Circulação de artigos brasileiros sobre Carl Rogers: ascensão, renascimento ou declínio?

Autores

  • Paulo Coelho Castelo Branco Universidade Federal da Bahia
  • Sérgio Dias Cirino Universidade Federal de Minas Gerais.

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5789

Palavras-chave:

Carl Rogers, psicologia humanista, revisão de literatura, terapia centrada no cliente.

Resumo

Objetiva-se analisar as produções sobre a abordagem centrada na pessoa (ACP) segundo a sua circulação em periódicos brasileiros, nos anos de 2002 até 2014. Foi realizado uma revisão sistemática nas bases de dados eletrônicas do SciELO e do PePSIC, utilizando diversos descritores referentes a abordagem. Foram encontrados 58 artigos. Os resultados apontam para: constância de produções em 2005-2014; concentração de publicações em dois periódicos de orientação humanista; predominância de autores e universidades cearenses; produções desenvolvidas principalmente na região Nordeste; hegemonia de produções teóricas em sobreposição aos estudos empíricos; destaque dado para discussões clínicas e históricas; apropriação da Fenomenologia filosófica e empírica para desenvolver a ACP. A continuidade do movimento de ascensão/renascimento da ACP no Brasil é questionada. Em conclusão, este estudo oferece uma compreensão de certos aspectos ACP brasileira e aponta outras possibilidades de pesquisa sobre a sua circulação.

Biografia do Autor

Paulo Coelho Castelo Branco, Universidade Federal da Bahia

Professor Ajunto I do Curso de Psicologia da Universidade Federal da Bahia. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenador do Núcleo de Estudos em Psicologia Humanista.

Sérgio Dias Cirino, Universidade Federal de Minas Gerais.

Professor Associado do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de São Paulo. Editor Coordenador do GT de História da Psicologia da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP). Sócio fundador da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBHP). Membro do GT de História da Psicologia da Sociedade Interamericana de Psicologia (SIP). Membro da Rede Ibero-americana de Pesquisadores em História da Psicologia (RIPeHP). Membro da Comissão assessora do Museo de Historia de la Psicología de San Luis (Argentina)

Referências

Brock, A. (2014). What is polycentric history of psychology?. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(2), 646-659.

Cavalcante, F., & Sousa, A. (2007). História da Psicologia no Ceará: entrevista com Gercilene Campos. Psicologia em Estudo, 12(2), 433-437. doi:10.1590/S1413-73722007000200025

Costa, A., & Zoltowski, A. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In S. Koller., M. Couto & J. Hohendorff (Orgs.), Manual de produção científica (pp. 55-70). Porto Alegre: Penso.

DeCastro, T., & Gomes, W. (2011). Aplicações do método fenomenológico à pesquisa em psicologia: tradições e tendências. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(2), 153-161. doi: 10.1590/S0103-166X2011000200003

Frota, A. (2012). Origens e destinos da abordagem centrada na pessoa no cenário brasileiro contemporâneo: reflexões preliminares. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 168-178.

Giorgi, A. (2008). Sobre o método fenomenológico utilizado como modo de pesquisa qualitativa nas ciências humanas: teoria, prática e avaliação. In Vários autores. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (p. 386- 409., A. Cristina, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Originalmente publicado em 1997).

Gomes, W., Holanda, A., & Gauer, G. (2004). História das abordagens humanistas em psicologia no Brasil. In M. Massimi (Org.), História da psicologia no Brasil do Século XX (pp. 105-129). São Paulo: E.P.U.

Grynzspan, M. (2012). Por uma sociologia histórica da recepção e da circulação de textos: Robert Michels e sociologia dos partidos políticos nos Estados Unidos. Revista de Sociologia e Política, 20(44), 11-30. doi:10.1590/S0104-44782012000400002

Holanda, A. (2014). Editorial. Revista da Abordagem Gestáltica, 20(1), VII-VIII.

Kirschenbaum, H., & Jordan, A. (2005). The current status of Carl Rogers and the person centered-approach. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 42(1), 37-51. doi: 10.1037/0033-3204.42.1.37

Moreira, V. (2010). Revisitando as fases da Abordagem Centrada na Pessoa. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(4), 537-544. doi: 10.1590/S0103-166X2010000400011

Moreira, V. (2013). O Ceará é referência em psicologia humanista. Recuperado em junho 29, 2016, de http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1266740.

Pacheco, M. (2005). Produção científica e avaliação psicológica. In G. Winter (Org.), Metaciência e psicologia (pp. 07-34). Campinas, SP: Alínea.

Packer, A., Cop, N., Luccisano, A., Ramalho, A., & Spinak, E. (Orgs.). (2014). SciELO – 15 anos de acesso aberto e comunicação científica. Paris: UNESCO.

Pickren, W. (2012). Waters of march (Águas de março): circulating knowledge, transforming psychological science and practice. In E. Lourenço., R. Assis. & R. Campos. (Orgs.). História da psicologia e contexto sociocultural: pesquisas contemporâneas, novas abordagens (pp. 17-46). Belo Horizonte: PUC Minas.

Rogers, C. (1959). Some observations on the organization of personality. In A. Kuenzli (Org.), The phenomenological problem (pp. 49-75). New York: Harper & Brothers Publishers. (Originalmente publicado em 1947).

Rogers, C. (1964). Toward a science of the person. In T. Wann (Org.), Behaviorism and phenomenology: contrasting bases for modern psychology (pp. 109-131). Chicago: University of Chicago Press.

Rogers, C. (1976). A respeito de bibliografias. In C. Rogers & B. Stevens (Orgs.), De pessoa para pessoa: o problema de ser humanos – uma nova tendência na psicologia (pp. 321-325., M. Leite & D. Leite, Trads.). São Paulo: Pioneira. (Originalmente publicado em 1967).

Rogers, C. (1977a). Em retrospecto. Quarenta e seis anos. In Rogers, C. & Rosenberg, R, A pessoa como centro (pp. 29-46). EPU: São Paulo.

Rogers, C. (1977b). Novas formas do amor: o casamento e suas alternativas (4a ed., O. Cajado, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio Editora. (Originalmente publicado em 1972).

Rogers, C. (1979). Liberdade para aprender (E. machado & M. Andrade, Trads.). Belo Horizonte: Interlivros. (Originalmente publicado em 1969).

Rogers, C. (1985a). Toward a more human science of the person. Journal of Humanistic Psychology, 25(4), 07-24.

Rogers, C. (1985b). Liberdade de aprender em nossa década (J. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1983).

Rogers, C., & Russell, D. (2002) Carl Rogers: the quiet revolutionary – an oral history. Roseville: Penmarin Books.

Rogers, C. & Tillich, P. (2008). Diálogos – 1965 (M. Janzen, Trad.). Revista da Abordagem Gestáltica, 14(1), 121-127. (Originalmente publicado em 1989).

Rogers, C. (2009a). Tornar-se pessoa (M. Ferreira & A. Lamparelli, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1961).

Rogers, C. (2009b). Grupos de encontro (J. Proença, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1970).

Spiegelberg, H. (1972). Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evaston: Northwestern University Press.

Tassinari, M., & Portela, Y. (2002). História da abordagem centrada na pessoa no Brasil. In S. Gobbi., S. Missel., H. Justo., & A. Holanda (Orgs.), Vocabulários e noções básicas da abordagem centrada na pessoa (pp.229-259). São Paulo: Vetor.

Tassinari, M. (2010). A ACP no Brasil. In E. Carrenho., M. Tassinari., & M. Pinto (Orgs.). Praticando a abordagem centrada na pessoa: dúvidas e perguntas mais frequentes (pp.37-56). São Paulo: Carrenho.

Downloads

Publicado

15.12.2017

Como Citar

Castelo Branco, P. C., & Cirino, S. D. (2017). Circulação de artigos brasileiros sobre Carl Rogers: ascensão, renascimento ou declínio?. Revista Subjetividades, 17(2), 1–11. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5789

Edição

Seção

Estudos Teóricos