Contato Interpessoal com Homossexuais e Crenças sobre a Adoção Homoparental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5991

Palavras-chave:

adoção, homossexualidade, preconceito

Resumo

O presente estudo objetivou investigar a relação entre o contato interpessoal com homossexuais e as crenças sobre a adoção por casais do mesmo sexo. A hipótese principal do estudo foi de que os sujeitos com maior nível de contato interpessoal apresentam características mais favoráveis à homoparentalidade. Utilizou-se instrumento de caráter quantitativo, exploratório e analítico (survey com desenho quase-experimental) através de coleta on-line, da qual participaram 732 indivíduos, os quais foram direcionados aleatoriamente para um de três cenários com histórias acerca de casais adotantes (heterossexuais, gays e lésbicas). Os participantes responderam questionário sociodemográfico, sucedido de instrumentos sobre religiosidade e espiritualidade, posicionamento político e crenças sobre homossexualidade. A análise dos dados encontrou relação estatisticamente significativa entre as variáveis intensidade do contato e adoção homoparental. Verificou-se que os participantes foram mais favoráveis à adoção quando o casal adotante era formado por heterossexuais, seguido de lésbicas, com maior rejeição para os gays. Discute-se o impacto se medidas de apoio à diversidade e incentivo à adoção por casais homoafetivos fossem garantidas.

Biografia do Autor

Elder Cerqueira-Santos, UFS

Pós-Doutorado pela University of Toronto (Canada), Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul / University of Nebraska - USA (2008) e Mestre em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Sergipe (2000). Consultor da Childhood Foundation (WCF). Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Sergipe e colaborador do PPG Psicologia da Universidade de Fortaleza. Tem experiência na área de Psicologia Positiva, com ênfase em Desenvolvimento Social e da Personalidade, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento da criança e do adolescente, sexualidade e religiosidade. Pesquisador Produtividade do CNPq e líder do grupo de pesquisa CNPq Psicologia do desenvolvimento e da personalidade: investigações em contextos culturais. Coordenador do SexUS-UFS. Foi coordenador do Núcleo de Pós-Graduação em Psicologia Social da UFS (2011 a 2013). Diretor-Tesoureiro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP 2012-2014 e 2014-2016). Editor da Revista Clínica & Cultura. Regional Coordinator (Brasil) for International Society for the Study of Behavorial Development - ISSBD. Diretor Secretário da ABPD (2016 a 2018) Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento

Bruno de Brito Silva, UFS

Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), com período sanduíche na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Psicólogo pela Universidade Federal de Sergipe (2014). Pesquisador do Núcleo de Pesquisa Dinâmica das Relações Familiares (UFRGS) e do Grupo de Pesquisa em Sexualidade Humana da Universidade Federal de Sergipe - SexUS UFS. Desenvolve pesquisas na área da Psicologia, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento e Social, com foco em Sexualidade Humana, Apoio social, Vulnerabilidade Pessoal e Social- Fatores de Risco e de Proteção para a população LGBT, Travestilidades e Transexualidades. Tem interesse na área de Gênero e Sexualidade Humana, Psicologia Clínica, Terapia de Casal e Família, Psicologia Social e da Saúde, Avaliação Psicológica, Psicometria e Psicologia Positiva.

Hênio dos Santos Rodrigues, UFS

Possui graduação em Educação Física Licenciatura pela Universidade Tiradentes (2011). Discente do curso de Psicologia pela Universidade Federal de Sergipe. Atuou em grupos de pesquisa desde 2012, inicialmente como pesquisador voluntário no grupo de pesquisa Relações Sociais e Contextos Urbanos trabalhando com a temática Identidade Social por período de um ano. Foi pesquisador voluntário em Psicologia Organizacional onde participou do processo de confecção de uma nova medida para mensuração de precarização no emprego, vindo a ser efetivado como bolsista Cnpq/Capes onde participou do processo de refinamento da medida elaborada anteriormente.Foi membro do grupo SeXus, participando de pesquisas com a temática homofobia e suas vertentes, adoção e homoparentalidade.

Ludgleydson Fernandes Araújo, UFPI

Psicólogo, Doutor em Psicologia pela Universidad de Granada (Espanha) com período sanduíche na Università di Bologna (Itália), Mestre em Psicologia e Saúde pela Universidade de Granada (Espanha), Mestre em Psicologia Social e Especialista em Gerontologia pela UFPB. Professor orientador do Programa de Pós-Graduação (Stricto Sensu) em Psicologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Participa do GT da ANPEPP "Relações Intergrupais: Preconceito e Exclusão Social". Faz parte do Conselho Editorial da revista Kairós (PUC/SP) e da EDUFRO. Também tem sido revisor ad hoc de periódicos nacionais e internacionais: Ageing & Society; Aging & Mental Health; Psychology, Health & Medicine; The International Journal of Aging and Human Development, British Journal of Education, Society & Behavioural Science, AIDS Care, The Spanish Journal of Psychology, Journal of AIDS and Clinical Research, International Research Journal of Arts and Social Sciences (IRJASS), Psychosocial Intervention, Journal of Global Research in Education and Social Science, Journal of Health & Biological Sciences, Psicologia e Sociedade, Psicologia: Reflexão e Crítica/Psychology, Psicologia: Ciência e Profissão, Psicologia em Estudo, Psicologia: Teoria e Pesquisa, Estudos e Pesquisas em Psicologia (UERJ), Psicologia e Saber Social, Temas em Psicologia, Revista Brasileira de Psicologia e Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. Tem pautado sua atuação no âmbito do ensino, pesquisa e extensão principalmente nos seguintes temas: Psicologia Social, Psicologia do Envelhecimento e Psicogerontologia, Idosos, Aspectos Psicossociais das Drogas, Aspectos Psicológicos da Prevenção ao HIV/AIDS, Homoparentalidade, Homofobia e Resiliência. ORCID ID: orcid.org/0000-0003-4486-7565; Researcher ID: E-5232-2015

Referências

Allport, G. W. (1954). The nature of prejudice. Cambridge: Perseus Books. 1979.

Ariés. P. (1981). História Social da Criança. Rio de Janeiro: LTC, 2ª ed.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: O mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Brasil, Projeto de Lei nº. 1152/1995 (1995). Disciplina a união civil entre pessoas do mesmo sexo e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=16329>. Acesso em 03 de outubro de 2016.

Brasil, Ação Direta de Inconstitucionalidade (Med. Liminar) 4277-7. (2011). Diário Oficial da União. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal. Disponível em http://www.stf.jus.br/portal/peticaoInicial/verPeticaoInicial.asp?base=ADIN&s1=4277&processo=4277. Acesso em: 03 de setembro 2016.

Cecílio, M. S., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2013). Produção científi ca sobre adoção por casais homossexuais no contexto brasileiro. Estudos de Psicologia (Natal), 18 (3), 507-516. doi:10.1590/S1413-294X2013000300011

Cerqueira-Santos, E., &, Santana, G. (2015). Adoção Homoparental e Preconceito: Crenças de Estudantes de Direito e Serviço Social. Temas em Psicologia, 23 (4), 873-885. doi: 10.9788/TP2015.4-06

Cerqueira-Santos, E., Koller, S., Wilcox., B. (2008). Condom use, contraceptive methods and religiosity among youths of low socioeconomic level. Spanish Journal of Psychology, 11(1), ISSN: 1138-7416

Cerqueira-Santos, E., Winter, F. S., Salles, L. A., Longo, J. L., & Teodoro, M. L. M. (2007). Contato interpessoal e crenças sobre homossexualidade: Desenvolvimento de uma escala. Interação em Psicologia, 11 (2), 221-229. doi: 10.5380/psi.v11i2.6639.

Costa, P. A., Caldeira, S., Fernandes, I., Rita, C., Pereira, H., & Leal, I. (2013). Atitudes da população portuguesa em relação à homoparentalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26 (4), 790-798. doi:10.1590/S0102-79722013000400020

Costa, P. A., Pereira, H., & Leal, I. (2015). "The Contact Hypothesis" and Attitudes Toward Same-Sex Parenting”. Sexuality Research and Social Policy, 12 (2), 125-136. doi: 10.1007/s13178-014-0171-8

Estatuto da Criança e do Adolescente. (1990, 27 set.). Lei N° 8.069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União. Recuperado em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Féres-Carneiro, T. (1997). A escolha amorosa e interação conjugal na heterossexualidade e na homossexualidade. Psicologia: Reflexão e Critica, 10 (2), 351-368. doi: 10.1590/S0102-79721997000200012

Lau, H., Lau, C.Q., & Loper, K. (2015). Public Opinion in Hong Kong about Gays and Lesbians: The Impact of Interpersonal and Imagined Contact. International Journal of Public Opinion Research, 26 (3), 301-322. doi: 10.1093/ijpor/edu016

Linville, P. W. & Jones, E. E. (1980) Polarized appraisals of out-group members. Journal of Personality and Social Psychology, 38(5), 689. doi. 10.1037/0022-3514.38.5.689

Loehr, A., Doan, L & Miller, L. (2015). The Role of Selection Effects in the Contact Hypothesis: Results from a US National Survey on Sexual Prejudice. Archives of Sexual Behavior, 44(8), 2111-2123. doi: 10.1007/s10508-015-0483-7

Meyer, I. H. (2003). Prejudice, social stress, and mental health in lesbian, gay, and bisexual populations: Conceptual issues and research evidence. Psychological Bulletin, 129, 674-697. doi: 10.1037/0033-2909.129.5.674

Patterson, C.J. (2000). Family relationships of lesbians and gay men. Journal of Marriage and Family, 62, 1052- 1069. doi: 10.1111/j.1741-3737.2000.01052.x

Patterson, C.J. (2004a). Lesbian and gay parents and their children: Summary of research findings. In: Lesbian and gay parenting: A resource for psychologists. Washington, DC: American Psychological Association.

Patterson, C. J. (2004b). Gay fathers. In M. E. Lamb (Ed.), The role of the father in child development (4th Ed.). New York: John Wiley.

Patterson, C. J. (2006). Children of lesbian and gay parents. Current Directions in Psychological Science, 15, 241-244. doi:10.1111/j.1467-8721.2006.00444.x

Patterson, C. J., Fulcher, M., & Wainright, J. (2002). Children of lesbian and gay parents: Research, law, and policy. In B. L. Bottoms, M. B. Kovera, and B. D. McAuliff (Eds.), Children, Social Science and the Law, 176 - 199. New York: Cambridge University Press.

Perrin, E. C., Committee on Psychosocial Aspects of Child and Family Health (2002). Technical Report: Coparent or second-parent adoption by same-sex parents. Pediatrics, 109, 341 - 344. doi: 10.1542/peds.109.2.341

Pettigrew, T. F., & Tropp, L. R. (2006). A meta-analytic test of intergroup contact theory. Journal of Personality and Social Psychology, 90, 751–783. doi: 10.1037/0022-3514.90.5.751

Pollock, L., & Eyre, S. L. (2012). Growth into manhood: identity development among female-to-male transgender youth. Culture, Health & Sexuality, 14 (2), 209–222. doi: 10.1080/13691058.2011.636072

Rosa, J. M., Melo, A. K., Boris, G. D. J. B., & Santos, M. A. D. (2016). A Construção dos Papéis Parentais em Casais Homoafetivos Adotantes. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(1), 210-223. doi:10.1590/1982-3703001132014

Resolução nº 466 do Conselho Nacional de Saúde de 12 de Dezembro de 2012 (Br) [Internet] Aprovada as diretrizes envolvendo pesquisas com seres humanos. Diário Oficial Da União. 13 de Junho de 2013. Acesso em: 03 de setembro de 2016.

Silva, B. B., & Cerqueira-Santos, E. (2014). Apoio e Suporte social na Identidade social de travestis, transexuais e transgêneros. SPAGESP, Revista da- Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo- SPAGESP, 15 (2), São Paulo, SP, 27-44. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702014000200004. Acesso em: 03 de outubro de 2016.

Stacey, J., & Biblarz, T.J. (2001). (How) Does sexual orientation of parents matter? American Sociological Review, 65, 159-183.

Smith, S.J., Axelton, A. M., & Saucier, D. A. (2009). The Effects of Contact on Sexual Prejudice: A Meta-Analysis. Sex Roles, 61 (3-4), 178–191. doi: 10.1007/s11199-009-9627-3

Tasker, F. (1999). Children in lesbian-led families - A review. Clinical Child Psychology and Psychiatry, 4, 153 - 166. doi: 10.1177/1359104599004002003

Tasker, F., & Golombok, S. (1997). Growing up in a lesbian family. New York: Guilford Press.

Uziel, A. P., Mello, L., & Grossi, M. (2006). Conjugalidades e parentalidades de gays, lésbicas e transgêneros no Brasil. Revista Estudos Feministas, 14(2), 481-487. doi:10.1590/S0104-026X2006000200008

Weiner, B.A., & Zinner, L. (2015). Attitudes Toward Straight, Gay Male, and Transsexual Parenting. Journal of Homosexuality, 62 (3), 327-339. doi: 10.1080/00918369.2014.972800

West, K., Husnu, S., & Lipps, G. (2015). Imagined Contact Works in High-Prejudice Contexts: Investigating Imagined Contact's Effects on Anti-Gay Prejudice in Cyprus and Jamaica. Sexuality Research and Social Policy, 12(1), 60-69. doi: 10.1007/s13178-014-0172-7

Zambrano, E. (2006). Parentalidades “impensáveis”: Pais/mães homossexuais, travestis e transexuais. Horizonte Antropológico, 12(26), 123-147. doi: 10.1590/S0104-71832006000200006

Downloads

Publicado

15.12.2017

Como Citar

Cerqueira-Santos, E., Silva, B. de B., Rodrigues, H. dos S., Dos Santos, L., & Araújo, L. F. (2017). Contato Interpessoal com Homossexuais e Crenças sobre a Adoção Homoparental. Revista Subjetividades, 17(2), 87–100. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5991

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa