Qualidade de vida do cuidador de enfermagem e sua relação com o cuidar - doi:10.5020/18061230.2013.p36

Everton Fernando Alves

Resumo


Objetivo: Identificar aspectos que interferem na qualidade de vida dos cuidadores de enfermagem e no cuidar em uma Unidade de Terapia Intensiva para Adultos (UTI-A). Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, de natureza qualitativa, tendo como sujeitos 21 profissionais que compõem a equipe de enfermagem da UTI-A de um hospital escola do município de Maringá-PR. Utilizou-se como estratégia para coleta de dados a entrevista semiestruturada, realizada entre maio e junho de 2009. A análise dos dados se baseou no método da análise de conteúdo. As categorias identificadas foram: vislumbrando a melhora da qualidade de vida relacionada aos recursos em uma UTI-A; a qualidade de vida influenciando na forma de cuidar; as relações interpessoais na equipe multiprofissional refletindo na qualidade de vida do cuidador e no cuidar. Resultados: A análise dos depoimentos dos cuidadores e os resultados da observação evidenciaram que há correlação entre os aspectos que eles consideram influenciadores de sua qualidade de vida e a forma de cuidar dos pacientes em uma UTI-A. Conclusão: Os achados indicam que, entre os aspectos influenciadores, os fatores desgastantes se sobrepõem aos potencializadores. Nessa perspectiva, lidar com o sofrimento do cuidador pode ser o ponto inicial para a melhora na qualidade do cuidar em uma UTI-A.

Palavras-chave


Qualidade de Vida; Cuidados deEnfermagem; Unidade de Terapia Intensiva

Referências


Ribeiro PIR, Castro S. A Qualidade de Vida dos Profissionais de Enfermagem da UTI Adulto e UTI Neonatal: uma abordagem fundamentada nas dimensões propostas por Flanagan [acesso em 2012 Ago 26]. In: Escola Superior de Enfermagem do Porto. Saúde eQualidade de Vida em Análise [e-book]. Porto: Núcleo de Investigação em Saúde e Qualidade de Vida; 2009. p. 13-20. Disponível em: http://portal.esenf.pt/www/ pk_menus_ficheiros.ver_ficheiro?fich=F414716503/Livro%20Sa%FAde%20e%20Qualidade%20de%20 Vida.pdf

Paschoa S, Zanei SSV, Whitaker IY. Qualidade de vida dos trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2007; 20(3):305-10.

Araújo GA, Soares MJGO, Henriques MERM.Qualidade de vida: percepção de enfermeiros numa abordagem qualitativa. Rev Eletr Enf [periódico na Internet] 2009 [acesso em 2012 Ago 26];11(3):635-41.Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a22.htm

Alves EF. O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma Unidade de Terapia Intensiva. UNOPAR Cient.,Ciênc. Biol. Saúde 2013;15(2):115-22.

Martins JT, Robazzi MLCC. O trabalho do enfermeiro em unidade de terapia intensiva: sentimentos de sofrimento. Rev Latinoam Enferm. 2009;17(1):52-58.

Preto VA, Pedrão LJ. O estresse entre enfermeiros que atuam em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP 2009;43(4):841-48.

Garanhani ML, Martins JT, Robazzi MLCC, Gotelipe IC. O trabalho de enfermagem em unidade de terapia SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog.2008;4(2):1-15.

Inoue KC, Matsuda LM, Silva DMCC, Uchimura TT, Mathias TAF. Absenteísmo-doença da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Enferm. 2008; 61(2):209-14.

Stumm EMF, Scapin D, Fogliatto L, Kirchner RN,Hildebrandt LM. Qualidade de vida, estresse e repercussões na assistência: equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. Rev Textos Contextos 2009; 8(1):140-55.

Santos FD, Cunha MHF, Robazzi MLCC, Pedrão LJ, Silva LA, Terra FS. O estresse do enfermeiro nas unidades de terapia intensiva adulto: uma revisão da literatura. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2010; 6(1):1-16.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70;2004.

Ministério da Saúde (BR). Resolução CNS nº. 196/96.Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 1996.

Silva GF, Sanchez PG, Carvalho MDB. Refletindo sobre o cuidado de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev Min Enf. 2007;11(1):94-8.

Cruz EJER, Souza NVDO. Repercussões da variabilidade na saúde do enfermeiro intensivista. Rev Eletr Enf. 2008;10(4):1102-13.

Hayashi GK, Matsuda LM. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem de uma Unidade de Terapia Intensiva – Adulto (UTI-A). In: XVIII Encontro Anual de Iniciação Científica; 2009 30 a 2 de Outubro;Londrina, Brasil; 2009.

Leal LM, Silva FRMM, Espíndula BM. Estresse em trabalhadores de unidades de terapia intensiva: como reduzir ou minimizar os riscos? Rev Eletrônica de Enfermagem do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição. 2010; 1(1):1-10.

Barboza JIRA, Moraes EL, Pereira EA, Reimão RNAA. Avaliação do padrão de sono dos profissionais de enfermagem dos plantões noturnos em Unidade de terapia Intensiva. Einstein. 2008;6(3):296-301.

Spindola T. O mundo do CTI sob a ótica da enfermagem.2ª ed. Rio de Janeiro: T. Spindola; 2003.

Schneider CC, Bielemann VLM, Sousa AS, Quadros LCM, Kantorski LP. Comunicação na unidade de tratamento intensivo, importância e limites – visão da enfermagem e familiares. Cienc Cuid Saúde. 2009;8(4):531-9.

Pinho LB, Santos SMA. O relacionamento interpessoal como instrumento de cuidado no hospital geral.Cogitare Enferm. 2007;12(3):377-85.


Texto completo: PDF PDF (English)

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .