Prevalência de sintomas osteomusculares entre professores e suas condições ergonômicas - doi: 10.5020/18061230.2012.p45

Jerônimo Costa Branco, Patrícia Haertel Giusti, Karen Jansen

Resumo


Verificar a prevalência de sintomas osteomusculares e as condições ergonômicas de professores do ensino fundamental. Métodos: Estudo quantitativo, observacional, de caráter
transversal, realizado na cidade de Pelotas-RS, Brasil, no período de novembro a dezembro de 2009. A amostra foi composta por 320 professores de seis escolas. Para realização da pesquisa, utilizou-se um questionário sócio-demográfico, um check-list para avaliação ergonômica, e o questionário nórdico para avaliar os sintomas osteomusculares. Resultados: 287 (89,7%) professores referiram algum sintoma nos últimos 12 meses. As áreas mais
acometidas foram: ombro 177 (61,6%), coluna torácica 173 (60,2%) e coluna cervical 163 (56,7%). Observou-se que a condição ergonômica do local de trabalho é considerada ruim
pelos professores. Conclusão: Encontrou-se alta prevalência de sintomas osteomusculares nos professores da zona urbana de Pelotas, cujas condições ergonômicas durante o trabalho
são insatisfatórias, destacando-se a coluna vertebral como o segmento corporal mais afetado.

Palavras-chave


Engenharia Humana; Docentes; Sistema Musculosquelético; Saúde do Trabalhador; Prevalência

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .