Políticas afirmativas: acesso ao ensino superior por estudantes negros no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2023.29.e13692

Palavras-chave:

Educação, Comissão de Heteroidentificação Étnico-Racial, Estudantes negros

Resumo

O objetivo deste estudo é compreender como os estudantes negros cotistas percebem a importância das ações afirmativas e da Comissão de Heteroidentificação Étnico-Racial em uma universidade pública. Foi realizada uma pesquisa descritiva/ qualitativa e aplicada a técnica de análise: narrativa do discurso. A epistemologia adotada foi a Teoria Crítica Racial. Participaram do estudo quatro estudantes negros cotistas da Universidade Federal de Minas Gerais. As narrativas dos estudantes reforçaram a importância das ações afirmativas e da Comissão de Heteroidentificação, entretanto, os entrevistados não deixaram de destacar os obstáculos ainda existentes na inclusão de pessoas negras no ensino superior e sinalizaram possíveis estratégias para superação desse cenário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Ribeiro Carolino, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Mestranda em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da PUC Minas. Graduada em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e especialista em Coordenação Pedagógica e Supervisão Escolar. Extensionista do projeto Universidade Aberta (PUC MINAS e Brumadinho Unindo Forças)/Pró-reitoria de Extensão/PUC Minas. Atualmente é membro(a) do NUPEGS - Núcleo de Pesquisa em Ética e Gestão Social/PPGA-PUC Minas/REDE CT - Rede de Pesquisadores sobre Povos e Comunidades Tradicionais (UNESP)/Núcleo de Estudos em Literaturas, Artes e Saberes - NELAS/UFVJM.

Cláudia Aparecida Avelar Ferreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Estágio Pós-doutoral em Administração pelo Programa de Pòs-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica de MInas Gerais (2023-2024). Pós-doutorado em Geografia- Tratamento da informação espacial (2021-2022).Doutora em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MINAS).

Armindo dos Santos de Sousa Teodósio, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA) da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Pesquisador das áreas de Gestão Social e Ambiental, Políticas Públicas e Estudos Organizacionais. Líder do Núcleo de Pesquisas em Ética e Gestão Social (NUPEGS) do PPGA da PUC Minas. Mestre em Ciências Sociais (Gestão de Cidades) pela PUC Minas e Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Desenvolve seu Pós-Doutoramento no Programa de Ciências Ambientais (PROCAM) do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

Almeida, S. L. (2018). O que é racismo estrutural?. Letramento.

Almeida, S. L. (2020). Racismo Estrutural (1a ed.). Ed. Jandaíra. (Coleção Feminismo Plurais).

Bastos, L. C., & Biar, L. A. (2015). Análise de narrativa e práticas de entendimento da vida social. D.E.L.T.A., 31(spe), 97-126. http://dx.doi.org/10.1590/0102-445083363903760077

Batista, W., & Almeida, S. (2021). Teoria crítica racial e do direito: Aspectos da condição do negro nos Estados Unidos da América. Revista Quaestio Iuris, 14(3), 1527-1551. https://doi.org/10.12957/rqi.2021.50656

Bell, D. A. (1995). Who is afraid of critical race theory?. Law Review, 1995(4), 893-910.

Conceição, I. A. (2017). Justiça racial e teoria crítica racial no Brasil. In D. Auad, & B. B. C. Oliveira (Orgs), Direitos humanos, democracia e justiça social: Uma homenagem a professora Eunice Prudente da militância à academia (pp.167-204). Letras Jurídicas.

Cordeiro, M. J. J. A., Cordeiro, A. L. A., & Muller, M. L. R. (2016). A permanência de estudantes na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Revista da Faculdade de Educação, 25(1), 131-153. https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/3945

Cordeiro, M. J. J. A. (2021). Cotas para negros e indígenas na UEMS: Processo histórico e político da criação aos dias atuais. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 13(38), 443-467. https://doi.org/10.31418/2177-2770.2021.v13.n.38.p443-467

Cordeiro, A. L. A., Oliveira, J. M., & Reis, M. C. (2021). O legado das ações afirmativas – trajetórias de (re) existências negras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 13(Ed. Especial), 4-8. https://abpnrevista.org.br/site/article/view/1301

Crenshaw, K., Golanda, N., Peller, G., & Thomas, K. (1995). Critical race theory: The key writings that formed the movement. The New Press.

Delgado, R., & Stefancic, J. (2011). Critical Race Theory: An introduction. University Press.

Ferreira, G., & Queiroz, M. (2018). A trajetória da Teoria Crítica da Raça: História, conceitos e reflexões para pensar o Brasil. Teoria Jurídica Contemporânea, 3(1), 201-229. https://doi.org/10.21875/tjc.v3i1.18291

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e Grupais. In Gaskell, G., & Bauer, M. (Eds.), Pesquisa qualitativas com texto, imagem e som: Um manual prático (2a ed., pp. 64-89). Vozes.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: Tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29. https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004

Gomes, N. L. (2012). Movimento negro e educação: Ressignificando e politizando a raça. Educação & Sociedade, 33(120), 727-744. https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000300005

Gonzalez, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, 223-244. http://www.forumgespir.sepromi.ba.gov.br/2021/12/20/racismo-e-sexismo-na-cultura-brasileira/

Gonzalez, L. (1988). A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, (92/93), 69-82. https://www.marxists.org/portugues/gonzalez/1988/06/90.pdf

Gonzalez, L. (2018). Lélia Gonzalez: Primavera para as rosas negras. UCPA Editora.

Gurgel, L. L., & Colaço, V. F. R. (2020). Sistema de cotas para entrada no Ensino Superior: Perspectivas de jovens negros de Fortaleza. Psico, 51(1), 1-13. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.1.29823

Harrison, D. A., Price, K. H., & Bell, M. P. (1998). Beyond relational demography: Time and the effects of surface-and deep-level diversity on work group cohesion. Academy of Management Journal, 41(1), 96-107. https://doi.org/10.2307/256901

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Desigualdade Social por Cor ou Raça no Brasil. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Brasília: IBGE, 2018, Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25844-desigualdades-sociais-por-cor-ou-raca.html?=&t=resultados. Acesso em 03 dez 2021.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2002). Entrevista narrativa. In M. W. Bauer, & G. Gaskell. (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (pp. 90-113). Vozes.

Labov, W. (1972). Language in the inner city: Studies in the Black English Vernacular. University of Pennsylvania Press.

Lei nº 12.288, de 20 julho de 2010. (2010, 20 de julho). Institui o Estatuto da Igualdade Racial; Altera as Leis nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm.

Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. (2012, 29 de agosto). Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm.

Lei nº 13.409, de 28 de dezembro de 2016. (2016, 28 de dezembro). Altera a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Presidência da República. https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/417320813/lei-13409-16 .

Liu, H. (2017). Undoing whiteness: The Dao of anti-racist diversity practice. Gender, Work and Organization, 24(5), 457–471. https://doi.org/10.1111/gwao.12142

Maciel, C. E., Teixeira, S. F., & Santos, L. (2019). Política de cotas e bancas de heteroidentificação na UFMS: Uma história em construção. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 11(29), 78-93. https://doi.org/10.31418/2177-2770.2019.v11.n.29.p78-93

Marques , J. S., Jr. (2021). Racismo no Brasil e racismo à brasileira: Traços originários. O Social em Questão, 24(50), 63-82. https://doi.org/10.17771/PUCRio.OSQ.52260

Mello, L., & Santos, E. G. (2021). A revisão da Lei 12.711/2012: Ações afirmativas em disputa no Congresso Nacional. Revista de Políticas Públicas, 25(2), 530-546. http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v25n2p530-546

Miranda, L. D. (2021). Do movimento negro à escola pública: Como as ações afirmativas foram pensadas pelos parlamentares do Congresso Nacional. O Social em Questão, 24(50), 83-106. https://doi.org/10.17771/PUCRio.OSQ.52266

Moehlecke, S. (2000). Ação afirmativa: História e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, (117), 197-217.

Munanga, K. (2004). A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos Avançados, 18(50), 51-66. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100005

Muylaert, C. J., Paula, L., Bertolassi, T., & Faria, A., Neto. (2014). Entrevistas narrativas: Um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(spe2), 184-189. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800027

Nascimento, A. (1978). O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um racismo mascarado. Paz e Terra.

Nkomo, S. M., & Al Ariss, A. (2014). The historical origins of ethnic (white) privilege in US organizations. Journal of Managerial Psychology, 29(4), 389-404. https://doi.org/10.1108/JMP-06-2012-0178

Nunes, G. H. L. (2019). Comissão de heteroidentificação da universidade federal de pelotas: Um enfoque sobre as ações afirmativas em curso na região sul, Rio Grande do Sul. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 11(29), 159-173. https://doi.org/ 10.31418/2177-2770.2019.v11.n.29.p159-173

Plaut, V. C., Thomas, K. M., Hurd, K., & Romano, C. A. (2018). Do color blindness and multiculturalism remedy or foster discrimination and racism?. Current Directions in Psychological Science, 27(3), 200-206. https://doi.org/10.1177/0963721418766068

Projeto de Lei nº 14, de 30 de agosto de 2007. (2007, 30 de agosto). Introduz modificações na Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre o acesso a instituições públicas de ensino superior. Câmara dos Deputados . https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=497932.

Projeto de Lei nº 4.373, de 2020. (2020, 27 de agosto). Altera o § 3o art. 140 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, e insere o art. 2o A à Lei 7.716, de 5 de janeiro de 1989, tipificando como crime de racismo a injúria racial. Senado Federal. https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/144385

Projeto de Lei nº 3.422, de 16 de dezembro de 2021 (2021, 16 de dezembro). Dispõe sobre a prorrogação do prazo de vigência da Lei de Cotas e outras providências. Câmara dos Deputados. https://www.camara.leg.br/propostas-legislativas/2301467

Quijano, A. (2005). Colonialidad del Poder, Eurocentrismo y América Latina. In E. Lander (Org.), La Colonialidad del Saber: Eurocentrismo y Ciencias Sociales (pp. 201-246). Perspectivas Latinoamericanas.

Resolução nº 106, de 3 de dezembro de 2021. (2021, 3 de dezembro). Aprova o regulamento dos procedimentos para preenchimento das vagas reservadas para indígenas e de heteroidentificação complementar à autodeclaração de pessoas negras. Ministério da Educação. https://portal.ifpe.edu.br/wp-content/uploads/repositoriolegado/portal/documentos/resolucao-106-de-3-de-novembro-de-2021.pdf

Rey, F. L. G. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade. Pioneira Tomson.

Salvador, A. C., Silva, A. P. P., & Santos, J. F. A. (2021). Antirracismo, ações afirmativas e pré-vestibulares populares. O Social em Questão, 24(50), 1-10. https://doi.org/ 10.17771/PUCRio.OSQ.52236

Santos, A. P. (2012). Itinerário das ações afirmativas no ensino superior público brasileiro: Dos ecos da Durban à lei das Cotas. Revista de Ciências Humanas, 12(2), 289-317. https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/3445

Santos, S. A. (2021). Mapa das comissões de heteroidentificação étnico-racial das universidades federais brasileiras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 13(36), 365-415. https://doi.org/10.31418/2177-2770.2021.v13.n.36.p365-415

Schwarcz, L. M. (2012). Nem preto nem branco, muito pelo contrário: Cor e raça na sociabilidade brasileira (1a ed.). Claro Enigma.

Silva, C. B. R. (2018). Movimento negro e as lutas contra o racismo. Revista Educação Pública, 27(65/2), 613-634. https://doi.org/10.29286/rep.v27i65/2.6886.

Silva, K., & Ferrari, A. (2021). Educação antirracista é possível? Trajetória de professoras negras cotistas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), 13(Ed. Especial), 12-137. https://doi.org/10.31418/2177-2770.2021.v13.c2.p112-137

Silva, A. L. V., Santos, M. E. P., Daltro, E. F. M. A., & Fadigas, S. B. M. (2021). Raça, classe e cidadania no Brasil: Refletindo a defesa das políticas afirmativas como instrumento de consolidação dos direitos do povo preto. Revista Gestão & Planejamento, 22(1), 427-442. https://dx.doi.org/10.53706/gep.v.22.7010

Souza, J. (2003). A construção social da subcidadania: Para uma sociologia política da modernidade periférica. Editora UFMG.

Universidade Federal de Minas Gerais (n.d.). Reserva de vagas. Recuperado em 10 de fevereiro de 2022, de https://ufmg.br/vida-academica/acoes-afirmativas/reserva-de-vagas

Downloads

Publicado

21.12.2023

Como Citar

CAROLINO, A. R.; FERREIRA, C. A. A.; TEODÓSIO, A. dos S. de S. Políticas afirmativas: acesso ao ensino superior por estudantes negros no Brasil. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 29, p. 1–14, 2023. DOI: 10.5020/2318-0722.2023.29.e13692. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/13692. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos