O Lugar do Sofrimento no Discurso da Medicina Biotecnológica Contemporânea

Autores

  • Mariama Augusto Furtado Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Maria Szapiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.16.2.93-104

Palavras-chave:

medicalização, pós-modernidade, saúde, sofrimento.

Resumo

Este estudo teórico pretende analisar o lugar do sofrimento no discurso da medicina biotecnológica contemporânea. Para isso, recuperamos historicamente o processo de construção dos diferentes modos de compreender o sofrimento, analisando o olhar sobre o sofrimento inaugurado pelo discurso médico. Em seguida buscamos compreender as transformações operadas no discurso da medicina anatomopatológica moderna em direção ao que denominamos de medicina biotecnológica. Nessa passagem observamos mudanças no modo de compreender o sofrimento, que devem ser examinadas tomando como referência o contexto de transformações mais amplas em curso na pós-modernidade. É neste contexto que exalta valores ligados à eficiência, produtividade efelicidade que o sofrimento passa a ser visto como uma patologia a ser corrigida. Com efeito, um processo de contínua expansão dos diagnósticos vem trazendo para o campo da psicopatologia comportamentos comuns e estados subjetivos quenão eram concebidos como doença.

Biografia do Autor

Mariama Augusto Furtado, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicóloga Clínica; Especialista em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/ENSP/FIOCRUZ); Mestre em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social/ EICOS/UFRJ; Doutora em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social/ EICOS/UFRJ. Professora Substituta do Departamento de Psicologia Social no Instituto de Psicologia da UFRJ.

Ana Maria Szapiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicanalista; Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio; Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio; Pós-doutora pela Université Paris VIII (Paris, Fr). Professora associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ no Instituto de Psicologia e professora do Programa de pós-graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social, EICOS–UFRJ.

Referências

Agamben, G. (1998). O poder soberano e a vida nua – homo sacer. Lisboa: Editorial Presença.

Aïach, P. (1998) Les voies de la médicalization. Em Aïach, P.; Delanoë, D. L’ére de la médicalisation – Ecce homo sanitas. Paris: Ed. Economica.

Bezerra Jr, B. (2010). A psiquiatria e a gestão tecnológica do bem-estar. Em Freire Filho, J. (org). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade (p. 117-134). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Castel, R. (1987). A gestão dos riscos – da anti-psiquiatria a pós-psicanálise. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves.

Dufour, D-R. (2005). A arte de reduzir as cabeças. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Elias, N. (1993). O processo civilizador: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. Volume II.

Fassin, D. (1998). Avant-propos. Les politiques de la médicalisation. Em Aïach, P.; Delanoë, D. L’ére de la médicalisation – Ecce homo sanitas. Paris: Ed. Economica.

Foucault, M. (2004). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 6a ed.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica. São Paulo; Martins Fontes.

Foucault, M. (2013). História da Loucura: na idade clássica. São Paulo: Perspectiva.

Freud, Z. (1997). O Mal- Estar na Civilização. Rio de Janeiro: Imago Ed. (originalmente publicado em 1930)

Lafontaine, C. (2004). O império cibernético: das máquinas de pensar ao pensamento máquina. Lisboa: Instituto Piaget.

Lyotard, J.F. (1997). Reescrever a Modernidade. Em Lyotard, F. O Inumano - considerações sobre o tempo. Lisboa: Estampa.

Lyotard, J.F. (2006). A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio.

Organização Panamericana da Saúde. (1986) Carta de Ottawa. Disponível em http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Ottawa.pdf. Acesso em 14 de novembro de 2014.

Pedro, R. (2009). Tecnologias da vida: os novos sujeitos. Em Szapiro, A.M. Clínica da pós-modernidade – formas de subjetivação, de violência e de dessimbolização. Rio de Janeiro: Bapera.

Sfez, L. (1996). A saúde perfeita: crítica de uma nova utopia. São Paulo: Edições Loyola.

Szapiro, A.M. (2005). Em tempos de Pós-Modernidade: vivendo a vida saudável e sem paixões. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro: UERJ, 5(1).

Szapiro, A.M. (2009). O imperativo da utilidade, a hegemonia da técnica e seus efeitos sobre o humano. Em Szapiro, A.M (Org.). Clínica da pós-modernidade: formas de subjetivação, de violência e de dessimbolização. Rio de Janeiro: Bapera.

Vergely, B. (2000). O sofrimento. São Paulo: EDUSC.

Wiener, N. (1954). Cibernética e sociedade: o uso humano dos seres humanos. São Paulo: Editora Cultrix.

Downloads

Publicado

05.04.2017

Como Citar

Furtado, M. A., & Szapiro, A. M. (2017). O Lugar do Sofrimento no Discurso da Medicina Biotecnológica Contemporânea. Revista Subjetividades, 16(2), 93–104. https://doi.org/10.5020/23590777.16.2.93-104

Edição

Seção

Estudos Teóricos