O Devir Racial em Anjo Negro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12584

Palavras-chave:

racialidade, identidade, branquitude, resistência, subjetivação.

Resumo

Inspirada em Medeia, tragédia de Eurípedes, Anjo Negro – peça escrita por Nelson Rodrigues em 1946 – conta a trajetória de um casal inter-racial que se põe a velar seu terceiro filho assassinado. Ele, homem negro, médico. Ela, mulher branca, aprisionada pelo marido entre os muros da mansão do casal. Através da escrita dramatúrgica de Rodrigues, buscamos refletir o dispositivo da racialidade e da resistência na produção artística, bem como a produção de subjetividade no país da mítica democracia racial. Quando faltam palavras para pôr em pauta o sofrimento gerado no processo de racialização do sujeito negro, em oposição à branquitude tomada enquanto norma e identidade não racializada, a arte oferece o transbordamento, o movimento e a resistência. Arriscamo-nos em uma análise ensaística, compreendendo a autoria enquanto uma multiplicidade: quem escreve, escreve com muitos, com um período histórico e seus empreendimentos. Assim também lemos Anjo Negro, em busca da compreensão do que a obra comunicou quando produzida e o que hoje representa.

Biografia do Autor

Antônio Lopes Filho, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Psicólogo pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Educador social, ator, diretor artístico e pesquisador em Teatro Social Produções Artísticas. Atua como psicólogo clínico no Núcleo de Ações Criativas em Educação e Saúde (NACES).

Eduardo Steindorf Saraiva, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Psicólogo. Doutor em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pós-doutorado em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor adjunto no Departamento de Ciências da Saúde e do corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação (PPG) Mestrado Profissional em Psicologia, da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Rio Grande do Sul. 

Mozart Linhares da Silva, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), professor do Programa de Pós-graduação em Educação (mestrado e doutorado) e do Departamento de Ciências, Humanidades e Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Líder do Grupo de Pesquisa (CNPq) Identidade e Diferença na Educação). 

Referências

Agamben, G. (2002). Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I. Editora da UFMG.

Agamben, G. (2010). O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Argos.

Cardoso, L. (2017). A branquitude acrítica revisitada e as críticas. In T. M. P Muller & L. Cardoso (Orgs.), Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Appris.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1992). O que é a Filosofia? Editora34.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. Editora 34.

Deleuze, G. (1988). Diferença e Repetição. Graal.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Editora 34.

Deleuze, G. (1999, 27 junho). O ato de criação. Folha de S. Paulo, Caderno Mais!.

Deleuze, G. (2002). Espinosa: Filosofia prática. Editora Escuta.

Duarte, P. (2007). Ensaio de linguagem ou linguagem de ensaio. Viso: Cadernos de Estética Aplicada, 1(1), 53-67. DOI: 10.22409/1981-4062/v1i/31

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas. EDUFBA.

Fernández, M., & Santiago, V. (2019). Anjo negro: As fundações racistas do Estado no Brasil. Latin American Research Review, 54(1), 121-134. Link

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Graal.

Foucault, M. (1998). História da sexualidade II - O uso dos prazeres. Graal.

Gobineau, J. A. (1937). Ensayo sobre la desigualdad de las razas humanas. Editorial Apolo.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística [IBGE]. (2019). Desigualdades sociais por raça ou cor no Brasil. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e socioeconômica, (41), 1-12. Link

Instituto de Segurança Pública da Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro [IJSP-RJ]. (2019). Segurança Pública em Números: Evolução dos principais indicadores de criminalidade e atividade policial no estado do Rio de Janeiro de 2003 a 2019. Link

Lacerda, J. B. de. (1912). Informações prestadas A. S. Ex Ministro da Agricultura Dr. Pedro de Toledo. Papelaria Macedo.

Larrosa, J. (2004). A operação ensaio – sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. Educação e Realidade, 29(1). Link

Lopes, J. S. (2017). “Quase negra tanto quanto quase branca”: Autoetnografia de uma posicionalidade racial nos entremeios. In T. M. P Muller & L. Cardoso (Orgs.), Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Appris.

Magaldi, S. (1997). Panorama do teatro brasileiro (3ª ed.). Global.

Mbembe, A. (2017). Crítica da razão negra. Antígona.

Muller, T. M. P. & Cardoso, L. (Orgs.). (2017). Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Appris.

Nascimento, A. (2016). O genocídio do negro brasileiro: Processo de um racismo mascarado (3ªed.). Perspectiva.

Paula Júnior H. O. (2007). O papel do coro na tragédia grega em Nietzsche. In Anais do Quinto Fórum de Pesquisa Científica em Arte (pp. 129-138). Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

Quevedo, A. (2001). De Foucault a Derrida. Passando fugazmente por Deleuze y Guattari, Lyotard, Baudrillard. EUNSA – Ediciones Universidad de Navarra.

Rodrigues, N. (1981). Anjo negro. In S. Magaldi (Org.), Nelson Rodrigues: Teatro completo. Nova Fronteira.

Silva, M. L. (2017a). População-sacer e democracia racial no Brasil. Sociedade e Estado, 32(3), 593-620. DOI: 10.1590/s0102-69922017.3203003

Silva, M. L. (2017b). Democracia racial e dispositivos de segurança no Brasil: Contribuições para uma educação antirracista. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 15(38), 7-31. Link

Silva, P. E. (2017). O conceito de branquitude: Reflexões para o campo de estudos. In T. M. P Muller & L. Cardoso (Orgs.), Branquitude: Estudos sobre a identidade branca no Brasil. Appris.

Souza, V. (2012). As ideias eugênicas no Brasil: Ciência, raça e projeto nacional no entre-guerras. Revista Eletrônica História em Reflexão, 6(11). Link

Tedesco, S. (2006). As práticas do dizer e os processos de subjetivação. Interação em Psicologia, 10(2). DOI: 10.5380/psi.v10i2.7694

Weschenfelder, V. I., & Silva, M. L. (2018). A cor da mestiçagem: O pardo e a produção de subjetividades negras no Brasil contemporâneo. Análise Social, (227), 308-330. DOI: 10.31447/AS00032573.2018227.03

Downloads

Publicado

23.12.2022

Como Citar

Lopes Filho, A., Saraiva, E. S., & Silva, M. L. da. (2022). O Devir Racial em Anjo Negro . Revista Subjetividades, 22(3), e12584. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12584

Edição

Seção

Estudos Teóricos