Experiências Organizacionais de Resistência ao Processo de Empresariamento Urbano: O Caso da Comunidade Vila Autódromo

Autores

  • Gabriela Izabel de Alvarenga Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
  • Leonardo Vasconcelos Cavalier Darbilly Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2021.27.2.10210

Palavras-chave:

Organizações Alternativas. Resistência. Vila Autódromo.

Resumo

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos de 2016, acirrou-se no Rio de Janeiro o processo de “empresariamento urbano” (HARVEY, 1996), tendo como uma das consequências o aumento do número absoluto de remoções urbanas (BETIM, 2015). A Vila Autódromo foi uma das comunidades ameaçadas de remoção, porém com ações de oposição a esse processo criaram-se obstáculos significativos aos objetivos traçados pelo poder público, no que diz respeito a essa política, dando notoriedade a tal comunidade.  Assim, objetiva-se analisar como movimentos de resistência, por parte de diferentes atores sociais, podem ocorrer em contraposição a fenômenos como o do empresariamento urbano, tendo como pano de fundo o caso da Vila Autódromo. Para alcançar este objetivo, realizou-se um estudo qualitativo por meio da coleta de entrevistas individuais, observações participantes e pesquisa documental. Assim, os dados apontaram que a luta envolveu ações de resistência dos próprios moradores e de outros diferentes aliados, a partir de uma organização plural na comunidade. A Vila Autódromo demonstrou ser o que Parker, Fournier e Reedy (2012) classificam como uma experiência de um modo alternativo de organizar a sociedade, algo para além das leis econômicas inexoráveis que dominam a maior parte do planeta. Assim, concluiu-se, portanto, que as ações de oposição foram parte do organizar construído na Vila Autódromo e a materialização da resistência na comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Izabel de Alvarenga, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Mestra em Administração pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Possui pós-graduação lato-sensu em Gestão Pública Municipal pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Leonardo Vasconcelos Cavalier Darbilly, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Doutor em Administração e Mestre em Administração Pública pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas (EBAPE/FGV). Professor adjunto do Departamento de Administração e Turismo do Instituto Multidisciplinar da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Referências

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E PESCADORES DA VILA AUTÓDROMO. Estatuto da associação de moradores e pescadores da Vila Autódromo. Rio de Janeiro: AMPVA, 2008.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E PESCADORES DA VILA AUTÓDROMO. Plano popular da Vila Autódromo. Rio de Janeiro: AMPVA, 2016.

ATTON, C. Alternative media. London: Sage, 2002.

BETIM, F. Remoções na Vila Autódromo expõem o lado B das Olimpíadas do Rio. El País, Rio de Janeiro, 5 ago. 2015. Disponível em: Link. Acesso em: 20 nov. 2016.

BÖHM, S. Repositioning organization theory: impossibilities and strategies. New York: Palgrave Macmillan, 2006.

CERNEA, M. M. The urban environment and population relocation. Washington: World Bank, 1993. (World Bank Discussion Papers, 152)

CERNEA, M. M. Reassentamento populacional e desenvolvimento. Finanças & Desenvolvimento, [S. l.], v. 18, n. 1. p. 46-49, 1994.

COSTA, P. de A. et al. Provocações epistemológicas, teóricas e metodológicas a partir de experiências empíricas de organizações alternativas e contra hegemônicas. Farol Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade. Belo Horizonte, v. 5, n. 13, p. 477-495, ago. 2018.

GOHN, M. Movimentos sociais e luta pela moradia. São Paulo: Loyola, 1991.

HARVEY, D. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debates. Revista de Estudos Regionais e Urbanos, São Paulo, n. 39, p. 48-64, 1996.

HOLLANDER, J. A.; EINWOHNER, R. L. Conceptualizing resistance. Sociological Forum, [S. l.], v. 19, p. 533-554, 2004.

HÖFFE, O. O que é justiça. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

KAPLÚN, M. El comunicador popular. Quito: CIESPAL, 1985.

KROHLING PERUZZO, C. Conceitos de comunicação popular, alternativa e comunitária revisitados. Reelaborações no setor. Palabra Clave, Colômbia, v. 11, n. 2, p. 1-14, 2008.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Madrid: Siglo XXI, 1987.

LIGHTFOOT, G. Imagining alternatives. In: PARKER, M.; CHENEY,. G.; FOURNIER.V.; LAND, C. The routledge companion to alternative organization. London: Routledge, 2013. p. 31-41.

MASCARENHAS, G. Cidade mercadoria, cidade-vitrine, cidade turística: a espetacularização do urbano nos megaeventos esportivos. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 14, p. 52-65, nov. 2014. Edição especial Hospitalidade e políticas públicas em turismo.

MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K.; BÖHM, S. A práxis da resistência e a hegemonia da organização. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 45, p. 181-193, abr./jun. 2008.

MISOCZKY, M. C. Das práticas não-gerencias de organizar à organização para a praxis da libertação. In: MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K.; MORAES, J. (org.). Organização e praxis Libertadora. Porto Alegre: Dacasa, 2010. p. 13-56.

MONTEIRO, P. G.; MEDEIROS, M. G. P. O sistema de justiça e a luta pela moradia no Rio de Janeiro: o percurso jurídico da resistência da Vila Autódromo contra a remoção. Revista Brasileira de Direito Urbanístico, Belo Horizonte, n. 7, a. 4, p. jul./dez. 2018.

OLIVER-SMITH, A. Involuntary resettlement, resistance and political empowerment. Journal of Refugee Studies, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 132-149,1991.

OLIVER-SMITH, A. Fighting for a place: the policy implications of resistance to development-induced resettlement. In: MCDOWELL, C. (ed.) Understanding impoverishment: the consequences of development-induced displacement. Oxford: Berghahn Books, 1996. p. 77-97.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Como atuar em projetos que envolvem despejos e remoções?. Guia. Relatoria Especial da ONU para a moradia adequada. São Paulo: ONU, 2010. Disponível em: Link. Acesso em: 5 set. 2017.

PARKER, M. Against management: organization in the age of managerialism. Cambridge: Polity, 2002.

PARKER, M.; FOURNIER, V.; REEDY, P. Dicionário de alternativas. São Paulo: Octavo, 2012.

PARKER, M; CHENEY, G; FOURNIER, V; LAND, C. The question of organization: a manifesto for alternatives. Ephemera, [S. l.], v. 14, n. 4, p. 623-628, 2014.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

RAUBER, I. La transformación social en el siglo XXI: camino de reformas o de revolución. [S. l.]: Pasado y Presente XXI, 2004. ROLNIK, R. Jogos Olímpicos e direito à moradia adequada. Cienc. Cult., São Paulo, v. 68, n. 2,p. 31-36, jun. 2016. Disponível em: Link. Acesso em: 30 maio 2021.

SPICER, A.; BÖHM, S. Moving management: theorizing struggles against the hegemony of management. Organization Studies, [S. l.], v. 28, n. 11, p. 1667-1698, 2007.

SOLÉ, A. L’entreprise: une invention Latine? In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAl, 9., 2003, Salvador. Anais […]. Salvador: UFBA, 2003. p. 1-20.

SOUZA, M. Ação direta e luta institucional: complementaridade ou antítese? PassaPalavra. [S. l.: s. n.], 2012. Disponível em: Link. Acesso em: 30 nov. 2017

TAFAKGI, M. Copa e Olimpíadas pra quem? Uma etnografia sobre os impactos sociais e as mobilizações coletivas no processo de preparação do Rio de Janeiro como sede de megaeventos esportivos. Revista Ensaios, Niterói, v. 7, p. 1-16, 2016.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, n. 44, p. 201-218, 2015.

WATTS, J. O empresário carioca na esperança de um legado olímpico próprio de bilhões. The Guardian in Portugues, Rio de janeiro, 12 ago. 2015. Disponível em: Link. Acesso em: 20 dez. 2017.

Downloads

Publicado

21.10.2021

Como Citar

ALVARENGA, G. I. de; DARBILLY, L. V. C. Experiências Organizacionais de Resistência ao Processo de Empresariamento Urbano: O Caso da Comunidade Vila Autódromo. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 27, n. 2, 2021. DOI: 10.5020/2318-0722.2021.27.2.10210. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rca/article/view/10210. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos