O Conceito de Coletivo no Campo da Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e9184

Palavras-chave:

Saúde Coletiva, Saúde Pública, Coletivo, População, Psicanálise

Resumo

O presente estudo discute os conceitos de coletivo em jogo na constituição da saúde coletiva como prática e disciplina no campo da saúde. Para tanto, é feito um levantamento bibliográfico inicial de produções da área e, em um segundo momento, procuradas referências em autores como Hannah Arendt, Deleuze e Guatarri, Norbert Elias e Canguilhem. A partir desses questionamentos, são abordadas as disputas internas e as relações entre saúde pública e saúde coletiva, bem como as possibilidades de verdadeiras mudanças nas práticas de saúde, visando-se um distanciamento do modelo medicalizante baseado nas noções tradicionais de público, população e grupo como multiplicidade de individualidades. Em oposição a esse, e a partir de um diálogo com a psicanálise, o coletivo é retomado como um agenciamento relacional que revela o sujeito como irredutível à categoria do indivíduo. É nesse conceito de coletivo como campo estruturado de relações que a saúde coletiva encontra suporte para uma prática e uma epistemologia críticas de sua própria origem e de seu lugar no campo de saúde.

Biografia do Autor

Roberto Henrique Amorim de Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura e do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Leonardo Veiga Guarnieri, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Arendt, H. (2007). A condição humana. Forense Universitária.

Birman, J. (2005). A physis da saúde coletiva. Physis: Revista de Saúde coletiva, 15(supl.), 11-16. DOI: 10.1590/S0103-73311991000100001

Canguilhem, G. (2012). O conhecimento da vida. Forense Universitária.

Ceccim, R. B. (2012). Invenção da saúde coletiva e do controle social em saúde no Brasil: Nova educação na saúde e novos contornos e potencialidades à cidadania. Revista de estudos universitários, 33(1), 29-48.

Costa, A. M. da. (1998). A ficção do si mesmo:Interpretação e ato em psicanálise. Companhia de Freud.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1996). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (Vol. 3). Ed 34.

Elias, N. (1994). A sociedade dos indivíduos. Jorge Zahar Editora.

Escorel, S. (1999). Reviravolta na saúde: Origem e articulação do movimento sanitário. Editora Fiocruz. DOI: 10.7476/9788575413616

Escóssia, L., & Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo – sociedade.Psicologia em Estudo, 10(2), 295-304. DOI: 10.1590/S1413-73722005000200017

Fleury, S. (1985). As ciências sociais em saúde no Brasil. In E. D. Nunes (Org.), As ciências sociais em saúde na América Latina: Tendências e perspectivas (pp. 87-109). Organização Panamericana da Saúde.

Foucault, M. (2004). O nascimento do hospital. In R. Machado (Org.), Microfísica do poder (4ª ed., pp. 99-113). Ed. Graal.

Freud, S. (2011). Psicologia das massas e análise do eu. In S. Freud, Obras completas(Vol. 15, pp. 9-100). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1921)

Freud, S. (2013). As pulsões e seus destinos.Autêntica Editora. (Originalmente publicado em 1915)

Kubrick, S. [Produtor & Diretor]. (1968). 2001: Uma Odisséia no Espaço [DVD]. MGM.

Lacan, J. (1998a). O estádio do espelho como formador da função do eu. In S. Freud, Escritos (pp. 96-103). Jorge Zahar Editor.

Lacan, J. (1998b). O tempo lógico e asserção da certeza antecipada. In S. Freud, Escritos (pp. 197-213). Jorge Zahar Editor.

Lacan, J. (2008). O Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Jorge Zahar Editor.

Lalond, M. (1981). A new perspective on the health of canadians. Public Health Agency of Canada. Link

Mattos, R. A. (2008). Integralidade, trabalho, saúde e formação profissional: Algumas reflexões críticas feitas com base na defesa de alguns valores. In G. C. Matta & J. C. F. Lima (Orgs.), Estado, sociedade e formação profssional em saúde: Contradições e desafios em 20 anos de SUS (pp. 313-352). Editora Fiocruz/EPSJV.

Ministério da Saúde [MS]. (2002). As cartas da promoção da saúde. Link

Nasio, J. D. (1993). Cinco lições sobre a teoria de Jaques Lacan. Jorge Zahar Editor.

Orlandi, L. B. L. (2004). Corporeidades em minidesfile. In T. M. G. Fonseca & S. Engelman (Orgs.), Corpo, arte e clínica(pp. 65-87). Editora da UFRGS.

Organização Mundial da Saúde [OMS]. (1978). Declaração de Alma-Ata. Link

Paim, J. S., & Almeida Filho, N. (1998). Saúde coletiva: Uma “nova saúde pública” ou campo aberto a novos paradigmas? Revista de Saúde Pública, 32(4), 299-316. DOI: 10.1590/S0034-89101998000400001

Downloads

Publicado

15.06.2022

Como Citar

Amorim de Medeiros, R. H., & Guarnieri, L. V. (2022). O Conceito de Coletivo no Campo da Saúde. Revista Subjetividades, 22(2), e9184. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e9184

Edição

Seção

Estudos Teóricos