Retorno dos Fantasmas: Democracia Tutelada e seus Ecos na Reforma Psiquiátrica Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12585

Palavras-chave:

reforma psiquiátrica brasileira, democracia, lógica manicomial, psicanálise

Resumo

Partimos, no presente artigo, de uma premissa central: a de que os impasses com os quais a Reforma Psiquiátrica Brasileira vem se confrontando nos últimos anos só são satisfatoriamente apreendidos se tomados em referência a uma análise dos impasses com os quais se defronta a própria democracia no Brasil. Nesse sentido, estaríamos assistindo a uma mesma problemática sob escalas sociais distintas, que se expressa na busca pela tutela explícita da loucura pelas instituições, e da democracia pelos militares. Partindo disso, procuramos identificar, por meio de uma interpretação dialética do processo histórico em curso, o que condiciona tais impasses na trajetória de nossa democracia e da luta antimanicomial enquanto hipóteses emancipatórias cujo potencial de materialização ainda é passível de ser verificado.

Biografia do Autor

Thales Alberto Fonseca Vicente , Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Doutorando, Mestre e Psicólogo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).

Fuad Kyrillos Neto, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).

Referências

Amarante, P. (Coord.). (1995). Loucos pela vida: A trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil (2ª ed.). Fiocruz.

Amarante, P. (2013). Saúde mental e atenção psicossocial (4ª ed.). Fiocruz.

Badiou, A. (2007). O século. Idéias & Letras.

Badiou, A. (2012). A hipótese comunista. Boitempo.

Barreto, A. F. (2019). A política de saúde mental e a qualidade de vida dos usuários do CAPS AD em Largato (SE). Revista Saberes, 7(4), 2-10.

Basaglia, F. (1979). Psiquiatria alternativa: Contra o pessimismo da razão, o otimismo da prática. Brasil Debates.

Basaglia, F. (Coord.). (1985). A instituição negada: Relato de um hospital psiquiátrico. Graal.

Basaglia, F., & Ongaro, F. B. (2010). A utopia da realidade. In P. Amarante (Org.), Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica (pp. 225-236). Garamond.

Basaglia, F., Ongaro, F. B., Casagrande, D., Jervis, G., Comba, L. J., Pirella, A., Schittar, L., & Slavich, A. (1994). Considerações sobre uma experiência comunitária. In P. Amarante (Org.), Psiquiatria social e reforma psiquiátrica (pp. 11-40). Fiocruz.

Birman, J. (2012). O sujeito na contemporaneidade: Espaço, dor e desalento na atualidade. Civilização Brasileira.

Campos Neto, M. N. (2020). O “avanço técnico” em saúde mental no Brasil: A ameaça do campo de concentração generalizado [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. PUC-SP: Repositório PUCSP. Link

Collucci, C. (2020, 7 de dezembro). Governo Bolsonaro quer revogar portarias que sustentam política de saúde mental. Folha de S. Paulo. Link

Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. (2016). Relatório de inspeção de comunidades terapêuticas para usuárias(os) de drogas no estado de São Paulo: Mapeamento das violações de direitos humanos. CRP06.

Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, compilado até a Emenda Constitucional nº 105/2019. Senado Federal.

Dunker, C. I. L., & Kyrillos Neto, F. (2015). Psicanálise e saúde mental. Criação Humana.

Eagleton, T. (1996). A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental. In S. Zizek (Org.), Um mapa da ideologia (pp. 179-226). Contraponto.

Fernandes, F. (2014). Florestan Fernandes na constituinte: Leituras para a reforma política. Editora Fundação Perseu Abramo, Expressão Popular.

Fonseca, T. (2018). Psicose e CAPS: Entre a metapsicologia, a clínica e a política [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São João del-Rei]. UFSJ. Link

Freud, S. (2010a). Recordar, repetir e elaborar. In S. Freud, Obras Completas (v. 10, pp. 146-158). Companhia das Letras. (Original publicado em 1914)

Freud, S. (2010b). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Obras Completas (v.14, pp. 120-178). Companhia das Letras. (Original publicado em 1920)

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. 2ª ed. Jorge Zahar Editor. (Original publicado em 1964).

Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Presidência da República. Link

Luxemburgo, R. (1900). Reforma ou Revolução? Link

Marx, K. (1974). O 18 Brumário de Luís Bonaparte. In J. A. Giannotti (Org.), Os pensadores: Marx (pp. 323-404). Abril Cultural. (Original escrito em 1851-52)

Ministério da Saúde. (2019). Nota técnica nº 11/2019 - CGMAD/DAPES/SAS/MS. Esclarece uma série de mudanças implementadas na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas, condensando resoluções e portarias publicadas entre os anos de 2017 e 2018.

Nascente, A. (1955). Dicionário etimológico da língua portuguesa. Jornal do Commercio.

Portaria nº 336, 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Ministério da Saúde do Brasil.

Safatle, V. (2008). Cinismo e falência da crítica. Boitempo.

Safatle, V. (2013). O dever e seus impasses. Editora WMF Martins Fontes.

Silveira, N. (1992). Crise e tentativas de mutação na psiquiatria atual. In N. da Silveira, O mundo das imagens (pp. 11-22). Ática.

Teles, E., & Safatle, V. (Orgs.). (2010). O que resta da ditadura: A exceção brasileira. Boitempo.

Tenório, F. (2007). Questões para uma atualização da agenda da reforma psiquiátrica. In M. C. V. Couto & R. G. Martinez (Orgs.), Saúde mental e saúde pública: Questões para a agenda da reforma psiquiátrica (pp. 13-27). UFRJ.

Zizek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: O sublime objeto da ideologia. Zahar.

Zizek, S. (2010). Como ler Lacan. Zahar.

Zizek, S. (2016). O sujeito incômodo: O centro ausente da ontologia política. Boitempo.

Downloads

Publicado

24.12.2022

Como Citar

Vicente , T. A. F. ., & Kyrillos Neto, F. (2022). Retorno dos Fantasmas: Democracia Tutelada e seus Ecos na Reforma Psiquiátrica Brasileira. Revista Subjetividades, 22(3), e12585. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12585

Edição

Seção

Estudos Teóricos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)