A Gestão da Diversidade em um ambiente de inovação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2023.29.e12132

Palavras-chave:

Gestão da Diversidade, Gestão da Inovação, Gestão de Pessoas.

Resumo

Objetivo. O artigo trata das relações entre gestão da diversidade e da inovação, em uma empresa de Tecnologia da Informação alocada em um Parque Científico e Tecnológico. Busca entender as influências da gestão da diversidade na inovação percebida na organização.

Métodos. A abordagem é qualitativa e realizada por meio de um estudo de caso. Foram considerados dados decorrentes da percepção dos trabalhadores entrevistados e informações adicionais, provenientes do Parque Científico e Tecnológico, onde a empresa está alocada.

Resultados. As políticas e práticas de gestão da diversidade da organização são coincidentes com a estratégia Integração e Aprendizagem, conforme Podsiadlowski et al. (2013). As relações entre diversidade e inovação foram reputadas como promotoras de resultados satisfatórios em engajamento e produtividade, além de impactarem em produtos, serviços e processos.

Conclusões. Os desafios enfrentados pela organização para desenvolver a gestão da diversidade foram significativos, tais como a promoção e manutenção de um ambiente seguro aos grupos minorizados, e a necessidade de trabalhar sobre formação e experiência dos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tainá Araújo Freitas, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Mestra em Administração com ênfase em Gestão de Pessoas na UFRGS, Especialista em Docência no Ensino Superior na PUC/RS e Pós-Graduanda em Gerenciamento de Projetos na PUC/MG. Estudiosa das áreas de Inovação e Diversidade, possui experiência profissional em Docência, Gestão da Inovação e Administração, com ênfase em Gestão Estratégica e de Pessoas. Atuação como Bolsista do CNPq e Agente local de Inovação no programa ALI do Sebrae/RS.

Maria Beatriz Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Professora Adjunta da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EA-UFRGS), professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA-UFRGS). Professora visitante no Departamento de Ciências da Formação da Università Degli Studi di Macerata (Itália). Pós-doutora em Educação pelo PPGIE-UFRGS, PhD em Development Studies (Sociologia) pela University of Sussex, GB, (2001), Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1991) e Psicóloga pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1985). Experiência de vida e de trabalho como pesquisadora, psicóloga e educadora na Europa, desde 2002. Embaixadora no Brasil do Institute of Development Studies entre 2013 e 2016 (IDS - University of Sussex). Consultora da Unesco (2009-2011) em educação e diversidade, em projetos de saúde das populações indígena e negra e contra a violência com idosos. Trabalha em Administração, Psicologia e Educação, atuando principalmente nos temas: ética e diversidade; inclusão laboral e educacional; modos de saber e de pesquisar; cultura e interculturalidade

Referências

Alves, M. A., & Galeão-Silva, L. G. (2004). A crítica da gestão da diversidade nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 44(3), 20-29.

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos, & Agência Brasileira de Desenvolvimento

Industrial. (2008). Parques Tecnológicos no Brasil: Estudo, Análise e Proposições. [Apresentação de trabalho].

Anais do 18º Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. ANPROTEC, Aracaju-SE.

Balconi, M., & Passannanti, A. (2006). I Parchi Scientifici e Technologici nel Nord Italia. Franco Angeli.

Bell, S. T., Villado, A., Lukasik, M., Belau, L., & Briggs, A. (2011). Getting specific about demographic diversity variable

and team performance relationships: A Meta-Analysis. Journal of Management, 37(3), 709–743. https://doi.

org/10.1177/0149206310365001.

Carstens, J. G., & De Kock, F. S. (2017). Firm-level diversity management competencies: development and initialvalidation of a measure. The International Journal of Human Resource Management,28(15), 2109-2135.

Confederação Nacional da Indústria. (2016). Destaques de Inovação: O papel da cooperação Universidade-Empresa.

CNI.

Cox, T. H. (2008). Synergy by Diversity. Bertelsmann Stiftung.

Cox, T. H., & Blake, S. (1991). Managing cultural diversity: Implications for organizational

competitiveness. Academy of Management Executive,5(3),45-56.

Christensen, C. M. (2012). O Dilema da Inovação: Quando as novas tecnologias levam as

empresas ao fracasso. M. Books.

Diehl, A. A., & Tatim, D. C. (2004). Pesquisa em ciências sociais aplicadas: Métodos e técnicas. Prentice Hall.

Van Dijk, H., Van Engen, M. L., & Van Knippenberg, D. (2012). Defying conventional wisdom: A meta-analytical

examination of the differences between demographic and job-related diversity relationships with performance.

Organizational Behavior and Human Decision Processes,119(1), 38–53.

Ely, R. J., & Thomas, D. A. (1996). Making differences matter: A new paradigm for managing diversity. Harvard Business Review, 74(5), 79-90.

Etzkowitz, H. (2013). Hélice tríplice: Universidade-Indústria-Governo. EDIPUCRS.

Ferreira, M. F. (2018). Melhores para quais públicos? Uma análise sobre o posicionamento comunicacional da inclusão das diversidades sociais nas cinco melhores empresas para trabalhar em 2018, no Brasil, da Great Place to

Work®. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Fleury, M. T. L. (2000). Gerenciando a diversidade cultural: Experiências de empresas brasileiras. RAE - Revista de

Administração de Empresas,40(3), 18-25.

Frederick, B., Vernalha, F., Romão, M., Manhães, M., Leonardi, S. & Terra, J. C. (2012). 10 dimensões da gestão da

inovação: Uma abordagem para a transformação organizacional. Elsevier.

Freeman, C., & Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. Editora da Unicamp.

Gomes, R., & Felix, B. (2019). O self no armário: Uma teoria fundamentada sobre o silêncio de gays e de lésbicas no

ambiente de trabalho. Cad. EBAPE.BR,17(2), 375-388.

Great Place to Work® Brasil. Guia Diversidade: O que as melhores empresas para trabalhar têm feito para tornar

seus ambientes mais inclusivos? GPTW. https://conteudo.gptw.com.br/guia-gptw-diversidade-sobre-as-melhoresempresas-para-trabalhar

Gulsoy, T., & Ustabas, A. (2019). Corporate sustainability initiatives in gender equality: Organizational practices

fostering inclusiveness at work in an emerging-market context. International Journal of Innovation and Technology

Management,16(4), 1-34. https://doi.org/10.1142/S0219877019400054

Henneke, D., & Luthje, C. (2007). Interdisciplinary heterogeneity as a catalyst for product innovativeness of entrepreneurial teams. Creativity and Innovation Management,16, 121-132.

Hoisl, K., Gruber, M., & Conti, A. (2017). R&D team diversity and performance in hypercompetitive environments.

Strategic Management Journal, 38(7),1455-1477.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de

vida da população brasileira. IBGE.

Instituto Ethos de Responsabilidade Social. (2016). Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores Empresas do

Brasil e suas Ações Afirmativas. Instituto Ethos.

Irigaray, H. R., Langerhorst, A. V., & Adorno, D. (2021). Vida universitária nos cursos de administração: jogos vorazes

ou os melhores anos de nossas vidas? REAd, 27(2), 375-399.

Kreitz, P. A. (2008). Best practices for managing organizational diversity. The Journal of Academic Librarianship, 34,

–120.

Lorenzo, R., Voigt, N., Schetelig, K., Zawadzki, A., Welpe, I., & Brosi, P. (2017). The Mix That Matters: Innovation

Through Diversity. Boston Consulting Group. http://media-publications.bcg.com/22feb2017-mix-that-matters.pdf

Maccali, N., Kuabara, P, S., Takahashi, A. R., Roglio, K., & Boehs, S. T. (2015). As práticas de recursos humanos para

a gestão da diversidade: a inclusão de deficientes intelectuais em uma federação pública do Brasil. Revista de

Administração Mackenzie, 16(2), 157-187.

Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. (2015). Parques & incubadoras para o desenvolvimento do Brasil: Estudo de Práticas de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. MCTI. https://anprotec.org.br/site/wp-content/uploads/2020/06/EstudoMelhoresPraticasParquesIncubadoras.pdf

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: A compreensão possibilitada pela análise textual

discursiva. Ciência & Educação, 9(2),191-211.

Parolin, S. R. H., & Albuquerque, L. G. (2011). Gestão estratégica de pessoas para a inovação: O caso da Frimesa

Cooperativa Central. Revista de Administração da UFSM, 4(1),105-124.

Podsiadlowski, A., Groschke, D., Kogler, M., Springer, C., & van der Zee, K.(2013). Managing a culturally diverse

workforce: Diversity perspectives in organization. International Journal of Intercultural Relations, 37(2), 159-175.

https://doi.org/10.1016/j.ijintrel.2012.09.001

Rock, D., & Grant, H. (2016). Why diverse teams are smarter. Harvard Business Review, 4(4), 2-5.

Roesch, S. M. A. (2009). Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração: Guia para estágios, trabalhos de

conclusão, dissertações e estudo de caso. (2a ed.). Atlas.

Romero-Martinez, A. M., Montoro-Sanchez, A., & Garavito-Hernandez, Y. (2017). O efeito da diversidade de gênero e o nível educacional na inovação. Rev. Adm. Empres,57(2),123-134. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-759020170202

Ruiz-Jiménez, J. M., & Fuentes-Fuentes, M. del M. (2016). Management capabilities, innovation, and gender diversity in the top management team: An empirical analysis in technology-based SMEs. BRQ Business Research Quarterly,

(2), 107-121. https://doi.org/10.1016/j.brq.2015.08.003

Sales, R. G. de. (2018). Diversidade nas organizações: Das lutas sociais às políticas de gestão. [Apresentação de

trabalho]. 12º Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação Organizacional e Relações

Públicas, ABRACORP, São Paulo.

Saraiva, L. A. S., & Irigaray, H. A. dos R. (2009). Políticas de diversidade nas organizações: Uma questão de discurso?

Rev. Adm. Empres,49(3),337-348. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902009000300008

Shuying, W., Shuijuan, Z., & Bobo, L. (2017). Effect of diversity on top management team to the bank’s innovation

ability-based on the nature of ownership perspective. Procedia Engineering, 174,240-245. https://doi.org/10.1016/j.

proeng.2017.01.126

Silverio, V. G. (2019). Ações afirmativas ante as discriminações de gênero no cenário brasileiro: Uma análise sobre

a visão de Ronald Dworkin. Revista Esmat,11(17),117-13.

Solheim, M. C., & Herstad, S. J. (2018). The differentiated effects of human resource diversity on corporate

innovation. International journal of innovation and technology management,15(5), 1-25. https://doi.org/10.1142/

S0219877018500463

Tachizawa, T., & Mendes, (2006). G. Como fazer monografia na prática. (12a ed.). FGV.

Tomelin, J., Amal, M., Zen, A., & Arrabito, P. (2018). Internationalisation of Science Parks: Experiences of Brazilian

Innovation Environments. In R. van Tulder, A. Verbeke, & L. Piscitello (Eds.), International Business in the Information

and Digital Age (pp. 391-408). Emerald Publishing Limited. https://doi.org/10.1108/S1745-886220180000013017

van Dijk, H., van Engen, M. L., & van Knippenberg, D. (2012). Defying conventional wisdom: A meta-analytical

examination of the differences between demographic and job-related diversity relationships with performance.

Organizational Behavior and Human Decision Processes,119, 38–53.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso: Planejamento e métodos (8a ed). Bookman.

Downloads

Publicado

07.03.2023

Como Citar

FREITAS, T. A.; RODRIGUES, M. B. A Gestão da Diversidade em um ambiente de inovação. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 29, p. 1–14, 2023. DOI: 10.5020/2318-0722.2023.29.e12132. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/12132. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos