De que Substância é Feito o Amor? A Construção da Conjugalidade em Guimarães Rosa

Autores

  • Fabio Scorsolini Comin Universidade Federal do Triângulo Monieiro (UFTM)
  • Manoel Antônio dos Santos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.14.1.17-28

Palavras-chave:

Amor, relações conjugais, Transmissão psíquica entre gerações, Psicanálise e literatura, Guimarães Rosa.

Resumo

Este estudo tem como objetivo discutir o processo de construção do vínculo amoroso/conjugal por meio da análise do conto Substância, do livro Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa, publicado em 1962, compreendendo a influência da escolha amorosa no modo de subjetivação das personagens principais, Sionésio e Maria Exita. O conto foi discutido em profundidade a partir de uma leitura psicanalítica sobre a conjugalidade e a transmissão psíquica intergeracional. Os laços afetivos de Maria com sua família são marcados pela negatividade, ancorados pela possibilidade de transmissão de tradições pecaminosas, transgressoras e mórbidas. Com o passar do tempo, ela vai deixando de ser uma menina franzina para se tornar uma bela mulher, despertando o amor de Sionésio. A partir do momento em que este se permite olhar para a essência de Maria Exita (ou a sua substância, para além do polvilho), são criadas as condições para que ocorra o encontro amoroso, que irá preencher o vazio da vida de Sionésio. As memórias e medos que os assombravam são mitigados pelo alvor do polvilho macerado na laje, em um processo de transformação da substância que une o casal: o sentimento amoroso. Assim, a conjugalidade ocupa um importante papel na transformação identitária dos personagens, alcançada pelo reconhecimento do outro como disparador do movimento de reorganização psíquica. Palavras-chave: Amor, relações conjugais, Transmissão psíquica entre gerações, Psicanálise e literatura, Guimarães Rosa.

Downloads

Publicado

26.11.2014

Como Citar

Comin, F. S., & Santos, M. A. dos. (2014). De que Substância é Feito o Amor? A Construção da Conjugalidade em Guimarães Rosa. Revista Subjetividades, 14(1), 17–28. https://doi.org/10.5020/23590777.14.1.17-28

Edição

Seção

Artigos