Um sopro de destruição de José Augusto Pádua

Autores

  • Danielle Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.8.2.%25p

Resumo

A destruição do meio ambiente no Brasil, desde a sua descoberta, tem sido feita de maneira empírica e sistemática, o que gerou um padrão de desenvolvimento baseado no descaso em relação aos recursos naturais do país. De acordo com a obra de José Augusto Pádua, a exploração do meio ambiente no Brasil colonial escravista tinha como principais pressupostos o mito de que os recursos naturais eram inesgotáveis. Ressaltaram-se o desprezo dos colonizadores pela natureza tropical, a mentalidade imediatista e o parasitismo predatório. “Valia a lei do menor esforço na economia brasileira. A cultura imediatista colonial não tinha qualquer cuidado na utilização dos recursos naturais”. Porém, o que a maioria das pessoas não sabe é que, apesar disto, antes mesmo de se tornar independente de Portugal, o Brasil já ensaiava críticas às práticas econômicas predatórias.

Publicado

17.11.2010

Como Citar

COIMBRA, D. Um sopro de destruição de José Augusto Pádua. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 8, n. 2, 2010. DOI: 10.5020/2318-0722.8.2.%p. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/1913. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Resenhas