Drogas, Biopolítica e Subjetividade: Interfaces entre Psicanálise e Genealogia

Autores

  • Raul Max Lucas da Costa Faculdade Leão Sampaio
  • Leonardo José Barreira Danziato Universidade de Fortaleza

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.15.3.417-427

Palavras-chave:

biopolítica, toxicomania, subjetividade, psicanálise e discurso

Resumo

Nos tempos antigos, o consumo de drogas consistia numa prática cultural marcada por prédicas dietéticas. Contudo, na Época Moderna as drogas tornaram-se objetos do capitalismo mercantilista e em seguida sua produção inovada e ampliada a partir das operações técnicas e científicas no século XIX. No século XX, o controle biopolítico sobre os psicoativos levou a medicalização e a criminalização de seu consumo. Neste artigo objetivamos analisar os efeitos subjetivos da biopolítica das drogas. Buscaremos uma aproximação da teoria lacaniana dos discursos com a genealogia foucaultiana. Constatamos que a produção subjetiva do toxicômano foi contemporânea a produção do homo oeconomicus representando o seu avesso. A categoria toxicômano constituiu-se na fronteira entre a medicina e o direito, legitimando intervenções policiais e higienistas próprias do “Estado de Exceção”. Concluímos que a capitalização e a fabricação tecnocientífica das drogas e seu agenciamento biopolítico estão em função do dispositivo de gozo próprio da pós-modernidade.

Downloads

Publicado

18.07.2016

Como Citar

da Costa, R. M. L., & Danziato, L. J. B. (2016). Drogas, Biopolítica e Subjetividade: Interfaces entre Psicanálise e Genealogia. Revista Subjetividades, 15(3), 417–427. https://doi.org/10.5020/23590777.15.3.417-427

Edição

Seção

Dossiê: Biopolítica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)