O que nos Ensinam os Autistas sobre sua Posição na Linguagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12781

Palavras-chave:

Autismo, Linguagem, Psicanálise

Resumo

Neste artigo, interrogamos o modo particular de uso da linguagem utilizado pelo sujeito autista. Apoiados em leituras de autobiografias de autistas adolescentes e adultos e em fragmentos da escuta de um caso clínico, utilizamos como método de pesquisa a psicanálise aplicada associada à revisão bibliográfica e à construção do caso clínico a partir da recordação de fragmentos da escuta do caso. Fizemos um percurso bibliográfico pelos principais autores que tratam das questões referentes à linguagem no autismo e um percurso por alguns relatos autobiográficos de sujeitos autistas e seu fazer com a enunciação. Concluímos, a partir do caso Luca, que o uso de duas línguas para se expressar, a linguagem técnica sustentada por sua ilha de competência e o uso de neologismos apontam para a dimensão estrutural do autismo. Ou seja, esse sujeito, ao não assentir à incorporação da voz do Outro, para depois recusá-la, demonstra sua dificuldade em estabelecer uma posição de sujeito da enunciação. No entanto, de modo particular, Luca mostra seu modo único de estruturar um saber diante de alíngua para se fazer enunciador.

Biografia do Autor

Radamés Nicolodelli Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas)

Psicólogo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Especialista em “Psicanálise: Clínica com crianças e adolescentes” pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas).

Maria Gláucia Pires Calzavara, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Professora Associada do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e do Programa de Pós-graduação em Psicologia (PPGPSI); Doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais na Faculdade de Educação (UFMG/FAE).

Roberto Pires Calazans, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Psicanalista. Professor Titular do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Doutor em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor do PPGPSI/UFSJ.

Referências

Bayón, P. A. (2020). El autismo, entre lalengua y la letra. Grama.

Bentata, H. (2009). O canto de sereia: Considerações a respeito de uma incorporação frequente da voz materna. Revista Reverso, 31(57), 13-20. Link

Bialer, M. (2017). Autobiografias do autismo. Toro.

Calzavara, M. G. P. (2020). Construção de casos clínicos. In M. G. P. Calzavara (Org.), Clínica psicanalítica: Discussões de casos clínicos atendidos em um serviço de psicologia aplicada (pp. 13-21). Garcia.

Catão, I., & Vivés, J. M. (2011). Sobre a escolha do sujeito autista: Voz e autismo. Estudos de Psicanálise, (36), 83-92. Link

Dunker, C. (2013). Sobre a relação entre teoria e clínica em Psicanálise. In C. Dunker, A psicose na criança: Tempo, linguagem e sujeito (pp. 63-73). Zagodoni.

Figueiredo, A. C. (2004). A construção do caso clínico: Uma contribuição da psicanálise à psicopatologia e à saúde mental. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, 7(1), 75-86. Link

Frayze-Pereira, J. A. (2006). Arte, dor: Inquietudes entre estética e psicanálise. Ateliê Editorial.

Higashida, N. (2014). O que me faz pular. Intrínseca.

Lacan, J. (2005). O Seminário, Livro 10: Angústia (1962-1963). Zahar.

Lacan, J. (2008). O Seminário, Livro 20: Mais, ainda (1972-1973). Zahar.

Laurent, E. (2012). O que nos ensinam os autistas. In: A. Murta, A. Calmon, A., & M. Rosa (Orgs.), Autismo (s) e atualidade: uma leitura lacaniana (pp. 17-44). Scriptum Livros.

Maia, A. M. (2017). As crianças do Um sozinho – A loucura na infância. Revista Latusa, (22), 111-121. Link

Maleval, J. C. (2017). O autista e sua voz. Blucher.

Maleval, J. C. (2018). Da estrutura autística. Revista aSEPHallus de Orientação Lacaniana, 13(26), 4-38. Link

Miller, J. A. (2013). Jacques Lacan e a voz. Opção lacaniana online nova série, 4(11), 1-13. Link

Rabinovitch, S. (2001). O caso Bejahung-Ausstossung. In S. Rabinovitch, A foraclusão: Presos do lado de fora (pp. 23-32). Zahar.

Rezende, A. O. (2021). Entre o abrir e o fechar a janela da escuta. In A. Vorcaro, & A. Mendes (Orgs.), A construção do caso clínico: O efeito-equipe e a prática de vários. CRV.

Sellin, B. (1994). Une âme prisionnière. Robert Laffond.

Silva, B. S., & Calzavara, M. G. (2016). Constituição subjetiva do autismo e da psicose: Aproximações e distanciamentos. Analytica: Revista de Psicanálise, 5(9), 86-99. Link

Soler, C. (2012). Lacan, o inconsciente reinventado. Cia. de Freud.

Toniolo, L. B. (2021). Somo todos confrontados com o muro da linguagem: Breve testemunho sobre furos e costuras. In A. Vorcaro, & A. Mendes (Orgs.), A construção do caso clínico: o efeito-equipe e a prática de vários. CRV.

Vorcaro, A. (2017). Prefácio. In J. C. Maleval, O autista e sua voz. Blucher.

Vorcaro, A. & Mendes, A. (Orgs.) (2021). A construção do caso clínico: O efeito-equipe e a prática de vários. CRV.

Vivés, J. M. (2009). Para introduzir a questão da pulsão invocante. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(2), 329-341. DOI: 10.1590/S1415-47142009000200007

Vivés, J. M. (2013). A voz na psicanálise. Revista Reverso, 35(66), 19-24. Link

Downloads

Publicado

26.12.2022

Como Citar

Silva, R. N., Calzavara, M. G. P., & Calazans, R. P. (2022). O que nos Ensinam os Autistas sobre sua Posição na Linguagem. Revista Subjetividades, 22(3), e12781. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12781

Edição

Seção

Estudos Teóricos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)