & Vasconcellos, V. A. (2018). Transexuais: Transpondo barreiras no mercado de trabalho em São Paulo?. Revista Direito GV, 14(2), 303-333. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6172201814

Baggio, M. C. (2017). Sobre a relação entre pessoas trans e as organizações: Novos temas para estudos sobre diversidade organizacional. REGE-Revista de Gestão, 24(4), 360-370.

Baines, D. (2010). Gender mainstreaming in a development project: Intersectionality in a post‐colonial un‐doing? Gender, Work & Organization, 17(2), 119-149. https://doi.org/10.1111/j.1468-0432.2009.00454.x

Bates, T., Thomas, C. S., & Timming, A. R. (2020). Employment discrimination against gender diverse individuals in Western Australia. Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal, 40(3), 273-289. https://doi.org/10.1108/EDI-04-2020-0073

Benevides, B. (2022). Dossiê Assassinatos e violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2021. Associação Nacional de Travestis e Transexuais. https://antrabrasil.files.wordpress.com/2022/01/dossieantra2022-web.pdf

Benevides, B. G., & Nogueira, S. N. B. (2020). Assassinatos contra travestis brasileiras e violência e transexuais em 2019. Expressão Popular, ANTRA, IBTE. https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/01/dossic3aa-dos-assassinatos-e-da-violc3aancia-contra-pessoas-trans-em-2019.pdf

Bicalho, R. A., & Caproni, H. L. Neto. (2012, 22 a 26 de setembro). Análise das violências simbólicas vivenciadas por indivíduos transgêneros. [Apresentação de trabalho]. 36º EnANPAD - Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ.

Brown, E., & Scott, I. (2019). Belief v. belief: Resolving LGBTQ rights conflicts in the religious workplace. American Business Law Journal, 56(1), 55-113. https://doi.org/10.1111/ablj.12135

Campos, R. C., & Silva, K. A. T. (2014). O “Terceiro Sexo”: Avanços e Retrocessos Para os Transexuais. [Apresentação de trabalho]. 38º Encontro da EnANPAD - Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ.

Cannonier, C., & Burke, M. G. (2019). The impact of party affiliation of governor and state political ideology on the labor market outcomes of transgender individuals. International Journal of Manpower, 41(6), 779-808. https://doi.org/10.1108/IJM-03-2019-0165

Caproni, H. L., Neto, & Saraiva, L. A. S. (2014). Estigma na trajetória profissional de uma travesti. Teoria e Prática em Administração (TPA), 4(2), 234-256. https://doi.org/10.21714/2238-104X2014v4i2-16561

Carrieri, A. D. P., Souza, E. M. D., & Aguiar, A. R. C. (2014). Trabalho, violência e sexualidade: estudo de lésbicas, travestis e transexuais. Revista de Administração Contemporânea, 18(1), 78-95. https://doi.org/10.1590/S1415-65552014000100006

Carvalho, V. P. S., Silva, M. A. S., Freires, M. S., Frazão, J. M., & Santos, S. C. (2018). Promoção de políticas de saúde para a população LGBT+: Um relato de experiência. Revista Caravana - Diálogos entre Extensão e Sociedade, 3(1), 85-99.

Cohen, C. R., & De Tilio, R. (2019). Revisão sistemática da literatura sobre atendimentos em saúde pública sob a perspectiva de pessoas transgêneros. Salud & Sociedad, 10(3), 240-254. https://doi.org/10.22199/issn.0718-7475-2019-03-015

Creed, W. D., DeJordy, R., & Lok, J. (2010). Being the change: Resolving institutional contradiction through identity work. Academy of management journal, 53(6), 1336-1364. https://doi.org/10.5465/AMJ.2010.57318357

Creed, W. D., Scully, M. A., & Austin, J. R. (2002). Clothes make the person? The tailoring of legitimating accounts and the social construction of identity. Organization science, 13(5), 475-496. https://doi.org/10.1287/orsc.13.5.475.7814

Davis, D. (2009). Transgender issues in the workplace: HRD's newest challenge/opportunity. Advances in Developing Human Resources, 11(1), 109-120. https://doi.org/10.1177/1523422308329189

Delaney, N., & McCann, E. (2021). A phenomenological exploration of transgender people’s experiences of mental health services in Ireland. Journal of nursing management, 29(1), 68-74. https://doi.org/10.1111/jonm.13115

Etzioni, A. (1989). Organizações modernas (8a ed.). Pioneira.

Ferreira, M. de S., & Pereira, S. J. N. (2020). O estigma das mulheres transexuais e seus efeitos em seu consumo. Revista Brasileira De Marketing, 19(4), 762-786. https://doi.org/10.5585/remark.v19i4.14671

Ferreira, M. S., & Pereira, S. J. N. (2019). Construção do Eu: Uma análise interpretativa do consumo liminar de mulheres transexuais. [Apresentação de trabalho]. 43º Encontro da EnANPAD Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP.

Ferreira, R. D. S. (2009). A informação social no corpo travesti (Belém, Pará): Uma análise sob a perspectiva de Erving Goffman. Ciência da Informação, 38(2), 35-45. https://doi.org/10.1590/S0100-19652009000200003

Fletcher, L., & Everly, B. A. (2021). Perceived lesbian, gay, bisexual, and transgender (LGBT) supportive practices and the life satisfaction of LGBT employees: The roles of disclosure, authenticity at work, and identity centrality. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 94(3), 485-508. https://doi.org/10.1111/joop.12336

Gamboa, L. C. L., Ilac, E. J. D., Carangan, A. M. J. M., & Agida, J. I. S. (2021). Queering public leadership: The case of lesbian, gay, bisexual and transgender leaders in the Philippines. Leadership, 17(2), 191-211. https://doi.org/10.1177/1742715020953273

Garcia, C. C., Silva, F. M. D., & Sanchez, M. H. (2020). Capitalismo e razão neoliberal: Ódio colonial e extermínio de travestis e transexuais no Brasil. Serviço Social & Sociedade, (138), 321-341. https://doi.org/10.1590/0101-6628.215

Goryunova, E., Schwartz, A. K., & Turesky, E. F. (2021). Exploring workplace experiences of transgender individuals in the USA. Gender in Management: An International Journal, 37(6), 732-750. https://doi.org/10.1108/GM-02-2020-0055

Guerra, A. R. D. T. (2013). Conjugalidade, parentalidade, regulação da cidadania e direitos humanos de lésbicas, gays e transgêneros no Brasil. Cenário: Interdisciplinar Em Turismo E Território, 1(1), 122-136. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v1i1.15213

Gurgel, K. V., da Silva, M. J. V., & Lanzarini, R. (2019). Destino de Prazer: Turismo e prostituição na ótica de travestis em Natal/RN, Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, 7(2), 202-219.

https://doi.org/10.21680/2357-8211.2019v7n2ID16819

Irigaray, H. A. R. (2008, 12 a 14 de novembro). Discriminação por orientação sexual no ambiente de trabalho: uma questão de classe social? Uma análise sob a ótica da pós-modernidade crítica e da queer theory. [Apresentação de trabalho]. 3º Encontro de Administração Pública e Governança - EnAPG, Salvador, Bahia.

Irigaray, H. A. R. (2010, 23 a 25 de maio). Identidades Sexuais Não-Hegemônicas: A inserção dos travestis e transexuais no mundo do trabalho sob a ótica queer. [Apresentação de trabalho]. 6º Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD, Florianópolis, Santa Catarina.

Johnson, C. P. G., & Otto, K. (2021). Illegitimate tasks: Obstacles to trans equality at work. Gender in Management: An International Journal, 37(6), 763-781. https://doi.org/10.1108/GM-04-2020-0118

Lim, J. S., & Young, C. (2021). Effects of issue ownership, perceived fit, and authenticity in corporate social advocacy on corporate reputation. Public Relations Review, 47(4), 1-9. https://doi.org/10.1016/j.pubrev.2021.102071

Linstead, S., & Pullen, A. (2006). Gender as multiplicity: Desire, displacement, difference and dispersion. Human Relations, 59(9), 1287-1310. https://doi.org/10.1177/0018726706069772

Magno, L., Silva, L. A. V. D., Veras, M. A., Pereira-Santos, M., & Dourado, I. (2019). Estigma e discriminação relacionados à identidade de gênero e à vulnerabilidade ao HIV/aids entre mulheres transgênero: revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, 35(4), 1-21. https://doi.org/10.1590/0102-311X00112718

Martinez, L. R., Sawyer, K. B., Thoroughgood, C. N., Ruggs, E. N., & Smith, N. A. (2017). The importance of being “me”: The relation between authentic identity expression and transgender employees’ work-related attitudes and experiences. Journal of Applied Psychology, 102(2), 215-226. https://doi.org/10.1037/apl0000168

McFadden, C. (2015). Lesbian, gay, bisexual, and transgender careers and human resource development: A systematic literature review. Human Resource Development Review, 14(2), 125-162. https://doi.org/10.1177/1534484314549456

McNulty, Y., McPhail, R., Inversi, C., Dundon, T., & Nechanska, E. (2018). Employee voice mechanisms for lesbian, gay, bisexual and transgender expatriation: the role of Employee-Resource Groups (ERGs) and allies. The International Journal of Human Resource Management, 29(5), 829-856. https://doi.org/10.1080/09585192.2017.1376221

Medeiros, B. N., Castro G., & Siqueira, M. V. S. (2019, 16 a 18 de maio). Transgêneros, Transexuais, Travestis e trabalho: Um diálogo possível no campo da Administração? [Apresentação de trabalho]. 10º Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD, Unifor, Ceará, Fortaleza.

Monterrubio, C., Madera, S. L. R., & Pérez, J. (2020). Trans women in tourism: Motivations, constraints and experiences. Journal of Hospitality and Tourism Management, 43, 169-178. https://doi.org/10.1016/j.jhtm.2020.04.009

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de administração de empresas, 41(3), 08-19. https://doi.org/10.1590/S0034-75902001000300002

Muller, M. I., & Knauth, D. R. (2008). Desigualdades no SUS: O caso do atendimento às travestis é'babado'!. Cadernos Ebape. br, 6(2), 1-14.

https://doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002

Nascimento, R. B. D., Carvalho, J. L. S., & Silva, D. da. C. P. (2021). Autonomia reprodutiva da população trans: Discursos de Direitos Humanos, cisnormatividade e biopolítica. Revista Direito e Práxis, 12(4), 2658-2688.

https://doi.org/10.1590/2179-8966/2020/47944

O’Shea, S. C. (2017). This girl’s life: An autoethnography. Organization, 25(1), 3-20. https://doi.org/10.1177/1350508417703471

Paniza, M. D. R. (2020). Entre a emergência, a submersão e o silêncio: LGBT como categoria de pesquisa em Administração. Cadernos Ebape. BR, 18(1), 13-27. https://doi.org/10.1590/1679-395173482

Paniza, M. D. R., & Moresco, M. C. (2022). À margem da gestão da diversidade? Travestis, transexuais e o mundo do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 62(3), 1-20. https://doi.org/10.1590/S0034-759020220305

Pereira, M. M. (2022, 19 de abril). Políticas para LGBTI+ no governo federal: Ascensão e queda. Nexo Políticas Públicas. https://pp.nexojornal.com.br/linha-do-tempo/2022/Pol%C3%ADticas-para-LGBTI-no-governo-federal-ascens%C3%A3o-e-queda

Sabharwal, M., Levine, H., D’Agostino, M., & Nguyen, T. (2019). Inclusive work practices: Turnover intentions among LGBT employees of the US federal government. The American Review of Public Administration, 49(4), 482-494. https://doi.org/10.1177/0275074018817376

Salter, N. P., & Sasso, T. (2021). The positive experiences associated with coming out at work. Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal, 41(2), 224-240. https://doi.org/10.1108/EDI-11-2020-0322

Santos, P. C., & Bortoluci, J. H. (2018). Quebrando Paradigmas: A Vulnerabilidade da População Trans e a Experiência do Programa Transcidadania. [Apresentação de trabalho]. 42º Encontro da EnANPAD - Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP.

Schilt, K., & Connell, C. (2007). Do workplace gender transitions make gender trouble? Gender, Work & Organization, 14(6), 596-618.

https://doi.org/10.1111/j.1468-0432.2007.00373.x

Shan, L., Fu, S., & Zheng, L. (2017). Corporate sexual equality and firm performance. Strategic Management Journal, 38(9), 1812-1826. https://doi.org/10.1002/smj.2624

Silva, B. H. P., & Leal, A. P. (2019). Inserção Profissional de Pessoas Transgênero: Uma análise multicaso de iniciativas intermediadoras entre organizações e trabalhadorxs. [Apresentação de trabalho]. 43º Encontro da EnANPAD - Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP.

Souza, E. M., & Pádua C. A. (2015). When invisibility is impossible: Body, subjectivity, and labor among travestis and transsexuals. SAGE Open, 5(2), 1-11. https://doi.org/10.1177/2158244015585406

Souza, E. M., & Parker, M. (2022). Practices of freedom and the disruption of binary genders: Thinking with trans. Organization, 29(1), 67-82. https://doi.org/10.1177/1350508420935602

Suárez, M. I., Marquez-Velarde, G., Glass, C., & Miller, G. H. (2020). Cis-normativity at work: Exploring discrimination against US trans workers. Gender in Management: An International Journal, 37(6), 716-731. https://doi.org/10.1108/GM-06-2020-0201

Tranfield, D., Denyer, D., & Smart, P. (2003). Towards a methodology for developing evidence‐informed management knowledge by means of systematic review. British journal of management, 14(3), 207-222. https://doi.org/10.1111/1467-8551.00375

Tanimoto, C., & Miwa, K. (2021). Factors influencing acceptance of transgender athletes. Sport Management Review, 24(3), 452-474. https://doi.org/10.1080/14413523.2021.1880771

Thanem, T., & Wallenberg, L. (2015). What can bodies do? Reading Spinoza for an affective ethics of organizational life. Organization, 22(2), 235-250. https://doi.org/10.1177/1350508414558725

Thoroughgood, C. N., Sawyer, K. B., & Webster, J. R. (2021). Because you’re worth the risks: Acts of oppositional courage as symbolic messages of relational value to transgender employees. Journal of Applied Psychology, 106(3), 399–421. https://doi.org/10.1037/apl0000515

Van Borm, H., & Baert, S. (2018). What drives hiring discrimination against transgenders? International Journal of Manpower, 39(4), 581-599. https://doi.org/10.1108/IJM-09-2017-0233

Webster, J. R., Adams, G. A., Maranto, C. L., Sawyer, K., & Thoroughgood, C. (2018). Workplace contextual supports for LGBT employees: A review, meta-analysis, and agenda for future research. Human Resource Management, 57(1), 193-210. https://doi.org/10.1002/hrm.21873

Downloads

Publicado

02.02.2024

Como Citar

GOMES NETO, M. B.; MOTA-SANTOS, C. M. Vidas invisíveis: Como os estudos de administração exploram a travestilidade e transexualidade?. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 30, p. 1–16, 2024. DOI: 10.5020/2318-0722.2024.30.e14043. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/14043. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos