A Função da Logística Humanitária na Gestão Epidemiológica e no Atendimento de Refugiados: Análise por meio de um Modelo Conceitual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2022.28.e11961

Palavras-chave:

fluxo logístico, deslocamento, epidemias

Resumo

O presente trabalho analisa a função da logística humanitária orientada para a gestão do fluxo e atendimento dos refugiados venezuelanos, considerando o atendimento da gestão pública da saúde quanto aos riscos epidemiológicos do sarampo. A metodologia utilizada baseou-se em estudo de caso, com aspectos descritivos e exploratórios. Foram utilizados questionários com aplicação direta junto aos gestores de unidades básicas de saúde, para levantamento dos dados necessários para análise. A amostra constituiu-se de 233 unidades de análise que foram os pontos de atendimento de saúde, no município de Manaus. Em sequência aplicou-se a modelagem de equações estruturais junto aos 3 (três) construtos (planejamento, logística inbound e logística outbound) e 10 (dez) indicadores. Os resultados apontam para a aderência do modelo aplicado, por meio das análises do modelo estrutural (coeficiente de determinação de Pearson - R2 e indicador de Cohen - f2) e do modelo de mensuração (validade convergente, discriminante e confiabilidade).

Biografia do Autor

Sandro Breval Santiago, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Pós-Doutoramento em Indústria 4.0 pela Universidade do Porto (Portugal). Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua em projetos de P & D, industriais, consultoria e treinamento. Professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Manoel Carlos de Oliveira Junior, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Professor Adjunto na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Doutorado em Gestão da Biotecnologia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Atua em projetos de educação, consultoria e P & D. Coordenação Acadêmica de Curso, Ouvidoria e CPA.

Referências

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). (2014). Refúgio no Brasil: Uma análise estatística de janeiro de 2010 a outubro de 2014.

Akhtar, P., Marr, N., & Garnevska, E. (2012). Coordination in humanitarian relief chains: chain coordinators. Journal of Humanitarian Logistics and Supply Chain Management, 2(1), 85-103. DOI: 10.1108/20426741211226019

Apte, A. (2010). Humanitarian logistics: A new field of research and action. Foundations and trends.

Araújo, M., Desmoulière, S. e Levino, A. (2014). Padrão espacial da distribuição da incidência de dengue e sua relação com a variável renda na Cidade de Manaus, Estado do Amazonas, Brasil. Revista Pan-Amazônica Saúde, 5(2), 11-20. DOI: 10.5123/S2176-62232014000200002

Balcik, B., Beamon, B., Krejci, C., Muramatsu, K., & Ramirez, M. (2010). Coordination in humanitarian relief chains: practices, challenges and opportunities. International Journal of Production Economics, 126(1), 22-34. DOI: 10.1016/j.ijpe.2009.09.008

Bastos, J., & Obregón, M. (2018). Venezuela em Crise: o que mudou com Maduro? Revista Derecho y Cambio Social, (52), 1-16. Link

Burton, I. (2015). UNISDR Terminology on Disaster Risk Reduction. International Strategy for Disaster Reduction.

Chatelin, Y. M., Vinzi, V. E., & Tenenhaus, M. (2002). State-of-art on PLS Path Modeling through the available software.

Chin, W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. In G. A Marcoulides. Modern methods for business research (pp. 295-336). Psychology Press.

Chin, W. W., & Newsted, P. R. (1999). Structural equation modeling analysis with small samples using partial least squares. In R. H. Hoyle (Ed.), Statistical strategies for small sample research (pp. 307-341). Sage Publications.

Crocker, B., Jessop, D., & Morrison, A. (2012). Inbound logistics management (7ª ed). Pearson Higher.

Ertem, M., Buyurgan, N., & Rossetti, M. (2010). Multiple-buyer procurement auctions framework for humanitarian supply chain management. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 40(3), p. 202-227.

Faul, F., Erdfelder, E., Lang, A. G., & Buchner, A. (2009). G*Power (version 3.1.2) [Computer software]. Universität Düsseldorf.

Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC). (2018). Link

Fernie, J. (2014). Relationships in the supply chain. In J. Fernie, L. Sparks (Eds.), Logistics and retail management: Emerging issues and new challenges in the retail supply chain (4th ed, pp. 35-64). Kogan Page.

Fleury, P. F., Wanke, P., & Figueiredo, K. F. (Coord.). (2000). Logística empresarial: A perspectiva brasileira. Editora Atlas.

Folha de São Paulo. (23 de novembro de 2016). Deportações de venezuelanos na fronteira com Roraima crescem 824%. Link

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6ª ed.). Atlas.

Hair Junior, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C. M., & Sarsted, M. (2016). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM) (2nd ed.). Sage Publications.

Henseler, J., Ringle, C., & Sinkovics, R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. In R. R. Sinkovics, & P. N Ghauri (Eds.) New challenges to international marketing (v. 20, pp. 277-319). Emerald Group Publishing Limited.

Jahre, M., & Jensen, L. (2010). Coordination in humanitarian logistics through clusters. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 40(8/9), 657-674. Link

Kovács, G., & Spens, K. (2009). Identifying challenges in humanitarian logistics. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 39(6), 506-528. Link

Kovács, G.; Matopoulos, A., & Hayes, O. (2010). A community-based approach to supply chain design. International journal of logistics research and applications, 13(5), 411-422. DOI: 10.1080/13675567.2010.511609

Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. (2017). Institui a Lei de Migração. Presidência da República. Link

López-Vargas, J. C., & Cárdenas-Aguirre, D. M. (2017). Gestión de la logística humanitaria en las etapas previas al desastre: revisión sistemática de la literatura. Revista de Investigación, Dessarollo e Innovación, 7(2), 203-216. Link

Maon, F., Lindgreen, A., & Vanhamme, J. (2009). Cross-Sector collaboration for disaster relief supply chain enhancement: Mingling corporate expertise with humanitarians’ Willpower. Link

Moura, A. D. A., Carneiro, A. K. B., Braga, A. V. L., Bastos, E. C. S. A., Canto, S. V. E., ... & Andino, R. D. (2018). Estratégias e resultados da vacinação no enfrentamento da epidemia de sarampo no estado do Ceará, 2013-2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 27(1), e201634310

Moreira, P. (2018). Entorno e primeiras respostas locais à instabilidade na Venezuela. Boletim Regional, Urbano e Ambiental, (18), 87-95. Link

Maciel, T., Neto, T., & Gonçalvez, M. (2015). Instalações humanitárias como alternativa de preparação para eventos sazonais no Estado do Amazonas. The Journal of Transport Literature, 9(4), 35-39. DOI: 10.1590/2238-1031.jtl.v9n4a7

Matielo, E., Santos, A. F. V., Bonetti, O. P., & Osório, D. S. (2018). Migração e Saúde no Brasil. In Cuba Salud 2018 - Gestión para la Reducción de Riesgos de Desastres (pp. 1-6). Link

Manzini, E. J., & Bonato, N. (2008). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In Marquezine, M. C., Almeida, M. A., & Omote, S. (Orgs.) Colóquios sobre pesquisa em educação especial (11-25). Londrina. Eduel.

Nyaga, G. N., Whipple, J. M., & Lynch, D. F. (2010). Examining supply chain relationships: do buyer and supplier perspectives on collaborative relationships differ? Journal of Operations Management, 28(2), 101-114. DOI: 10.1016/j.jom.2009.07.005

Organização das Nações Unidas (ONU). (1951). Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados. Link

Pinto, L. C., & Obregon, M. F. Q. (2018). A crise dos refugiados na Venezuela e a relação com o Brasil. Revista Derecho y Cambio Social. (51), 1-21. Link

Pomponi, F., Fratocchi, L., & Tafuri, S. R. (2015). Trust development and horizontal collaboration in logistics: A theory based evolutionary framework. Supply Chain Management: An International Journal, 20(1), 83-97. Link

Poon, T. C., Choy, K. L., Chow, H. K. H., Lau, H. C. W., Chan, F. T. S., & Ho, K. C. (2009). A RFID case-based logistics resource management system for managing order-picking operations in warehouses. Expert Systems with Applications, 36(4), 8277-8301. DOI: 10.1016/j.eswa.2008.10.011

Porter, M. (1997). Os caminhos da lucratividade. HSM management, (1), 88-94.

Ribeiro, R. (2015). O impacto das instituições frágeis no desenvolvimento: a “maldição” do petróleo na Venezuela [Monografia de Bacharelado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Link

Rita, P., & Krapfel, R. (2015). Collaboration and Competition in Buyer-Supplier Relations: The Role of Information in Supply Chain and e-Procurement Impacted Relationships. In H. E. Spotts (Ed.). Assessing the Different Roles of Marketing Theory and Practice in the Jaws of Economic Uncertainty (pp. 98-105). Springer.

Russel, T. (2005). The humanitarian relief supply chain: analysis of the 2004 South East Asia earthquake and tsunami. Massachusetts Instittute of Technology. Link

Santiago, S. (2017). Medição da interoperabilidade logística com uso de modelos de equações estruturais [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Link

Schonsleben, P. (2016). Integral logistics management: operations and supply chain management within and across companies (5th ed). CRC Press.

Secretaria Municipal de Saúde de Manuas (SEMSA). (2018). Localização das Unidade de Saúde. Link

Simões, G., Cavalcanti, L., Oliveira, T., Moreira, E., & Camargo, J. (2017) Perfil demográfico e sociolaboral da migração venezuelana no Brasil: Resumo executivo. Conselho Nacional de Imigração. Link

Souza, J. (2012). Distribuição de Centrais de Apoio para Logística Humanitária – Preparação para Resposta a Desastres Naturais. In Anais do Décimo Quinto Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha. Universidade Federal de Santa Catarina. Link

Tomasini, R. M., & Van Wassenhove, L. N. (2009). From preparedness to partnerships: Case study research on humanitarian logistics. International Transactions in Operational Research,16(5), 549-559. Link

Thomas, M. (2002). Supply Chain Reliability for Contingency Operations. Proceedings of Annual Reliability and Maintainability Symposium. Link

Thomas, A. S., & Kopczak, L. R. (2005). From Logistics to Supply Chain Management: the Path Forward in the Humanitarian Sector. Fritz Institute. Link

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas.

Ursacki-Bryant, T., Smart, C., & Vertinsky, I. (2012). The fit between crisis types and management attributes as a determinant of crisis consequences. In G. P. Hodgkinson, & W. H. Starbuck (Eds.), The Oxford Handbook of Organizational Decision Making (pp. 174-193). Oxford University Press.

Van Wassenhove, L. (2006). Humanitarian aid logistics: supply chain management in high gear. Journal of the Operational Research Society, 57(5), 475-489. Link

Viana, M. (2009). Cooperação Internacional e deslocamento interno na Colômbia: desafios à maior crise humanitária da América do Sul. SUR - Revista Internacional de direitos humanos, 6(10), 138-161. DOI: 10.1590/S1806-64452009000100008

Zary, B., Bandeira, R. & Campos, V. (2014). A produção científica em logística humanitária no século XXI: uma análise bibliométrica. Revista Transportes, 24(2), 1-12. DOI: 10.14295/transportes.v24i2.883

Downloads

Publicado

09.08.2022

Como Citar

SANTIAGO, S. B. .; OLIVEIRA JUNIOR, M. C. de . A Função da Logística Humanitária na Gestão Epidemiológica e no Atendimento de Refugiados: Análise por meio de um Modelo Conceitual. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 28, p. e11961, 2022. DOI: 10.5020/2318-0722.2022.28.e11961. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/11961. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos