Capital natural e desenvolvimento sustentável

Autores

  • Augusto Marcos Carvalho Sena Universidade de Fortaleza

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.14.2.%25p

Resumo

É fato conhecido que as atividades econômicas do presente têm imposto pesado ônus ao nosso planeta em relação ao meio ambiente, e isso tem elevado a importância do conceito de desenvolvimento sustentável e temas afins. Ênfase tem sido dada ao fato de que crescimento econômico tem reduzido o estoque de recursos naturais e que devem existir restrições ao processo de crescimento continuado, imposto pelo capitalismo em expansão. Ações imediatas estão sendo reclamadas, e propostas de implementação de políticas de proteção ao meio ambiente têm sido formuladas em vários países/regiões/estados, tanto na esfera política quanto acadêmica. Apesar disso, a literatura sobre desenvolvimento sustentável não está suficientemente desenvolvida, para oferecer suporte a decisões sobre desenho e implementação de políticas. A dificuldade recai sobre a complexidade em definir, com precisão, os conceitos de sustentabilidade e capital natural, dois conceitos-chave para desenvolvimento sustentável. Para suprir tal dificuldade, esse estudo propõe uma clara definição de capital natural e sustentabilidade, e explicita uma conecção lógica entre as duas definições. Além disso, uma breve discussão sobre várias mudanças, necessárias a qualquer sociedade contemporânea que busque sustentabilidade, é apresentada. Conclui-se que, controle do crescimento populacional, ajustes no modo de consumo e ênfase em redistribuição de renda são elementos cruciais para a sustentabilidade.

Biografia do Autor

Augusto Marcos Carvalho Sena, Universidade de Fortaleza

Professor Titular do Mestrado em Negócios Internacionais - Universidade de Fortaleza- UNIFOR Doutor em Economia/University of New Hampshire - Estados Unidos

Downloads

Como Citar

SENA, A. M. C. Capital natural e desenvolvimento sustentável. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 14, n. 2, 2009. DOI: 10.5020/2318-0722.14.2.%p. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/215. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos