Dispositivos de Manipulação da Subjetividade no Cotidiano das Mulheres Executivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12509

Palavras-chave:

executivas, dispositivos, subjetividade, gestão, mulher

Resumo

As rápidas mudanças que acontecem no mundo do trabalho impactam a forma de viver e trabalhar dos indivíduos. Nesse contexto, a gestão utiliza estratégias e manipulações que limitam os modos de trabalhar e viver das executivas e tenta delas se apropriar por meio de sedução, justificação, sofisticação e sutileza. Considerando os aspectos atuais da vida de executivas inseridas na sociedade moderna, os dispositivos surgem como forma de capturar, modelar e controlar as condutas e os discursos desses sujeitos. O objetivo do presente estudo é analisar quais são e como se expressam os dispositivos de manipulação de si no cotidiano de mulheres executivas. Assim, realizou-se uma pesquisa descritiva e qualitativa por meio de roteiro semiestruturado, com 30 executivas que estão em cargos que possuem poder de decisão. Para a análise de dados utilizou-se a técnica de análise de conteúdo com o auxílio do software Maxqda. Os resultados evidenciam que as executivas estão envolvidas por dispositivos individuais, sociais, organizacionais e de apoio, que controlam e sustentam sua posição. Conclui-se, então, que os dispositivos atuam na normalização das executivas, levando-as a se enquadrarem em perfis-padrão, de acordo com sua posição hierárquica.

Biografia do Autor

Elem Rabello Duarte Vaz, Faculdade Meridional (IMED)

Mestre em Administração e MBA em Liderança e Comportamento Organizacional pela Faculdade Meridional (IMED).

Shalimar Gallon, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Administração com ênfase em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com período de doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa (Portugal).

Referências

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Argos.

Alencar, E. M. L. S. (2011). Promovendo um ambiente favorável à criatividade nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 38(2), 18-25. DOI: 10.1590/s0034-75901998000200003

Alves, G. A. P. (2008). A subjetividade às avessas: Toyotismo e a “captura” da subjetividade do trabalho pelo capital. Cadernos de Psicologia Social no Trabalho, 11(2), 223–239. DOI: 10.11606/issn.1981-0490.v11i2p223-239

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (3a ed.). Edições 70.

Bauman, Z. (2007a). Tempos líquidos. Jorge Zahar Ed.

Bauman, Z. (2007b). Vida líquida. Jorge Zahar Ed.

Bernardo, M. H. (2009). Trabalho duro, discurso flexível: Uma análise das contradições do toyotismo a partir da vivência de trabalhadores. Expressão Popular.

Bibi, N. (2016). Role of gender diversity in organizational effectiveness and its implications. International Review of Management and Marketing, 6(4), 80-85. DOI: 10.1111/j.2042-7158.1993.tb07104.x

Bowles, H. R. (2012). Claiming authority: How women explain their ascent to top business leadership positions. Research in Organizational Behavior, 32, 189-212. DOI: 10.1016/j.riob.2012.10.005

Brett, J. M., & Stroh, L. K. (2003). Working 61 plus hours a week: Why do managers do it? Journal of Applied Psychology, 88(1), 67-78. DOI: 10.1037/0021-9010.88.1.67

Cardoso, A. C. M. (2013). Organização e intensificação do tempo de trabalho. Revista Sociedade e Estado, 28(2), 351-374.

Carvalho Neto, A. C., Tanure, B., & Andrade, J. (2010). Executivas: Carreira, maternidade, amores e preconceitos. Revista de Administração de Empresas Eletrônica, 9(1). DOI: 10.1590/S1676-56482010000100004

Coda, R., & Fonseca, G. F. (2004). Em busca do significado do trabalho: Relato de um estudo qualitativo entre executivos. Revista Brasileira de Gestão de negócios, 6(14), 7-18. Link

Costa, F. Z. N., & Leão, L. M. S. (2017). Dispositivo de Potterheads: Organização pautada na ordem do cânone. Revista de Administração Contemporânea, 21(4), 500-523. DOI: 10.1590/1982-7849rac2017160187

Cyrino, R. (2011). Essencialismo de gênero e identidade sexual: O caso das mulheres executivas. Caderno Espaço Feminino, 24(1), 79-102. Link

Dawson, G. S., Ho, M. W., & Kauffman, R. J. (2015). How are C-suite executives different? A comparative empirical study of the survival of American chief information officers. Decision Support Systems, 74(6), 88–105. DOI: 10.1016/j.dss.2015.03.005

Dejours, C. (1999). Conferências brasileiras: Identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. Fundap.

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. Editora FGV.

Deleuze, G. (1990) ¿Qué es un dispositivo? Michel foucault, filósofo, 155-163. Link

Eccel, C. S., & Grisci, C. L. I. (2011). Trabalho e gênero: A produção de masculinidades na perspectiva de homens e mulheres. Cadernos EBAPE.BR, 9(1), 57-78. DOI: 10.1590/S1679-39512011000100005

Eagly, A. H., & Carli, L. L. (2007). Women and the labyrinth of leadership. Harvard Business Review, 85(9), 62-71. Link

Fraga, A. M., Antunes, E. D. D., & Oliveira, S. R. (2020). O/A profissional: As interfaces de gênero, carreira e expatriação na construção de trajetórias de mulheres expatriadas. Brazilian Business Review, 17(2), 192-210. DOI: 10.15728/bbr.2020.17.2.4

Fraga, A. M., Gallon, S., & Vaz, E. R. D. (2021). Estereótipo, preconceito e assédio nas trajetórias de expatriadas brasileiras. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 15(1), 165-179.

Fraga, A. M., & Rocha-de-Oliveira, S. (2020). Mobilidades no labirinto: Tensionando as fronteiras nas carreiras de mulheres. Cadernos EBAPE. BR, 18(spe), 757-769. DOI: 10.1590/1679-395120190141

França, L. H. F. P. (2009). Influências sociais nas atitudes dos ‘top’ executivos em face da aposentadoria: Um estudo transcultural. Revista de Administração Contemporânea, 13(1), 17-35. Link

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Ideias & Letras.

Gomes, A. F., Santana, W. G. P., & Araújo, U. P. (2008). Mecanismos de vigilância e dispositivos de controle: O caso de uma indústria familiar de confecções de Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie, 9(8), 64-87. Link

Grisci, C. L. I. (2008). Trabalho imaterial, controle rizomático e subjetividade no novo paradigma tecnológico. Revista de Administração Eletrônica, 7(1). Link

Grisci, C. L. I., Deus, E. S., Rech, S., Rodrigues, M. F., & Gois, P. H. (2015). Beleza física e trabalho imaterial: Do politicamente correto à rentabilização. Psicologia: Ciência e profissão, 35(2), 406-422. DOI: 10.1590/1982-370302282013

Guattari, F., & Rolnik, S. (1996). Micropolítica. Cartografias do desejo. Vozes.

Homem, I. D., Oltramari, A. P., & Bessi, V. G. (2009). A gestão de pessoas e seus mecanismos de sedução em um processo de aquisição. Revista de Administração Contemporânea, 13(2), 210–227. DOI: 10.1590/S1415-65552009000200004

Hryniewicz, L. G. C., & Vianna, M. A. (2018). Mulheres em posição de liderança: Obstáculos e expectativas de gênero em cargos gerenciais. Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 331-344.

Instituto Ethos. (2018). O dia é da mulher, mas falta ainda muito a comemorar. Link

Jane, E. A. (2017). ‘Dude … stop the spread’: antagonism, agonism, and #manspreading on social media. International Journal of Cultural Studies, 20(5), 459-475.

Joshi, A., Son, J., & Roh, H. (2015). When can women close the gap? A meta-analytic test of sex differences in performance and rewards. Academy of Management Journal, 58(5), 1516-1545. DOI: 10.5465/amj.2013.0721

Lauda, L. Z. A. (2013). Dispositivos de gestão e controle sobre o trabalho: Um estudo sobre os gerentes das agências de turismo corporativo [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. UFRGS: Lume - Repositório Digital. Link

Lima, G. S., Carvalho Neto, A., & Tanure, B. (2012). Executivos jovens e seniores no topo da carreira: Conflitos e complementaridades. Revista Eletrônica de Administração, 71(1), 63–96.

López-Ruiz, O. J. (2004). O ethos dos executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo [Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas]. Unicamp: Repositório da Produção Científica e Intelectual da Unicamp. Link

Mansano, S. R. V. (2007). Sociedade de controle e linhas de subjetivação. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Link

Mansano, S. R. V. (2009). Sorria, você está sendo controlado. Resistência a poder na sociedade de controle. Summus.

Milford, C., Kriel, Y., Njau, I., Nkole, T., Gichangi, Cordero, J. P., Smit, J. A. Steyns, P. S., & UPTAKE Project Team. (2017). Teamwork in qualitative research. International Journal of Qualitative Methods, 16(1).

Mota-Santos, C. M., Tanure, B., & Carvalho Neto, A. M. (2014). Mulheres executivas brasileiras: O teto de vidro em questão. Revista Administração em Diálogo, 16(3), 56-75. DOI: 10.20946/rad.v16i3.13791

Olbermann, J. V. (2017). Captura à vida de alto executivo: Dispositivos em cenas cotidianas [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. UFRGS: Lume - Repositório Digital. Link

Olbermann, J. V., Oliveira, L. P., Capaverde, C., & Grisci, C. L. I. (2017). Dispositivos de sedução à vida executiva: Visão de estudantes em fase final de formação universitária. Pensamento & Realidade, 32(2), 1–15. Link

Oltramari, A. P., & Grisci, C. L. I. (2014). Carreira e família na sociedade líquido-moderna. Revista de Administração Mackenzie, 15(1), 15-48. Link

Oltramari, A. P., Grisci, C. L. I., & Weber, L. (2011). Carreira e relações familiares: Dilemas de executivos bancários. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(1), 101-133. Link

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre, D. (2006). O poder das organizações. 11ª ed. Atlas.

Pizza Junior, W. (1995). Função do executivo. Revista de Administração Pública, 29(1), 48-62.

Rolnik, S. (1997). Toxicômanos de identidade. Subjetividade em tempo de globalização. In D. Lins (Org.), Cultura e subjetividade. Saberes Nômades (pp.19-24). Papirus.

Sennett, R. (2009). O artífice. Record.

Sennett, R. (2015). A corosão do caráter: As consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Record.

Shortland, S., & Perkins, S. J. (2020). Women’ s expatriate careers: Losing trust in organisational equality and diversity policy implementation? Journal of Global Mobility, 8(2), 183-208. DOI: 10.1108/JGM-01-2020-0007

Solnit, R. (2017). Os homens explicam tudo para mim. Cultrix.

Souza, E. M., & Carrieri, A. P. (2010). A analítica queer e seu rompimento com a concepção binária de gênero. Revista de Administração Mackenzie, 11(3), 46-70. Link

Stewart, D. W., & Shamdasani, P. (2017). Online focus groups. Journal of Advertising, 46(1), 48-60. DOI: 10.1080/00913367.2016.1252288

Tanure, B., Carvalho Neto, A. C., & Andrade, J. (2007). Executivos: Sucesso e (in)felicidade. Elsevier.

Tonon, L., & Grisci, C. L. I. (2015). Gestão gerencialista e estilos de vida de executivos. Revista de Administração Mackenzie, 16(1), 15–39. DOI: 10.1590/1678-69712015/administracao.v16n1p15-39

Publicado

31.05.2022

Como Citar

Vaz, E. R. D., & Gallon, S. (2022). Dispositivos de Manipulação da Subjetividade no Cotidiano das Mulheres Executivas. Revista Subjetividades, 22(2), e12509. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12509

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa