Artista invasor

Autores

  • Geísa Mattos
  • Nardélia Martins

DOI:

https://doi.org/10.5020/23180714.2007.22.1.%25p

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de apontar perspectivas para o entendimento de como um falso artista japonês ganhou vida nos dois principais jornais de Fortaleza. Inicia-se com uma discussão acerca do papel do release nas rotinas jornalísticas atuais. Para desenvolver a análise, estuda-se o caso a partir da noção de ‘campo artístico’, de Bourdieu (2003), que inspirou o artista na sua iniciativa, e de ‘simulacro’, de Jean Baudrillard (1991). O recorte teórico-metodológico desta pesquisa se faz em torno do estudo da linguagem e da estrutura do release utilizado para a divulgação da exposição do “artista japonês”. A partir deste foco se procura perceber os códigos do jornalismo cultural e dos demais agentes que contribuem nos processos de legitimação dos sentidos da arte na contemporaneidade. Palavras-Chave: Jornalismo Cultural. Arte Contemporânea. Release. Significados da Arte. Rotinas jornalísticas.

Biografia do Autor

Geísa Mattos

Geísa Mattos (geisamattos@bol.com.br), graduada em Comunicação Social (UFC), com Mestrado e Doutorado em Sociologia (UFC), é professora do Curso de Jornalismo da Unifor desde 2003. Endereço: Rua Eduardo Garcia, 888/apto. 1902. Aldeota. Fortaleza-Ceará. CEP 60.150.100.

Nardélia Martins

Nardélia Martins (nardeliamartins@yahoo.com.br) é graduada em Jornalismo pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Este trabalho foi originado a partir de sua monografia de graduação intitulada “Caso Souzousareta Geijutska: o release como estratégia contra a imprensa”, defendida em dezembro de 2007, sob a orientação da Profa Geísa Mattos.

Como Citar

Mattos, G., & Martins, N. (2010). Artista invasor. Revista De Humanidades, 22(1). https://doi.org/10.5020/23180714.2007.22.1.%p

Edição

Seção

Artigos