Permanecer na Universidade: Sentidos Atribuídos ao Trabalho por Docentes Aposentados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12525

Palavras-chave:

sentido do trabalho, docentes aposentados, psicodinâmica do trabalho

Resumo

Atualmente, é perceptível a centralidade do trabalho na vida do indivíduo, do mesmo modo que encontramos trabalhadores mais velhos nas organizações. Assim, o estudo buscou compreender os sentidos atribuídos ao trabalho pelos docentes aposentados que permanecem com atividades numa universidade pública federal, sob a luz da psicodinâmica do trabalho. O estudo foi qualitativo e com o método de histórias de vida, através de 11 entrevistas episódicas com docentes aposentados, trabalhando voluntariamente, nos programas de mestrado e doutorado, tendo como foco suas trajetórias profissionais. A análise de conteúdo temática revelou que os docentes atribuem sentido ao trabalho por apreciarem sua profissão e contribuírem para o desenvolvimento da instituição e da sociedade. As vivências de prazer residem no reconhecimento do trabalho e desenvolvimento dos alunos. O sofrimento expressa-se nas dificuldades com as condições de trabalho e os conflitos entre trabalho prescrito e real. Estratégias de defesa emergiram nos depoimentos e a maioria dos participantes relatou enfrentar as dificuldades que surgem no trabalho.

Biografia do Autor

Diane Glayce dos Santos Carvalho , Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Mestre em Administração. Servidora da Coordenação de Aposentadoria e Pensão (PROGEPE) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Debora Coutinho Paschoal Dourado , Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFPE. Coordenadora do grupo de pesquisa Observatório da Realidade Organizacional.

Referências

Albornoz, S. (2008). O que é trabalho? 6ª ed. Brasiliense.

Amorim, T. N. G. F., Carvalho, D. G. S., Oliveira, R. R., & Silva, L. B. (2018). Aposentar-se ou continuar trabalhando? Decisão difícil para servidores públicos. Revista Gestão Universitária na América Latina, 11(4), 231-255. DOI: 10.5007/1983-4535.2018v11n4p231

Antunes, R. (2008). Dimensões da crise estrutural do capital e suas respostas. Confluências – Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito, 10(1), 43-61. DOI: 10.22409/conflu10i1.p12

Assis, D. T. F. (2017). O trabalho voluntário em uma instituição de princípios humanistas: Uma análise a partir da psicodinâmica do trabalho [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Goiás]. PUC-GO.

Barbosa, M. A. C, & Mendonça, J. R. C. (2014). O professor-gestor em universidades federais: Alguns apontamento e reflexões. Teoria e Prática em Administração, 4(2), 131-154. Link

Barros, V. A., & Lopes, F. T. (2014). Considerações sobre a pesquisa em história de vida. In E. M. Souza (Org.), Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: Uma abordagem teórico-conceitual (pp. 41-63). EDUFES. Link

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Boas, A. A. V., & Morin, E. (2016). Sentido do trabalho e fatores de qualidade de vida no trabalho: A percepção de professores brasileiros e canadenses. Revista Alcance, 23(3), 272-292. DOI: 10.14210/alcance.v23n3(Jul-Set).p272-292

Closs, L., & Antonello, C. S. (2012). História de vida: Suas possibilidades para a investigação de processos de aprendizagem gerencial. Gestão Organizacional, 10(1), 105-137. Link

Debout, F. (2014). Quelques éléments de la théorie psychodynamique du travail. Champ psychologique, 1(65), 11-26. Link

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho. Cortez-Oboré.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção Online, 14(3), 27-34. DOI: 10.1590/S0103-65132004000300004

Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. Atlas.

Dejours, C., & Gernet, I. (2012). Psychopathologie du iravail. Issy-les-Moulineaux: Elsevie-Masson.

Duarte, I. G., Cavalcante, C. E., & Marques, R. R. R. (2017). Gestão de pessoas no terceiro setor: Motivações dos voluntários da Fundação Cidade Viva. Organização em contexto, 13(25), 99-120. DOI: 10.15603/1982-8756/roc.v13n25p99-120

Emenda Constitucional nº 103, de 12 de novembro de 2019. (2019). Altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. Presidência da República. Link

Fernandes, P. C. M., Marra, A. V., & Lara, S. M. (2016). Metamorfoses identitárias na pré-aposentadoria de servidores públicos. Revista de Carreiras e Pessoas, 6(1), 86-99. DOI: 10.20503/recape.v6i1.28025

Flick, U. (2015). Entrevista episódica. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. (13ª ed., pp. 114-136). Vozes.

Freire, J. C. S. (2013). Autonomia da práxis docente na universidade: Condições e possibilidades [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Goiás]. UFG: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD). Link.

Freitas, M. E. (2007). A carne e os ossos do ofício acadêmico. Organizações & Sociedade, 14(42), 187-192. Link

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação. Ideias & Letras.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. Atlas.

Gomes, R. (2015). Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In M. C. S. Minayo, S. F. Deslandes & R. Gomes (Orgs.), Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (34ª ed., pp. 79-108). Vozes.

Gorz, A. (2007). Metamorfoses do trabalho. Crítica da razão econômica. 2ª ed. Annablume.

Guerreiro Ramos, A. (1989). A nova ciência das organizações: Uma reconceituação da riqueza das nações. FGV.

Ervatti, L. R., Borges, G. M., & Jardim, A. P. (2015). Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI. Subsídios para as projeções da população. IBGE. Link

Kubo, S. H., Gouvêa, M. A., & Mantovani, D. M. N. (2013). Dimensões do significado do trabalho e suas relações. Revista Pretexto, 14(3), 28-28. Link

Lemos, D. (2011). Trabalho docente nas universidades federais: Tensões e contradições. Caderno CRH, 24(esp. 1), 105-120.DOI: 10.1590/S0103-49792011000400008

Mancebo, D. (2007). Trabalho docente: Subjetividade, sobreimplicação e prazer. Psicologia: Reflexão & Crítica, 20(1), 77-83. 10.1590/S0102-79722007000100010

Marra, A. V., Souza, M. M. P., Marques, A. L., & Melo, M. C. O. L. (2013). Significado do trabalho e envelhecimento. Revista Administração em Diálogo - RAD, 15(2), 103-128. DOI: 10.20946/rad.v15i2.12737

Merriam, S. B., & Tisdell, E. J. (2016). Qualitative research: A guide to design and implementation. 4ª ed. Jossey-Bass.

Mossé, P. (2015). Caring an ageing population: Challenges, facts, artifacts and policies. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 12(1), 73-84. DOI: 10.21450/rahis.v12i1.2572

Nascimento, R. P., Costa, D. V. F., Salvá, M. N. R., Moura, R. G., & Simão, L. A. S. (2016). ‘Trabalhar é manter-se vivo’: Envelhecimento e sentido do trabalho para docentes do ensino superior. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(2), 118-138. DOI: 10.21446/scg_ufrj.v11i2.13382

Pereira, E. F., & Tolfo, S. R. (2016). Estudos sobre sentidos e significados do trabalho na psicologia. Psicologia e Argumento, 34(86), 302-317. DOI: 10.7213/psicol.argum.34.087.AO02

Ribeiro, C. V. S., Costa, A. F. M., Cardoso, V. M. L., & Machado, B. B. (2019). “Se você se aposentar e não continuar tendo prazer na vida, você vai se aposentar para quê?”: Um estudo sobre o trabalho de docentes aposentados de uma IFES. Trabalho (En)Cena, 4(1), 323-343. DOI: 10.20873/2526-1487V4N1P323

Ribeiro, D. Y., Pinheiro, F. A., & Sampaio, L. R. (2018). O voluntariado e o servidor público: O caso dos técnico-administrativos em educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Id onLine Revista de Psicologia, 12(42), 659-680. DOI: 10.14295/idonline.v12i42.1349

Schensul, J. J. (2004). Key informants. In B. A. Norman (Ed), Encyclopedia of health & behavior (vol. 1, pp.569-571). Sage Publications.

Silva, A. C. C, & Helal, D. H. (2017). Compreendendo a aposentadoria: Um estudo de caso em uma instituição pública do Estado de Pernambuco. (Sessão especial - Fast Track SEMEAD). Rege Revista de Gestão, 24(4), 316-324. DOI: 10.1016/j.rege.2017.07.003

Silva, E. P., & Silva Junior, J. R. (2010). Estranhamento e desumanização nas relações de trabalho na instituição universitária pública. Revista HISTEDBR Online, (n. esp. 38), 223-238. DOI: 10.20396/rho.v10i38e.8639760

Silva Junior, J. R., Ferreira, L. R., & Kato, F. B. G. (2013). Trabalho do professor pesquisador diante da expansão da pós-graduação no Brasil pós-LDB. Revista Brasileira de Educação, 18(53), 435-468. DOI: 10.1590/S1413-24782013000200011

Souza, L. M., & Lautert, L. (2008). Trabalho voluntário: Uma alternativa para a promoção da saúde de idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(2), 371-376. DOI: 10.1590/S0080-62342008000200022

Sznelwar, L. I. (2015). Quando trabalhar é ser protagonista e o protagonismo no trabalho. Blucher.

Sznelwar, L. I., Uchida, S., & Lancman, S. (2011). A subjetividade no trabalho em questão. Revista Tempo Social, 23(1), 11-30. DOI: 10.1590/S0103-20702011000100002

Tolfo, S. R., & Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: Explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade, 19(esp. 1), 38-46. DOI: 10.1590/S0102-71822007000400007

Uchida, S., Lancman, S., & Sznelwar, L. I. (2016). Contribuições da psicodinâmica do trabalho para o desenvolvimento de ações transformadoras no processo laboral em saúde mental. In D. M. R. Glina & L. E. Rocha (Orgs.), Saúde mental: Da teoria à prática (pp. 191-209). Roca.

Zanelli, J. C. (2012). Processos psicossociais, bem-estar e estresse na aposentadoria. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 12(3), 329-340. Link

Downloads

Publicado

05.01.2023

Como Citar

Carvalho , D. G. dos S., & Dourado , D. C. P. (2023). Permanecer na Universidade: Sentidos Atribuídos ao Trabalho por Docentes Aposentados. Revista Subjetividades, 22(3), e12525. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i3.e12525

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa