Extrafiscalidade tributária e suas interferências no domínio econômico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2023.29.e12654

Palavras-chave:

extrafiscalidade, desoneração, crescimento, desenvolvimento

Resumo

Este estudo analisou os efeitos da extrafiscalidade do IPI nos indicadores socioeconômicos dos municípios brasileiros. O estudo foi estratificado pela população e teve como amplitude temporal os anos de 2007 a 2016. A estratégia empírica consistiu em aplicar estatística descritiva, como medidas de posição e dispersão, construção de gráficos e tabelas. Os resultados indicam que as desonerações serviram para alavancar a indústria automobilística, o que possivelmente ajudou a aquecer o setor industrial e de serviços contribuindo para o crescimento econômico no período analisado. Em relação ao desenvolvimento, os indicadores de educação e saúde foram os que se destacaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marconi Silva Miranda, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil

Doutor em Administração - Área de Concentração Administração Pública PPG/ADM - UFV. Mestre em Estatística Aplicada e Biometria pela Universidade Federal de Viçosa e Graduação em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Federal de Juiz de Fora Campus de Governador Valadares e do Mestrado Profissional em Administração Pública - Profiap. Desenvolve pesquisa em Administração Pública: Finanças Públicas, Federalismo - Politica Fiscal e Tributária. Tem experiência em Métodos Quantitativos. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Econúcleo - Estudos Socioeconômicos

Suélem Viana Macedo, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil

Mestre e doutora em Administração, com concentração em Administração Pública, na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Possui graduação em Direito pela Escola de Estudos Superiores de Viçosa/Univiçosa (2014), na qual foi destaque pelo desempenho acadêmico. É professora do Curso de Direito e Orientadora de Prática Jurídica no Unifagoc (2021/atual), bem como Chefe da Seção de Gestão de Contratos da Câmara Municipal de Viçosa (2022/atual). Atuou como Procuradora Jurídica do CISAB Zona da Mata (2022/2022), assessora jurídica da Câmara Municipal de Araponga (2015/2017), advogada no escritório Carmo Arantes Advogados Associados (2015/2017) e auxiliar jurídico na Fundação Arthur Bernardes (2013/2014).

Wanderson de Almeida Mendes, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil

Professor no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). Doutor e Mestre em Administração com concentração na área Pública do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Viçosa (PPGADM/UFV). Possui especialização em Engenharia e Gerenciamento de Manutenção e MBA Executivo em Gestão de Produção e Qualidade pela Universidade Candido Mendes (UCAM). É graduado em Administração pela Faculdade Governador Ozanam Coelho (FAGOC). Trabalhou como professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - IF SUDESTE MG e como Professor no I-Pro Instituto Profissionalizante. Membro do Núcleo de Estudos em Administração, Governo e Sociedade (N+APGS) (2017-2018). Membro da Sociedade Brasileira de Administração Pública - SBAP (2018-atual). Membro do colegiado do curso de Administração da UNIFAGOC (2019-atual).

Wesley de Almeida Mendes, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil

Pós-doutorado em andamento em Administração pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Adjunto do Unifagoc nos cursos de Administração e Ciências Contábeis. Atuou como professor Substituto no Instituto Federal Sudeste MG, campus Rio Pomba, nos cursos de graduação e técnico em Administração (2019-2020). Doutor e Mestre em Administração com concentração na área Pública do PPGADM da Universidade Federal de Viçosa. Especialista em Gestão Empresarial e Planejamento Tributário. Bacharel em Administração pela Faculdade Governador Ozanam Coelho. Possui experiência em pesquisas do comportamento do consumidor e, atualmente, realiza pesquisas referentes à Administração Pública, qualidade da Gestão Pública e Desenvolvimento Humano. Membro do Núcleo de Estudos Administração Pública, Governo e Sociedade (N+APGS).Membro da Sociedade Brasileira de Administração Pública (2017-2019). Foi Técnico em Segurança do Trabalho no Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador (CEREST), da Prefeitura Municipal de Ubá e exerceu a função de Auxiliar Administrativo no Serviço Social da Indústria de Ubá (SESI - FIEMG).

Referências

Acemoglu, D., & Robinson, J. (2012). Porque as nações fracassam: A origem do poder, da prosperidade e da pobreza.

Elsevier.

Alves, R. D. A. V. (2018). Federalismo fiscal e distorções do modelo brasileiro. Revista de Finanças Públicas, Tributação

e Desenvolvimento, 6(6), 1-31. https://doi.org/10.12957/rfptd.2018.29441

Aparecida, F., Honorato, G., Cristina, M., & Quintela, D. A. (2018). Perfil Orçamentário de Pequenos Municípios: O

Caso do Município de Ladainha – MG, 4(2), 160–182.

Araujo, V. L. de, & Gentil, D. L. (2011). Avanços, recuos, acertos e erros: uma análise da resposta da política econômica

brasileira à crise financeira internacional. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Textos para Discussão, 1602.

https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/1690

Araujo, J. M., & Siqueira, R. B. (2016). Demanda por gastos públicos locais: Evidências dos efeitos de ilusão fiscal no Brasil. Estudos Economicos, 46(1), 189–219. https://doi.org/10.1590/0101-416146116jar

Assunção, M. C. (2011). Incentivos fiscais em tempos de crise: Impactos econômicos e reflexos financeiros. Revista

Da PGFN, 1(1), 99–121.

Barbosa, F. de H., Filho. (2017). A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, 31(89), 51–60. https://doi.

org/10.1590/s0103-40142017.31890006

Barbosa, L. T., Abrantes, L. A., Almeida, F. M. de, & Oliveira, G. de A. (2017). Política de desoneração do IPI e seu

impacto no setor automotivo e correlatos. Enfoque: Reflexão Contábil, 36(3), 52. https://doi.org/10.4025/enfoque.

v36i3.34755

Barbosa, L. T., Abrantes, L. A., Brunozi, A. C., Jr., & Almeida, F. M. de. (2020). Política de desoneração do IPI e sua

implicação na arrecadação própria dos municípios brasileiros. Advances in Scientific and Applied Accounting,

(1), 143–164.

Becho, R. L. (2015). Lições de direito tributário (3a ed.). Saraiva Educação SA.

Blanchet, L. A., & Oliveira, E. L. de. (2014). Tributação da Energia no Brasil: necessidade de uma preocupação

constitucional extrafiscal e ambiental. Seqüência: Estudos Jurídicos e Políticos, 35(68), 159-188. https://doi.

org/10.5007/2177-7055.2013v35n68p159

Código Tributário Nacional. (2012). (2a ed.). Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas. https://www2.

senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/496301/000958177.pdf

Campos, R. M. de, & Castro, V. K. de. (2019). A contribuição de intervenção no domínio econômico incidente sobre

combustíveis. Percurso, 2(29), 432-136. https://doi.org/10.21902/revpercurso.2316-7521.v2i29.3511

Cecon, P. R., Da Silva, A. R., Nascimento, M., & Ferreira, A. (2012). Métodos Estatísticos. UFV.

Correia, P., & Teixeira, A. (2017). Política pública de controle do tabaco no Brasil e Portugal: impostos e acessibilidade

ao produto. Lex Humana, 9(2), 68–95.

Costa, G. G. de O. (2013). Curso de Estatística Inferencial e Probabilidades: Teoria e Prática (2a ed.). Atlas.

Dedecca, C. S., Trovão, C. J. B. M., & De Souza, L. F. (2014). Desenvolvimento e equidade. Desafios do crescimento

brasileiro. Novos Estudos CEBRAP, 1(98), 23–41. https://doi.org/10.1590/s0101-33002014000100003

Doane, D. P., & Seward, L. E. (2008). Estatística Aplicada à Administração e Economia (1a ed.). McGRAW-Hill.

Eriksson, L., Byrne, T., Johansson, E., Trygg, J., & Vikström, C. (2006). Multi and megavariate data analysis: basic

principles and applications (2a ed.). Umetrics Academy.

Fernandes, C. M., Brunozi, A. C., Jr., & Leroy, R. S. D. (2018). Desempenho Tributário e Desenvolvimento Econômico

e Social em Municípios Mineiros. Perspectivas Contemporâneas, 13(1), 74–93. http://revista2.grupointegrado.br/

revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/2584

Ferreira, J. D., Subeldia Junior, O. L. L., & Schneider, M. B. (2016). Política industrial brasileira recente. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 38(2), 173. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v38i2.30839

Folloni, A. (2014). Isonomia na tributação extrafiscal. Revista Direito GV, 10(1), 201–220. https://doi.org/10.1590/

s1808-24322014000100008

Freitas, M. C. P. de. (2009). The effect of the global crisis in Brazil: Risk aversion and preference for liquidity in the

credit market. Estudos Avancados, 23(66), 125–145. https://doi.org/10.1590/S0103-40142009000200011

Gentil, D., & Hermann, J. (2017). A política fiscal do primeiro governo Dilma Rousseff: Ortodoxia e retrocesso. Economia e Sociedade, 26(3), 793–816. https://doi.org/10.1590/1982-3533.2017v26n3art9

Giambiagi, F., & Além, A. C. (2015). Finanças públicas: Teoria e prática no Brasil (5a ed.). GEN Atlas.

Gujarati, D., & Porter, D. (2011). Econometria Básica (5a ed.). AMGH.

Ilzetzki, E. (2018). Tax reform and the political economy of the tax base. Journal of Public Economics, 164, 197–210.

https://doi.org/10.1016/J.JPUBECO.2018.06.005

Jebli, M. Ben, Youssef, S. Ben, & Apergis, N. (2019). The dynamic linkage between renewable energy, tourism, CO 2

emissions, economic growth, foreign direct investment, and trade. Latin American Economic Review, 28(1), 1–19.

https://doi.org/10.1186/S40503-019-0063-7/TABLES/8

Jorge, A. T. (2018). Apontamentos Acerca da Desvinculação de Receitas da União (DRU). Revista de Finanças Públicas,

Tributação e Desenvolvimento, 6(6), 1-29. https://doi.org/10.12957/rfptd.2018.32908

Lara, F. M., & Black, C. (2016). A recessão brasileira em 2015 e seu efeito conjuntural sobre as importações. Indicadores Econômicos FEE, 44(2), 9–26.

Marenco, A., Strohschoen, M. T. B., & Joner, W. (2017). Capacidade estatal, burocracia e tributação nos municípios

brasileiros. Revista de Sociologia e Política, 25(64), 3–21. https://doi.org/10.1590/1678-987317256401

Martins, B. (2010). Crise Financeira e Restrição de Crédito no Brasil: Evidências com Base no Custo do Financiamento

Bancário. Banco Central do Brasil, Relatório de Economia Bancária e Crédito, p. 69-87.

Massardi, W. D. O., & Abrantes, L. A. (2016). Dependência dos Municípios Mineiros em relação ao Fundo de Participação dos Municípios. Revista Eletrônica Gestão & Sociedade, 10(27), 1397-1416. https://doi.org/10.21171/ges.v10i27.1963

Massardi, W. de O., & Abrantes, L. A. (2014). Classificação dos municípios mineiros em relação à composição de

suas receitas. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 4(1), 144–161.

Mast, E. (2020). Race to the Bottom? Local Tax Break Competition and Business Location. American Economic Journal: Applied Economics, 12(1), 288–317. https://doi.org/10.1257/APP.20170511

Medeiros, A. L., Santos, L. B., & Andre, C. M. G. (2018). Desenvolvimento Municipal das Microrregiões do Estado do

Tocantins: uma análise a partir do índice Firjan de desenvolvimento municipal. Desenvolvimento Em Questão,

(45), 44–62. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2018.45.44-62

Mendes, M. (2004). Federalismo fiscal. In C. Biderman & P. R. Arvate (Eds.), Economia do Setor Público No Brasil

(pp. 421–461). Elsevier.

Mendes, W. de A., Ferreira, M. A. M., Abrantes, L. A., & Faria, E. R. de. (2018). A influência da capacidade econômica e

da formação de receitas públicas no desenvolvimento humano. Revista de Administração Pública, 52(5), 918–934.

https://doi.org/10.1590/0034-761220170004

Mendonça, M. J. (2018). Diagnóstico das causas da crise econômica no Brasil e retomada do crescimento econômico.

Revista Razão Contábil & Finanças, 9(2), 1-23.https://periodicos.uniateneu.edu.br/index.php/razao-contabeis-efinancas/article/view/294

Merigot, J.-G. (1953). Elementos de uma teoria da parafiscalidade. Revista de Direito Administrativo, 34, 49–66.

Miller, J. J., Nikaj, S., & Lee, J. M. (2019). Reverse mortgages and senior property tax relief. Journal of Housing

Economics, 44, 26–34. https://doi.org/10.1016/j.jhe.2018.12.001

Miranda, M. S., Abrantes, L. A., & Rocha, T. C. da. (2020). Efeito da política de desoneração do IPI sobre o repasse

do fundo de participação e nível de arrecadação dos municípios dos estados do Acre, Amapá e Roraima . Gestão

& Regionalidade, 36(109), 96–110. https://doi.org/10.13037/gr.vol36n109.5696

Nakaoka, A., & Macei, D. N. (2020). A extrafiscalidade como instrumento de políticas públicas no estado de direito

social. Percurso, 01(32), 57–62. https://doi.org/10.21902/RevPercurso.2316-7521.v1i32.4260

Nelson, R. A. R. R. (2018). Da questão dos incentivos fiscais na república federativa do Brasil. Revista de La Facultad

de Derecho, (45), 1–37. https://doi.org/10.22187/rfd2018n45a5

Nilson, M., Ferreira, L. F., & Ferreira, D. D. M. (2011). A Tributação do Imposto sobre Produtos Industrializados e a

Eficiência Energética: Um estudo comparativo entre produtos de uso doméstico. Revista Catarinense Da Ciência

Contábil, 10(28), 9–25. https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v10n28p9-25

Nogueira, R. B. (1995). Curso de Direito Tributário (9a ed.). Saraiva.

Oliveira, L. M. de. (2007). Manual de Contabilidade Tributária (6a ed.). Atlas.

Oreiro, J. L. (2017). A grande recessão brasileira: Diagnóstico e uma agenda de política econômica. Estudos Avancados, 31(89), 75–88. https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890009

Paes, N. L. (2012). O hiato tributário do imposto sobre produtos industrializados: Evidências setoriais. Revista Brasileira de Economia de Empresas, 11(2), 41–53.

Sabbag, E. (2014). Manual de direito tributário (4a ed.). Saraiva.

Schettini, B. P. (2012). Análises da dinâmica orçamentária dos municípios brasileiros: Uma aplicação da metodologia var com dados empilhados. Economia Aplicada, 16(2), 291–310. https://doi.org/10.1590/S1413-80502012000200004

Sen, A. (2011). Development as Freedom. Anchor Books.

Serrano, A. L. M., Campos, L. A., Oliveira, J. B. de, Wilbert, M. D., & Damasceno, R. (2018). Efeito da Redução do IPI

no setor de construção civil brasileiro de 2008 a 2013. Desenvolvimento Em Questão, 16(43), 487-512. https://

doi.org/10.21527/2237-6453.2018.43.487-512

Sicsu, J. (2019). Brazil: It’s a depression, it was not a recession. Revista de Economia Contemporanea, 23(1),1-23.

https://doi.org/10.1590/198055272312

Silva, C. R. M. da, & Crisóstomo, V. L. (2019). Gestão fiscal, eficiência da gestão pública e desenvolvimento

socioeconômico dos municípios cearenses. Revista de Administração Pública, 53(4), 791–801. https://doi.

org/10.1590/0034-761220180234

Souza, C. (2001). Federalismo e descentralização na constituição de 1988: Processo decisório, conflitos e alianças.

Dados, 44(3), 513–560. https://doi.org/10.1590/S0011-52582001000300003

Souza, C. (2005). Federalismo, desenho constitucional e instituições federativas no Brasil pós-1988. Revista de

Sociologia e Política, 24, 105–121. https://doi.org/10.1590/s0104-44782005000100008

Souza, R. L. M. de, Filho. (2019). Extrafiscalidade Tributária. Revista FIDES, 10(2), 353–368. http://revistafides.ufrn.

br/index.php/br/article/view/403

Souza, J., Machado, L., & Oliveira, C. (2007). As origens da pequena empresa no Brasil. Revista Da Micro e Pequena

Empresa, 1(1), 53–65. https://www.cc.faccamp.br/ojs-2.4.8-2/index.php/RMPE/article/view/18

Suzart, A. S., Zuccolotto, R., & Rocha, D. G. (2018). Federalismo Fiscal E As Transferências Intergovernamentais: Um

estudo exploratório com os municípios brasileiros. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 127–145.

https://doi.org/10.14392/asaa.2018110107

Todaro, M. P., & Smith, S. C. (2012). Economic Development (12a ed.). Pearson.

Vescovi Junior, J. (2003). Perfil da administração tributária em municípios com até 30.000 habitantes: esforço fiscal e

viabilidade municipal. [Dissertação de Mestrado]. Fundação Getulio Vargas. http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/

handle/10438/2439

Vieira, E. T., & Santos, M. J. dos. (2012). Desenvolvimento econômico regional: Uma revisão histórica e teórica.

Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 8(2), 344–369. https://doi.org/10.54399/rbgdr.v8i2.679

Vieira, M. A., Abrantes, L. A., Ferreira, M. A. M., & Lopes, J. do V. S. (2017). Implicações do esforço de arrecadação no

desempenho socioeconômico dos municípios de Minas Gerais. Gestão & Regionalidade, 33(99), 21-38. https://

doi.org/10.13037/gr.vol33n99.3981

Vitalis, A. (2018). Em busca da justiça fiscal: Uma leitura atual do princípio da neutralidade. Revista de Finanças

Públicas, Tributação e Desenvolvimento, 6(6), 1-36. https://doi.org/10.12957/rfptd.2018.26919

Wooldridge, J. M. (2011). Introdução à Econometria: Uma abordagem moderna (4a ed.). Cengage Learning.

Downloads

Publicado

10.04.2023

Como Citar

MIRANDA, M. S.; MACEDO, S. V.; MENDES, W. de A.; MENDES, W. de A. Extrafiscalidade tributária e suas interferências no domínio econômico. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 29, p. 1–17, 2023. DOI: 10.5020/2318-0722.2023.29.e12654. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/12654. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos