Nível de Intangibilidade dos Ativos e Valor de Mercado: uma Análise nas Empresas de Capital Aberto da América Latina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2023.29.e12921

Palavras-chave:

intangibilidade dos ativos, valor de mercado, América Latina

Resumo

O objetivo deste artigo consistiu em verificar a influência do Nível de Intangibilidade (NI) dos ativos no valor de mercado das empresas de capital aberto na América Latina. Para tanto, foram analisadas as cinco maiores economias da América Latina com base no PIB, compreendendo o Brasil, México, Argentina, Chile e Colômbia, durante o período de 2010 a 2018. Utilizou-se como variável dependente o valor de mercado, representada pelo índice market-to-book (MTB), e como variável de interesse o Índice de intangibilidade dos ativos (IIA). Verificou-se que no contexto analisado o IIA apresentou uma relação negativa com valor de mercado das empresas analisadas. Permitindo inferir que um menor nível de intangibilidade é visto de maneira positiva pelo mercado. Portanto, os resultados sinalizam que os ativos intangíveis não se configuraram como elementos importantes para o valor de mercado das empresas analisadas da América Latina, contrariando a ideia de que os ativos intangíveis podem ser considerados responsáveis pelas variações existentes entre o valor mercado e o valor contábil das organizações, ou seja, pelo market-to-book. Esta pesquisa avança em relação aos estudos anteriores fornecendo resultados mais abrangentes da relação proposta. Estes resultados contribuem ao evidenciar o possível impacto dos investimentos em ativos intangíveis na criação de valor, podendo auxiliar as empresas na decisão sobre novos investimentos, bem como podem ser úteis aos investidores quando da avaliação das ações, pois apresentam direcionamentos sobre o retorno proporcionado por estes ativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Dantas Siqueira, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Doutorando e Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal da Paraíba - PPGCC/UFPB. Pós-graduado em Docência para Educação Profissional e Tecnológica (EaD) pelo Instituto Federal da Paraíba - IFPB, (2022).Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (2018). Estagiou durante 2 anos no Banco do Brasil S.A. Atuou como Professor substituto do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Campus Tabuleiro do Norte, e Tutor Externo na UNIASSELVI.

Bruno José Patrício Romão, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Professor Substituto vinculado ao Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais (DCCA) da Universidade Federal do Pernambuco - UFPE. Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB, conclusão em 2020. Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, conclusão em 2015.2.

Francisco José da Silva Júnior, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal da Paraíba (PPGCC – UFPB); Docente na Faculdade Três Marias (João Pessoa – PB) e na Faculdade EESAP (Guarabira – PB).

Referências

Adesina, K. S. (2019). Bank technical, allocative and cost efficiencies in Africa: The influence of intellectual capital.

The North American Journal of Economics and Finance, 48, 412-433.

Aguiar, G. D. A., Tortoli, J. P., Figari, A. K. P., & Pimenta, T., Junior. (2021). Análise da influência dos ativos intangíveis

no desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração da UFSM, 14(4), 907-931.

Ahangar, R. G. (2011). The relationship between intellectual capital and financial performance: An empirical investigation in an Iranian company. African Journal of Business Management, 5(1), 88-95.

Altarawneh, I. (2017). Effect of intellectual capital on competitive advantage in the Jordanian Pharmaceutical Companies. European Journal of Business and Management, 9(5), 39-53.

Andonova, V., & Ruíz-Pava, G. (2016). The role of industry factors and intangible assets in company performance in

Colombia. Journal of Business Research, 69(10), 4377-4384.

Archibugi, D., Filippetti, A., & Frenz, M. (2013). The impact of the economic crisis on innovation: Evidence from Europe. Technological Forecasting and Social Change, 80(7), 1247-1260.

Ariff, A. M., Cahan, S. F., & Emanuel, D. M. (2013). Institutional environment, ownership, and disclosure of intangibles:

evidence from East Asia. Journal of International Accounting Research, 13(1), 33-59.

Arrighetti, A., Landini, F., & Lasagni, A. (2014). Intangible assets and firm heterogeneity: Evidence from Italy. Research Policy, 43(1), 202-213.

Basso, L. F. C., Oliveira, J. A. S. de, Kimura, H., & Braune, E. S. (2015). The impact of intangibles on value creation:

Comparative analysis of the Gu and Lev methodology for the United States software and hardware sector. Investigaciones Europeas de Dirección y Economía de la Empresa, 21(2), 73-83.

Bastos, D. D., & Abreu, I. L. (2020). A relação entre ativos intangíveis, dívida e criação de valor para as companhias

de capital aberto atuantes no Brasil. GESTÃO. Org, 18(1), 32-44.

Bhatia, A., & Aggarwal, K. (2018). Impact of investment in intangible assets on corporate performance in India. International Journal of Law and Management, 60(5), 1058-1073. https://doi.org/10.1108/IJLMA-05-2017-0127.

Castilla-Polo, F., & Gallardo-Vázquez, D. (2016). The main topics of research on disclosures of intangible assets: a

critical review. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 29(2), 323-356. https://doi.org/10.1108/AAAJ-11-2014-1864.

Chen, M. C., Cheng, S. J., & Hwang, Y. (2005). An empirical investigation of the relationship between intellectual capital and firms’ market value and financial performance. Journal of Intellectual Capital, 6(2), 159-176.

Copatti, E. de Q., Oliveira, M. A. de, Degenhart, L., Zonatto, V. C. da S., & Marquezan, L. H. F. (2021). Influência dos

ativos intangíveis nas variáveis financeiras de empresas do Brasil, Chile e México. Gestão Contemporânea, 11(1), 1-24.

Copeland, T., Koller, T., & Murrin, J. (2002). Valuation: Calculando e gerenciando o valor das empresas. (A. V. Hastings

Trad.). Editora Makron Books Ltda.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2010). Pronunciamento Técnico: CPC 04 - Ativo Intangível (R1). CPC.

Silva, J. R. R. da, Peixoto, E. P. D. A., Sarmento, T. T. D. A., & Leite Filho, P. A. M. (2018). Nível de intangibilidade e

valor de mercado nas empresas familiares e não familiares brasileiras. [Apresentação de trabalho]. 12º Congresso

UFPE de Ciências Contábeis. Recife, Pernambuco.

Dallabona, L. F., Mazzioni, S., & Klann, R. C. (2015). A influência do grau de intangibilidade no desempenho de

empresas sediadas nos países com turbulência econômica. RACE-Revista de Administração, Contabilidade e

Economia, 14(3), 1035-1062.

Araújo Januário, A. H. de, Alves, V. S. D., & Gomes, H. B. (2022). Relação entre ativos intangíveis e rentabilidade

das empresas: Evidências do mercado acionário brasileiro. SINERGIA-Revista do Instituto de Ciências Econômicas,

Administrativas e Contábeis, 26(1), 37-48. https://doi.org/10.17648/2236-7608-v26n1-12510

Carvalho, F. de M., Kayo, E. K., & Martin, D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 871-889.

DeAngelo, H., DeAngelo, L., & Stulz, R. M. (2006). Dividend policy and the earned/contributed capital mix: a test of

the life-cycle theory. Journal of Financial economics, 81(2), 227-254.

Denicolai, S., Cotta, E. R., & Sotti, F. (2015). The impact of intangibles on firm growth. Technology Analysis & Strategic

Management, 27(2), 219-236.

Dorfleitner, G., Rößle, F., & Lesser, K. (2019). The financial performance of the most valuable brands: A global empirical investigation. Heliyon, 5(4), 1-6.

Gilio, L. (2010). Análise da capacidade explicativa de informações contábeis para o índice market-to-book de empresas listadas no Ibovespa. [Apresentação de trabalho]. 10º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo - SP.

Gogan, L. M., Artene, A., Sarca, I., & Draghici, A. (2016). The impact of intellectual capital on organizational performance. Procedia-social and Behavioral Science, 221, 194-202. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2016.05.106

Gomes, H. B., Gonçalves, T. J. de C., & Tavares, A. de L. (2020). Intangibilidade e o valor da empresa: uma análise

do mercado acionário brasileiro. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19, 1-17. https://doi.org/10.16930/2237-

Gouveia, V. A. L., Silva, T. G., Szuster, N., & Szuster, F. (2018). Disclosure frente à crescente intangibilização das

empresas: Valor contábil x valor de mercado. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 12(4),

-539. https://doi.org/10.17524/repec.v12i4.1931

Haji, A. A., & Ghazali, N. A. M. (2018). The role of intangible assets and liabilities in firm performance: empirical

evidence. Journal of Applied Accounting Research, 19(1), 42-59. https://doi.org/10.1108/JAAR-12-2015-0108.

Harris, R., & Moffat, J. (2013). Intangible assets, absorbing knowledge and its impact on firm performance: theory,

measurement and policy implications. Contemporary social science, 8(3), 346-361.

Hendriksen, E. S., Van Breda, M. F. (2009). Teoria da contabilidade. Atlas.

Huang, C. H., & Hou, T. C. T. (2019). Innovation, research and development, and firm profitability in Taiwan: Causality

and determinants. International Review of Economics & Finance, 59, 385-394.

Hussinger, K., & Pacher, S. (2019). Information ambiguity, patents and the market value of innovative assets.

ResearchPolicy, 48(3), 665-675.

Gazzoni , G. G.. Jr., Simões, J. J. F., Brandão, M. M., & Souza, A. A. de. (2019). Os efeitos dos intangíveis nas

previsões dos analistas financeiros. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 18, 1-18.

Kayo, E. K., & Famá, R. (2004). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(2), 164-176.

Kayo, E. K., Kimura, H., Martin, D. M. L., & Nakamura, W. T. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor.

Revista de administração contemporânea, 10(3), 73-90.

Kreuzberg, F., Rigo, V. P., & Klann, R. C. (2013). Relação entre os indicadores de desempenho financeiro e a

intangibilidade dos ativos: Um estudo das empresas listadas na BM&FBOVESPA. [Apresentação de trabalho]. 16º

Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais SIMPOI, São Paulo-SP.

Lauretti, C. M. (2012). A relação entre intangibilidade, desempenho financeiro e desempenho de mercado. [Tese de

Doutorado, Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo]. Adelpha Repositório Digital. http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/23202

Lev, B. (2000). Intangibles: Management, measurement, and reporting. Brookings Institution Press.

Machado, J. H., & Famá, R. (2011). Ativos intangíveis e governança corporativa no mercado de capitais brasileiro.

Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16), 89-110.

Mazzioni, S., Rigo, V. P., Klann, R. C., & Silva, J. C. A. da, Jr. (2014). A relação entre a intangibilidade e o desempenho

econômico: Estudo com empresas de capital aberto do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS). Advances

in Scientific and Applied Accounting, 7(1), 122-148.

Medrado, F., Cella, G., Pereira, J. V., & Dantas, J. A. (2016). Relação entre o nível de intangibilidade dos ativos e o

valor de mercado das empresas. Revista de Contabilidade e Organizações, 10(28), 32-44.

Nascimento, E. M., Oliveira, M. C. de, Marques, V. A., & Cunha, J. V. A. da. (2012). Ativos intangíveis: análise do impacto do grau de intangibilidade nos indicadores de desempenho empresarial. Enfoque: Reflexão Contábil, 31(1), 37-52.

Nidumolu, R., Prahalad, C. K., & Rangaswami, M. R. (2009). Why sustainability is now the key driver of innovation.

Harvard business review, 87(9), 56-64.

Oliveira, C. C. de, Benedicto, G. C. de, Predo, J. W. do, & Calegário, C. L. L. (2018). Relação entre Ativos Intangíveis

e o Desempenho Econômico Superior: Um estudo do Setor Industrial Brasileiro. [Apresentação de trabalho]. 28º

Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo/SP.

Oppong, G. K., & Pattanayak, J. K. (2019). Does investing in intellectual capital improve productivity? Panel evidence

from commercial banks in India. Borsa Istanbul Review,19(3), 219-227. https://doi.org/10.1016/j.bir.2019.03.001

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças,

(40), 7-24.

Perez, M. M., & Famá, R. (2015). Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da

empresa. Unisanta Law and Social Science, 4(2), 107-123.

Ritta, C. de O., & Ensslin, S. R. (2010). Investigação sobre a relação entre ativos intangíveis e variáveis financeiras:

um estudo nas empresas brasileiras pertencentes ao Índice Ibovespa nos anos de 2007 e 2008. [Apresentação de

trabalho]. In: 10º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo/SP.

Ritta, C. de O., Cunha, L. C., & Klann, R. C. (2018). Um estudo sobre causalidade entre ativos intangíveis e desempenho econômico de empresas (2010-2014). Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 22(2), 92-107.

Santos, N. J. (2018). Avaliação de empresas: Aspectos objetivos na verificação de valor econômico de ativos intangíveis. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 17(50), 23-36.

Smriti, N., & Das, N. (2018). The impact of intellectual capital on firm performance: A study of Indian firms listed in

COSPI. Journal of Intellectual Capital, 19(5), 935-964. https://doi.org/10.1108/JIC-11-2017-0156

Sprenger, K. B., Silvestre, A. O., Brunozi, A. C. Jr., & Kronbauer, C. A. (2017). Intensidades das Intangibilidades e

Desempenhos Econômico-Financeiros em Empresas dos Países do Glenif. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 121-148.

Teh, C. C., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. RAM- Revista de Administração

Mackenzie, 9(1), 86-106.

The World Bank. (2019). World Bank Open Data. https://data.worldbank.org/.

Vogt, M., Kreuzberg, F., Rodrigues, M. M., Jr., & Biavatti, V. T. (2016). Relação entre intangibilidade, desempenho

econômico e social das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Gestão & Regionalidade, 32(95), 71-89.

Downloads

Publicado

06.02.2023

Como Citar

SIQUEIRA, D. D.; ROMÃO, B. J. P.; SILVA JÚNIOR, F. J. da. Nível de Intangibilidade dos Ativos e Valor de Mercado: uma Análise nas Empresas de Capital Aberto da América Latina. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 29, p. 1–14, 2023. DOI: 10.5020/2318-0722.2023.29.e12921. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/12921. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos