O Impacto das Exigências de Excelência Científica na Saúde de Pesquisadoras PQ/CNPq da Psicologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12588

Palavras-chave:

gênero, ciência, processo saúde-doença, bolsistas PQ, psicologia

Resumo

Objetivou-se discutir os efeitos das exigências da excelência científica na saúde das bolsistas PQ/CNPq da psicologia. Utilizou-se questionário on-line aplicado a uma amostra não probabilística de 85 mulheres, dentre as 204 bolsistas PQ/CNPq cadastradas no sistema e entrevistas remotas com 24 delas. As pesquisadoras identificam processos de adoecimento em razão das exigências do trabalho acadêmico e de pesquisa. Consideram que sustentar a carreira científica em nível de excelência em um contexto machista, patriarcal, desigual e precarizado reverbera negativamente na saúde. As mulheres, diferentemente dos pesquisadores homens, precisam lidar cotidianamente com o sexismo institucionalizado, com a discriminação e as hierarquias de poder nas universidades e instituições de pesquisa. Além disso, com as responsabilidades domésticas e familiares que ainda estão fortemente associadas às mulheres na cultura machista que impregna a sociedade brasileira. Esses fatores as tornam mais vulneráveis ao sofrimento e adoecimento. Percebe-se que as exigências acadêmicas se articulam às desigualdades de gênero, criando um ambiente propício à expansão dos gradientes de vulnerabilidade e intensificação do sofrimento psíquico, bem como de adesão das mulheres à racionalidade individualizante hegemônica que desconecta a produção de adoecimento do gerenciamento da vida e das imposições de gênero.

Biografia do Autor

Rocelly Dayane Teotonio da Cunha, Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNIRN)

Doutora em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professora do curso de Psicologia do Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNIRN).

Magda Diniz Bezerra Dimenstein, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Bolsista PQ/CNPq 1-A

Candida Maria Bezerra Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

Araújo, T. M., Pinho, P. S., & Masson, M. L. V. (2019). Trabalho e saúde de professoras e professores no Brasil: Reflexões sobre trajetórias das investigações, avanços e desafios. Cadernos de Saúde Pública, 35(Suppl. 1), e00087318. DOI: 10.1590/0102-311x00087318

Bandeira, L. (2008). A contribuição da crítica feminista à ciência. Revista Estudos Feministas, 16(1), 207-228. DOI: 10.1590/S0104-026X2008000100020

Barros, S. C. V., & Mourão, L. (2019). Desenvolvimento na carreira de bolsistas produtividade: Uma análise de gênero. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 71(2), 68-83. Link

Barros, S. C. V., & Mourão, L. (2020). Trajetória profissional de mulheres cientistas à luz dos estereótipos de gênero. Psicologia em Estudo, 25, e46325. DOI: 10.4025/psicolestud.v25i0.46325

Bellini, D. M. G. (2018). Violência contra mulheres nas universidades: Contribuições da produção científica para sua superação (Scielo e Web of Science 2016 e 2017) [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos]. UFSCar: Repositório Institucional UFSCar. Link

Borsoi, I. C. F., & Pereira, F. S. (2013). Professores do ensino público superior: Produtividade, produtivismo e adoecimento. Universitas Psychologica, 12(4), 1213-1235. Link

Campos, T., Véras, R. M., & Araújo, T. M. (2020). Trabalho docente em universidades públicas brasileiras e adoecimento mental: Uma revisão bibliográfica. Revista Docência do Ensino Superior, 10, 1-19. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.15193

Costa, C. F., & Silva, S. M. G. (2019). Novo neoliberalismo acadêmico e o ensino superior no Brasil. REAd, Revista Eletrônica de Administração, 25(3), 6-35. DOI: 10.1590/1413-2311.251.89569

Costa, D. L. (2016). Análise da relação entre saúde mental e trabalho de docentes universitários [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. UFRN: Repositório Institucional UFRN. Link

Costa, L. S. T., Gil-Monte, P. R., Possobon, R. F., & Ambrosano, G. M. B. (2013). Prevalência da Síndrome de Burnout em uma amostra de professores universitários brasileiros. Psicologia Reflexão Crítica, 26(4), 636-642. DOI: 10.1590/S0102-79722013000400003

D’Oliveira, A. F. (2019). Invisibilidade e banalização da violência contra as mulheres na universidade: Reconhecer para mudar. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 23, e190650. DOI: 10.1590/interface.190650

Del Priore, M. (2009). Ao sul do corpo. Condição feminina e mentalidade no Brasil Colônia. Unesp.

Fiuza, L. H. S. (2019). Saúde mental de estudantes universitários: “Tecnologias Leves em Saúde” como instrumento de cuidado [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. UFMG. Link

Gaskell, G. (2018). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (13ª ed., pp. 64-89). Editora Vozes.

Goulart, M. S. B., & Antunes, J. C. (2020). Professores: Sofrimento mental na universidade pública. Trabalho & Educação, 29(3), 95-112. DOI: 10.35699/2238-037X.2020.21962

Han, B. (2017). Sociedade do cansaço (2ª ed.). Vozes.

Harding, S. (1996). Ciencia y feminismo. Ediciones Morata.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2020). Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua: Outras formas de trabalho 2019. Link

Kastrup, V. (2010). Pesquisar, formar, intervir. In Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (Org.), Anais do XIII Simpósio de Pesquisa e Intercâmbio Científico em Psicologia - Pesquisa em psicologia: formação, produção e intervenção. (pp. 172-186). Link

Lima, B. S. (2013). O labirinto de cristal: As trajetórias das cientistas na Física. Revista Estudos Feministas, 21(3), 883-903. DOI: 10.1590/S0104-026X2013000300007

Macêdo, S. (2020). Ser mulher trabalhadora e mãe no contexto da pandemia COVID-19: Tecendo sentidos. Revista do NUFEN, 12(2), 187-204. Link

Maito, D. C. (2017). Parâmetros teóricos e normativos para o enfrentamento à violência contra as mulheres na Universidade de São Paulo [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. USP: Biblioteca Digital USP. Link

Malpighi, V. C. S., Barreyro, L. A. L., Marigliano, R. X., & Leopoldo, K. (2020). Negritude feminina no Brasil: Uma análise com foco na educação superior e nos quadros executivos empresariais. Revista Psicologia Política, 20(48), 325-338. Link

Martins, R. M. (2007). O indicativo da incidência Burnout em professores do ensino superior: Como prevenir ou remediar? [Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Itajaí]. UNIVALI: Biblioteca Virtual. Link

Minayo, M. C. S., & Costa, A. P. (2018). Fundamentos teóricos das técnicas de investigação qualitativa. Revista Lusófona de Educação, 40(40). Link

Moura, J. S., Ribeiro, J. C. O. A., Castro Neta, A. A., Nunes, C. P. (2019). A precarização do trabalho docente e o adoecimento mental no contexto neoliberal. Profissão Docente, 19(40), 1-17. DOI: 10.31496/rpd.v19i40.1242

Neme, G. G. S., & Limongi, J. E. (2020). O trabalho docente e a saúde do professor universitário: Uma revisão sistemática. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 16, 1-10. DOI: 10.14393/Hygeia16049861

Oksala, J. (2013). Feminism and neoliberal governmentality. Foucault Stud, 16, 32-53. DOI: 10.22439/fs.v0i16.4116

Oliveira, A. S. D., Pereira, M. S., & Lima, L. M. (2017). Trabalho, produtivismo e adoecimento dos docentes nas universidades públicas brasileiras. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 609-619. DOI: 10.1590/2175-353920170213111132

Parent in Science. (2020). Produtividade acadêmica durante a pandemia: Efeitos de gênero, raça e parentalidade. Link

Pinheiro, J. M. (2020). Os discursos do adoecimento no Brasil: Uma problematização do endividamento docente [Tese de Doutorado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos]. Unisinos: Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos (RDBU). Link

Rago, M. (2019). “Estar na hora do mundo”: Subjetividade e política em Foucault e nos feminismos. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 23, e180515. DOI: 10.1590/interface.180515

Ribeiro, L. H. (2015). Ambiente sonoro e qualidade de vida vocal de professores universitários [Dissertação de Mestrado, Universidade de Tuiuti do Paraná]. UTP. Link

Rosa, B. S., Barbosa, M. C., Pavani, D. B., Costa, A. B., Nardi, H. C., & Brito, C. (2020). Pesquisa sobre percepção de assédio moral e sexual relativo a gênero na UFRGS. UFRGS. Link

Sanchez, H. M., Sanchez, E. G. M., Barbosa, M. A., Guimarães, E. C., & Porto, C. C. (2019). Impacto da saúde na qualidade de vida e trabalho de docentes universitários de diferentes áreas de conhecimento. Ciência & Saúde Coletiva, 24(11), 4111-4123. DOI: 10.1590/1413-812320182411.28712017

Seabra, M. M. A., & Dutra, F. C. M. S. (2015). Intensificação do trabalho e percepção da saúde em docentes de uma Universidade pública Brasileira. Ciencia & Trabajo, 17(54), 212-218. DOI: 10.4067/S0718-24492015000300010

Souza, K. R., Mendonça, A. L. O., Rodrigues, A. M. S., Felix, E. G., Teixeira, L. R., Santos, M. B. M., & Moura, M. (2017). A nova organização do trabalho na universidade pública: Consequências coletivas da precarização na saúde dos docentes. Ciência & Saúde Coletiva, 22(11), 3667-3676. DOI: 10.1590/1413-812320172211.01192016

Staniscuaski, F., Reichert, F., Werneck, F. P., Oliveira, L., Mello-Carpes, P. B, Soletti, R. C., Almeida, C. I., Zandona, E., Ricachenevsky, F. K., Neumann, A., Schwartz, I. V. D., Tamajasuku, A. S. K., Seixas, A., & Kmetzschan, L. (2020). Impact of COVID-19 on academic mothers. Science, 368(6492), 724. DOI: 10.1126/science.abc2740

Tabak, F. (2002). O Laboratório de Pandora: Estudos sobre a ciência no feminino. Garamond.

Valentova, J. V., Otta, E., Silva, M. L., & McElligott, A. G. (2017). Underrepresentation of women in the senior levels of Brazilian science. PeerJ, 5, e4000. DOI: 10.7717/peerj.4000

Velho, L. (2006). Prefácio. In L. W. Santos, E. Y. Ichikawa, & D. F. Cargano (Orgs.), Ciência, tecnologia e gênero: Desvelando o feminino na construção de conhecimento (pp. 13-18). IAPAR.

Vergès, F. (2020). Um feminismo decolonial. Ubu Editora.

Zanello, V. (2014). A saúde mental sob o viés de gênero: Uma leitura gendrada da epidemiologia, da semiologia e da interpretação diagnóstica. In V. Zanello, & A. P. M. Andrade (Orgs.), Saúde mental e gênero: Diálogos, práticas e interdisciplinaridade (pp. 41-58). Appris.

Zanello, V. (2018). Saúde mental, gênero e dispositivos: Cultura e processos de subjetivação. Appris.

Zanello, V. & Silva, R. M. C. (2012). Saúde mental, gênero e violência estrutural. Revista bioética, 20(2), 267-279. Link

Downloads

Publicado

26.12.2022

Como Citar

Cunha, R. D. T. da ., Dimenstein, M. D. B., & Dantas, C. M. B. . (2022). O Impacto das Exigências de Excelência Científica na Saúde de Pesquisadoras PQ/CNPq da Psicologia. Revista Subjetividades, 22(3), e12588. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12588

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)