Cuidados Paliativos no contexto do Hospital Geral: Desafios do Cuidado Integral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i1.e12495

Palavras-chave:

cuidados paliativos, hospitais gerais, profissionais da saúde, saúde

Resumo

Os cuidados paliativos, como proposta de tratamento integral, representam um desafio para seu desempenho no contexto hospitalar a partir da multiplicidade de fatores envolvidos. Objetivou-se neste estudo caracterizar a dinâmica institucional e relacional dos cuidados paliativos de um hospital geral do Sul do Brasil. Foi realizada pesquisa etnográfica, por meio de observação participante na instituição e registro em diário de campo. Os dados foram organizados e analisados com base na Grounded Theory e auxílio do software ATLAS.ti 7.5. Evidenciou-se um cotidiano hospitalar atravessado pela imprevisibilidade dos acontecimentos vitais, influenciado pelas inter-relações paciente-familiares-equipe, observando-se os corredores do hospital enquanto um espaço singular invisibilizado por seus protagonistas, onde acontecem tanto as tramas relacionais como as conversações profissionais. Tais tramas, imersas no funcionamento hospitalar, evidenciam os desafios do cuidado integral no hospital geral, uma vez que repercutem no modo como os cuidados são desempenhados pelos profissionais, bem como nas reações por parte de pacientes e familiares diante da morte e luto. Entende-se que, diante da complexidade que envolve o hospital geral, o cuidado integral pode ser comprometido, uma vez que nem sempre há a compreensão necessária para o desenvolvimento desses cuidados. Ressalta-se, portanto, a importância do reconhecimento dos fenômenos relativos às experiências de adoecimento, cuidados paliativos, morte no hospital geral e a visibilização das suas relações com a complexidade do contexto.

Biografia do Autor

Cristine Gabrielle da Costa dos Reis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga clínica em instituição hospitalar. Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga. Professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Marina Menezes, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga. Professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Scheila Krenkel, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga clínica. Pós-Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Anne Luisa Nardi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga. Mestre em psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Psicóloga em Instituição Hospitalar.

Referências

Avellar, L. Z., & Ribeiro Neto, P. M. (2018). Etnografia, comunidade e saúde mental. In R. M. S. de Macedo, I. Kublikowski & C. L. O. O. Moré (Orgs.), Pesquisa qualitativa no contexto da família e comunidade: Experiências, desafios e reflexões (pp. 83-96). São Paulo: EDUC.

Braz, M. S., & Franco, M. H. P. (2017). Profissionais paliativistas e suas contribuições na prevenção de luto complicado. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(1), 90-105. DOI: 10.1590/1982-3703001702016

Campos, V. F., Silva, J. M., & Silva, J. J. (2019). Comunicação em cuidados paliativos: Equipe, paciente e família. Revista Bioética, 27(4), 711-718. DOI: 10.1590/1983-80422019274354

Cavalcanti, A. E. S., Netto, J. J. M., Martins, K. M. C., Rodrigues, A. R. M., Goyanna, M. F., & Aragão, O. C. (2018). Percepção de cuidadores familiares sobre cuidados paliativos. Arquivos de Ciências da Saúde, 25(1), 24-28. DOI: 10.17696/2318-3691.25.1.2018.685

Cho, J. Y., & Lee, E. H. (2014). Reducing confusion about grounded theory and qualitative content analysis: Similarities and differences. The Qualitative Report, 19(32), 1-20. DOI: 10.46743/2160-3715/2014.1028

Coelho, A., & Barbosa, A. (2017). Family anticipatory grief: An integrative literature review. American Journal of Hospice & Palliative Medicine, 34(8), 774-785. DOI: 10.1177/1049909116647960

Cordeiro, F. R. (2017). O retorno ao domicílio em cuidados paliativos: Interface dos cenários brasileiro e francês. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Link

Dzierżanowski, T., Gradalski, T., & Kozlowsk, M. (2020). Palliative Performance Scale: Cross cultural adaptation and psychometric validation for Polish hospice setting. BMC Palliative Care, 19(1), 1-6. DOI: 10.1186/s12904-020-00563-8

Götze, H., Brähler, E., Gansera, L., Polze, N., & Köhler, N. (2014). Psychological distress and quality of life of palliative cancer patients and their caring relatives during home care. Support Care Cancer, 22, 2775-2782. DOI: 10.1007/s00520-014-2257-5

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas [IBGE]. (2020). Pesquisa Nacional de Saúde. Link

International Association for Hospice and Palliative Care [IAHPC]. (2018). Global Consensus based palliative care definition. Link

Kovács, M. J. (2003a). Educação para a morte: Temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M. J. (2003b). Educação para morte: Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Maciel, M. G. S. (2012). Organização de serviços de cuidados paliativos. In R. T. Carvalho & H. A. Parsons (Orgs.), Manual de Cuidados Paliativos ANCP (2ª ed., pp. 94-110). Porto Alegre, RS: Sulina.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). São Paulo: Hucitec.

Ministério da Saúde do Brasil [MS]. (2018). Hospitais de ensino. Link

Montenegro, L. C., Rénno, H. M. S., Caram, C. S., & Brito, M. J. M. (2016). Problemas éticos na prática de profissionais de saúde em um hospital escola. Avances en Enfermería., 34(3), 226-235. DOI: 10.15446/av.enferm.v34n3.45590

Moré, C. L. O. O., Crepaldi, M. A., Gonçalves, J. R., & Menezes, M. (2009). Contribuições do pensamento sistêmico à prática do psicólogo no contexto hospitalar. Psicologia em Estudo, 14(3), 465-473. DOI: 10.1590/S1413-73722009000300007

Reis, L. C. C., Gabarra, L. M., & Moré, C. L. O. O. (2016). As repercussões do processo de internação em UTI adulto na perspectiva de familiares. Temas em Psicologia, 24(3), 815-828. DOI: 10.9788/TP2016.3-03

Rodrigues, L. F. (2012). Modalidade de atuação e modelos de assistência em cuidados paliativos. In R. T. Carvalho & H. A. Parsons (Orgs.), Manual de Cuidados Paliativos ANCP (2a ed., pp. 86-93). Porto Alegre, RS: Sulina.

Rolland, J. S. (1990). Anticipatory loss: A family systems developmental framework. Family Process, 29, 229-244. DOI: 10.1111/j.1545-5300.1990.00229.x

Rolland, J. S. (2001). Doença crônica e o ciclo de vida familiar. In B. Carter & M. McGoldrick (Eds.), As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (2ª ed., pp. 393-408). Porto Alegre: Artmed.

Rolland, J. S. (2016). Enfrentando os desafios familiares em doenças graves e incapacidade. In F. Walsh (Ed.), Processos normativos da família: Diversidade e complexidade (4ª ed., pp. 452-482). Porto Alegre: Artmed.

Saunders, C. (2001). The evolution of palliative care. Journal of the Royal Society of Medicine, 94(9), 430-432. DOI: 10.1177/014107680109400904

Silva, C. F., Souza, D. M., Pedreira, L. C., Santos, M. R., & Faustino, T. N. (2013). Concepções da equipe multiprofissional sobre a implementação dos cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2597-2604. DOI: 10.1590/S1413-81232013000900014

Sluzki, C. E. (1997). A rede social na prática sistêmica: Alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

World Health Organization [WHO]. (2002). National cancer control programmes: Policies and managerial guidelines (2ª ed.). Geneva: World Health Organization.

Downloads

Publicado

29.04.2022

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa