O Uso do Design Thinking em Pesquisas Científicas na Área de Administração

Autores

  • Alexandre Borba Salvador FEA-USP ESPM
  • Carolina Magalhães Costa Cavalcanti Universidade de São Paulo
  • João Paulo Bittencourt FEA-USP Eistein
  • Vitor Koki da Costa Nogami FEA-USP PUC-PR

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2021.27.1.10679

Palavras-chave:

pesquisa em administração, design thinking, pesquisa multimétodo

Resumo

Este é um ensaio exploratório inspirado pela necessidade de produção de pesquisas com maior impacto científico, prático e social na área de Administração. Seu objetivo é discutir a inserção do design thinking como forma de reforçar o processo de pesquisa tradicional na área, objetivando o aumento e a relevância do produto da pesquisa. A investigação do artigo não sugere uma substituição das pesquisas, mas propõe uma abordagem diferente, mais robusta, na estruturação e condução da pesquisa, que em muito dialoga com a investigação multimétodos e o desenvolvimento do pesquisador pragmático, com maior expertise em diferentes técnicas de pesquisa. Se a filosofia do design thinking propõe a centralidade no usuário, no caso da pesquisa científica em Administração entendemos seu usuário como a comunidade científica, a comunidade gerencial e a sociedade como um todo.

Biografia do Autor

Alexandre Borba Salvador, FEA-USP ESPM

Doutor e Mestre em Administração pela FEA-USP. Professor nos cursos de pós-graduação da FIA e ESPM. Pesquisador na área de Marca e Educação. Executivo Sr. na área de Marketing.

Carolina Magalhães Costa Cavalcanti, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP). Mestra em Tecnologias Educacionais pela ITESM-México

João Paulo Bittencourt, FEA-USP Eistein

Doutor e Mestre em Administração pela FEA-USP

Vitor Koki da Costa Nogami, FEA-USP PUC-PR

Doutor em Administração pela FEA-USP Mestre em Administração pela UEM

Referências

APEL, K. O. Transformação da filosofia. São Paulo: Loyola, 2000.

BISPO, M. D. S. Methodological reflections on practice-based research in organization studies. BAR - Brazilian Administration Review, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 309–323, 2015.

BOEIRA, S. L.; VIEIRA, P. F. Estudos organizacionais: dilemas paradigmáticos e abertura interdisciplinar. In: BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A. B. DA; GODOI, C. K. (ed.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 460.

BONINI, L. A.; SBRAGIA, R. O modelo de design thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico. Revista de Gestão e Projetos, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 03–25, 2011.

BRANNEN, J. Mixing methods: the entry of qualitative and quantitative approaches into the research process. International Journal of Social Research Methodology, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 173–184, jul. 2005.

BROWN, T.; WYATT, J. Design thinking for social innovation. Disponível em: http://www.ssireview.org/articles/entry/design_thinking_for_social_innovation/?utm_source=Enews&utm_medium=email&utm_campaign=ten_gifts. Acesso em: 10 jun. 2016.

BURCH, R. Charles Sanders Peirce. Disponível em: http://plato.stanford.edu/entries/peirce/. Acesso em: 10 jun. 2016.

CARVALHO, Y. M.; MANOEL, E. DE J. Para além dos indicadores de avaliação da produção intelectual na grande área da saúde. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 3, p. 193–225, 2006.

CAVALCANTI, Carolina Costa; FILATRO, Andrea. Design thinking na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2017.

CHIASSON, P. Peirce’s design for thinking: an embedded philosophy of education. Educational Philosophy and Theory, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 207–226, 2005.

CHRYSUKOU, E. Mente criativa em ação. Mente e Cérebro, São Paulo, v. 19, n. 235, p. 30–39, ago. 2012.

DORST, K. The core of ‘design thinking’ and its application. Design Studies, [S. l.], v. 32, n. 6, p. 521–532, 2011.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GINZBURG. Chaves do mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes. In: ECO, U.; SEBEOK, T. (ed.). O signo de três: Dupin, Holmes, Peirce. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 89–129.

GOULDING, C. Grounded theory, ethnography and phenomenology strategies for marketing research. European Journal of Marketing, [S. l.], v. 39, n. 3/4, p. 294-308, 2005.

HAYAKAWA, S. I. Right reasoning: S. I. Hayakawa, Charles Sanders Peirce and the scientific method. A Review of General Semantics, [S. l.], v. 59, n. 2, p. 141-147, 2002.

IKEDA, A. Reflections on qualitative research in business. Revista de Gestão – REGE USP, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 49–64, 2009.

KANT, I. Prolegómenos a toda a metafísica futura. Lisboa: Edições 70, 1988.

KIMBELL, L. Rethinking design thinking: part I. Design and Culture, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 285–306, 2011.

KOLKO, J. Do design thinking ao design doing. São Paulo: M. Books, 2018.

KUHLMANN JR., M. Produtivismo acadêmico, publicação em periódicos e qualidade das pesquisas. Cadernos de Pesquisa, [S. l.], v. 45, n. 158, p. 838–855, 2015.

MARTIN, R. Design thinking: achieving insights via the “knowledge funnel”. Strategy & Leadership, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 37–41, 2010.

MIHALY CSIKSZENTMIHALYI. The system model of creativity: the collected works of mihaly csikszentmihalyi. Dordrecht: Springer, 2014.

MONTEIRO JR., J. Criatividade e inovação. São Paulo: Pearson Education, 2011.

MOORE, E. C. Charles S. Peirce. The essential writings. Amherst: Prometheus Books, 1998.

ONWUEGBUZIE, A. J.; LEECH, N. L. On becoming a pragmatic researcher: the importance of combining quantitative and qualitative research methodologies. International Journal of Social Research Methodology, v. 8, n. 5, p. 375–387, dez. 2005.

PEIRCE, C. S. Como tornar as nossas ideias claras. [S. l.]: Luso Sofia Press, 1995.

POLANYI, M. Personal knowledge. Londres: Routledge, 1993.

POPPER, K. Conhecimento objetivo. Itatiaia: Eduso, 1975.

REMENYI, D. So you want to be an academic researcher in business and management studies. South African Journal of Business Management, [S. l.], v. 27, p. 22–25, 1996.

ROMANINI, V. Cifra que se revela. Caligrama, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 14, 2005.

ROMEIRO, A. A.; WOOD, T. Bounded creativity: understanding the restrictions on creative work in advertising agencies. BAR - Brazilian Administration Review, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 1–21, 2015.

SANTAELLA, L. Why peirce´s semiotics is also a theory of communication. Disponível em: http://www.pucsp.br/~lbraga/epap_peir6.htm. Acesso em: 10 jun. 2016.

W. CRESWELL, J. Qualitative inquiring & research design: choosing among five approaches. 2. ed. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2007.

WOOD JR., T. et al. Impacto social: estudo sobre programas brasileiros selecionados de pós-graduação em administração de empresas. Revista de Administração Contemporânea, [S. l.], v. 20, n. 1, p. 21–40, 2016.

Downloads

Publicado

29.03.2021

Como Citar

SALVADOR, A. B.; CAVALCANTI, C. M. C.; BITTENCOURT, J. P.; NOGAMI, V. K. da C. O Uso do Design Thinking em Pesquisas Científicas na Área de Administração. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 27, n. 1, 2021. DOI: 10.5020/2318-0722.2021.27.1.10679. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/e10679. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos