Supervisão de Estágio na Clínica-Escola: Leituras sobre a Escuta Psicanalítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i1.e11929

Palavras-chave:

psicanálise, universidade, clínica-escola, supervisão

Resumo

As universidades e as clínicas-escola se apresentam como espaços potenciais de transmissão da Psicanálise e da realização de estágios supervisionados orientados por essa perspectiva. No presente artigo, estabelece-se a investigação da prática do estágio realizado na clínica-escola a partir da Psicanálise. Para tanto se recorreu à análise de autores que problematizam pressupostos teóricos e metodológicos a partir de supervisões realizadas na clínica-escola. Entendemos que a prática do estágio que envolve os atendimentos e a supervisão pode promover um trabalho psíquico de elaboração em relação aos acontecimentos e a implicação subjetiva na aprendizagem, o desejo de saber dos envolvidos. Assim, a clínica-escola, ao ser tomada como espaço de problematização e de possibilidade de inovação e abertura para transformações, permite revisitar conceitos fundamentais da teoria psicanalítica, assim como repensar os lugares e a atuação dos profissionais em formação.

Biografia do Autor

Gustavo Angeli, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicólogo, doutorando em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá. Docente do curso de Psicologia no Centro Universitário de Brusque – UNIFEBE.

Mériti de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Psicóloga, professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Psicologia Clinica na PUCSP. Pós-doutorado na Unesp. Pós-doutorado no Centro de Estudos Sociais – Universidade de Coimbra.

Referências

Conselho Federal de Psicologia [CFP]. (2013). Carta de serviços sobre estágios e serviços-escola. Brasília: CFP.

Dunker, C. I. L. (2018). Lógica e ética da supervisão: a construção do caso clínico. In M. L. T Moretto & D. Kupermann (Orgs.), Supervisão: A formação clínica na psicologia e na psicanálise (pp. 15-30). São Paulo: Zagodoni: FAFESP.

Freud, S. (1996a). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 123-136). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1912)

Freud, S. (1996b). Sobre o início do tratamento. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 137-160). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1913)

Freud, S. (1996c). Linhas de progresso na terapia psicanalítica. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 17, pp. 171-184). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1919)

Freud, S. (2010a). Observações sobre o amor de transferência. In Obras Completas (Vol. 10, pp. 210-228). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1915)

Freud, S. (2010b). Deve-se ensinar a psicanálise nas universidades? In Obras Completas (Vol. 14, pp. 377-381). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (2016). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In Obras Completas (Vol. 6, pp. 13-172). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1905)

Kupermann, D. (2018). O Chiaroscuro da supervisão psicanalítica. In M. L. T Moretto & D. Kupermann (Orgs.), Supervisão: A formação clínica na psicologia e na psicanálise (pp. 31-44). São Paulo: Zagodoni: FAFESP.

Kupfer, M. C. (1989). Freud e a educação: O mestre do impossível. São Paulo: Ed. Scipione.

Laplanche, J. (1992). Novos Fundamentos para a Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

Laplanche, J. (2015). Sexual: A sexualidade ampliada no sentido freudiano 2000-2006. Porto Alegre: Dublinense.

Laplanche, J., & Pontalis, J. B. (2001). Vocabulário da psicanálise (4a ed., D. Lagache, Direção; P. Tamen, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Lei nº 4.119, de 27 de agosto de 1962. (1962, 17 de dezembro). Dispõe sobre os cursos de formação em Psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Diário Oficial da União. Link

Naves, J. O. V., & Souza, M. (2012). Causalidade, descontínuo, dor: Caminhos da bala perdida e da mega-sena. Fractal: Revista de Psicologia, 24(2), 367 384. DOI: 10.1590/S1984-02922012000200011

Parecer nº 403/62 do Conselho Federal de Educação [CFE]. (1962, 19 de dezembro). Brasília: Ministério da Educação. Link

Priszkulnik, L. (2018). Supervisão: Um percurso de experiências singulares e inesperadas. In M. L. T Moretto, & D. Kupermann (Orgs.), Supervisão: A formação clínica na psicologia e na psicanálise (pp. 79-86). São Paulo: Zagodoni: FAFESP.

Quinet, A. (2009). As 4 + 1 condições da análise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Rotstein, E., & Bastos, A. (2011). A concepção freudiana de experiência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(3), 371-380. DOI: 10.1590/S0102-37722011000300013

Souza, M. (2004). Fios e furos: A trama da subjetividade e a educação. Revista Brasileira de Educação, (26), 119-132. DOI: 10.1590/S1413-24782004000200010

Downloads

Publicado

29.04.2022

Edição

Seção

Estudos Teóricos