Complexo de Édipo e Diferença Racial em Psicanálise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12545

Palavras-chave:

narcisismo, sexualidade, diferença, racismo

Resumo

A proposição, por Freud, do complexo de Édipo suscitou um controverso debate em torno da validade universal desse constructo, de seu alcance como uma invariável fora do marco civilizatório-europeu. O objetivo deste artigo é localizar a particularidade da contribuição de Frantz Fanon a esse debate. A hipótese que encaminhamos é que, através da sentença que proclama a insuficiência do Édipo nos domínios da colonização, Fanon encontra caminhos para enunciar a desconsideração da diferença racial em psicanálise. Em uma perspectiva que se apoia em uma metodologia de pesquisa bibliográfica, assumimos uma linha crítica que interliga o complexo em questão à noção lacaniana de estágio do espelho. Com isso, mostraremos como a recusa ao modelo edipiano serve a Fanon para circunscrever os limites de um modelo abstrato que, desconsiderando a marcação racial, não atenta à diferencialidade da situação colonial, que fabrica o negro em condição de subalternidade. Para o negro, o trauma não decorre de uma reedição da mecânica edipiana, mas do encontro com o mundo branco. Assim, em um primeiro momento, apresentaremos a crítica de Fanon ao Édipo, para, em seguida, apontar como esta reflete, particularmente, a interlocução de Fanon com a primeira formulação de Lacan sobre o imaginário. Finalmente, indicaremos como elementos centrais do complexo – a sexualidade e o narcisismo – permitem a Fanon apresentar a construção do negro como mito.

Biografia do Autor

Luciano Souza Dias, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Pós-doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGPSI/UFRRJ). Pesquisador Bolsista pelo Programa Nacional de Pós-doutorado (PND/CAPES).

Fernanda Canavêz, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) / Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora do Instituto de Psicologia da UFRJ e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Coordenadora do Marginália Laboratório, organizadora da coletânea Ensaios (marginais) sobre a confiança.

Referências

Barros, D. R. (2019). Lugar de negro, lugar de branco? Esboço para uma crítica à metafísica racial. Hedra.

Birman, J. (2016). Sexualidade e narcisismo nos arquivos da psicanálise. O Édipo em questão. In J. Birman, L. Fulgencio, D. Kupermann, & E. L. Cunha (Orgs.), Amar a si mesmo e amar o outro: Narcisismo e sexualidade na psicanálise contemporânea (pp. 23-51). Zagodoni..

Butler, J. (2017). Problemas de gênero. Civilização Brasileira.

Canavêz, F., & Miranda, H. (2011). Sobre a resistência em Freud e Foucault. Research in psychoanalysis, 2(2), 149-157. DOI: 10.3917/rep.012.0149

Chnaiderman, M. (2017). Buscando baobás na aridez do asfalto: Instaurando origens. In M. Kon, C. Abud, & M. Silva (Orgs.), O racismo e o negro no Brasil: Questões para a psicanálise (pp. 181-196). Perspectiva.

Costa, J. (1983). Da cor ao corpo: A violência do racismo. In N. Souza (Org.), Tornar-se negro (pp. 1-16). Graal.

Deleuze, G. & Guatarri, F. (2011). O anti-Édipo. Editora 34. (Originalmente escrito em 1972)

Fanon, F. (1968). Os condenados da terra. Civilização brasileira.

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas. EDUFBA. (Originalmente escrito em 1952)

Fanon, F. (2020). Alienação e liberdade. Ubu. (Originalmente escrito em 1915)

Faustino, D. (2015). Por que Fanon? Por que agora? Frantz Fanon e os fanonismos no Brasil [Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos]. UFSCar: Repositório Institucional da UFSCar. Link

Foucault, M. (2006). A história da sexualidade: A vontade de saber. Graal. (Originalmente escrito em 1977)

Freud, S. (1996a). Três ensaios sobre a sexualidade. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 7). Imago. (Originalmente escrito em 1905)

Freud, S. (1996b). A pulsão e seus destinos. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 7). Imago. (Originalmente escrito em 1915)

Freud, S. (1996c). O mal-estar na civilização. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Imago. (Originalmente escrito em 1930)

Gordon, L. (2008). Prefácio. In Fanon, F., Pele negra, máscara branca (pp. 11-17). EDUFBA.

Hall, S. (1996). The after-life of Frantz Fanon: WhyFanon? Whynow? Why Black skin, whitemasks? In A. Read (Ed.), The fact of blackness: Frantz Fanon and visual representation (pp. 12-37). Bay Press.

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação. Cobogó.

Kilomba, G. (2020). Fanon, existência, ausência. In F. Fanon, Pele negra, máscaras brancas (pp. 11-16). Ubu.

Lacan, J. (1985). Os complexos familiares na formação do indivíduo: Ensaio de análise de uma função em psicologia. Zahar. (Originalmente escrito em 1938)

Lacan, J. (1998a). Introdução ao comentário de Jean Hypolite sobre a “Verneinung” de Freud. In J. Lacan, Escritos. Zahar. (Originalmente escrito em 1954)

Lacan, J. (1998b). O estágio do espelho como formador da função do eu. In: J. Lacan, Escritos. Zahar. (Originalmente escrito em 1949)

Lacan, J. (1998c). Para-além do princípio de realidade. (Originalmente escrito em 1936)

Lacan, J. (2017). O Seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Zahar. (Originalmente escrito em 1991)

Laplanche, J., & Pontalis, J. B. (1992). Vocabulário de psicanálise. Martins Fontes.

Malinowski, B. (1973). Sexo e repressão na sociedade selvagem. Vozes. (Originalmente escrito em 1927)

Miguelez, N. (2020). Complexo de Édipo hoje? Novas patologias, novas mulheres, novos homens. Artesã.

Miller, J-A. (2005). Leitura crítica dos complexos familiares, de Jacques Lacan. Opção Lacaniana Online, (60), 33-51. Link

Noguera, R. (2020). Fanon: Uma filosofia para reexistir. In F. Fanon, Alienação e liberdade. Ubu.

Roudinesco, E., & Plon, M. (1998). Dicionário de Psicanálise. Zahar.

Safouan, M., & Hoffmann, C. (2016). O desejo nas mutações familiares e sociais. Instituto Langage.

Sales, L. S. (2004). Primeiro quadro da teoria lacaniana do imaginário: Os complexos familiares. Acheronta: Revista de Psicoanalis y cultura, (19). Link

Simanke, R. T. (1997). Composição e estilo da metapsicologia lacaniana: Os anos de formação (1932 – 1953) [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. USP: Repositório da Produção USP (ReP). Link

Souza, N. S. (1983). Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Graal.

Downloads

Publicado

19.12.2022

Como Citar

Dias, L. S., & Canavêz, F. (2022). Complexo de Édipo e Diferença Racial em Psicanálise. Revista Subjetividades, 22(3), e12545. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12545

Edição

Seção

Estudos Teóricos