Lutando para Existir: Experiência Vivida e Sofrimento Social de Pessoas Transgêneras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12240

Palavras-chave:

gênero, transgênero, sofrimento social, psicologia psicanalítica concreta

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a experiência vivida por pessoas transgêneras na perspectiva da psicologia psicanalítica concreta. Organiza-se metodologicamente como uma pesquisa qualitativa, com o uso do método psicanalítico, na investigação de 13 vídeos do YouTube, nos quais pessoas que se identificam como transgêneras relatam suas experiências de vida. A consideração desse material permitiu a proposição interpretativa de dois campos de sentido afetivo-emocional: perverso e degenerado e ser ou não ser verdadeiro. Tomando Monique Wittig e Donald Winnicott como interlocutores privilegiados para refletir sobre esses campos, chegamos a um quadro que indica que a cisheteronormatividade pode ser considerada uma violência radical na medida em que se coloca contra o self, encarando a sexualidade de modo reducionista e atacando o próprio sentir pessoal que é fonte de criatividade e espontaneidade.

Biografia do Autor

Gustavo Renan de Almeida da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Psicólogo e doutorando em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Bolsista CNPq.

Tomíris Forner Barcelos, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Psicóloga e doutoranda em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Bolsista CAPES.

Tânia Maria José Aiello-Vaisberg, Universidade de São Paulo (USP)

Psicóloga e livre docente em psicopatologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professora Sênior do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2002). Sofrimento humano e práticas clínicas diferenciadas. In T. M. J. Aiello-Vaisberg & F. Ambrosio (Orgs.), Anais do 1º Seminário Temático do Ser e Fazer: Trajetos do sofrimento: desenraizamento e exclusão. Link

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2006). O ser e o fazer na clínica ampliada e a radicalidade psicopatológica do pensamento de D. W. Winnicott. In D. Calderoni (Org.), Psicopatologia: Clínicas de hoje (pp. 109-120). Via Lettera.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2012). Paradoxo e loucura: A radicalidade do pensamento psicopatológico de D. W. Winnicott. In H. Ramos & I. Sucar (Orgs.), Winnicott ressonâncias (pp. 231-238). Primavera Editorial.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2017). Estilo clínico ser e fazer: Resposta crítico-propositiva a despersonalização e sofrimento social. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 37(92), 41-62. Link

Ambrosio, F. F., Aiello-Fernandes, R., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013). Pesquisando sofrimentos sociais com o método psicanalítico: Considerações conceituais. In L. S. P. C. Tardivo & T. M. J. Aiello-Vaisberg (Orgs.), Anais da XI Jornada Apoiar: Adolescência: identidade e sofrimento na clínica social. IP-USP.

Bianco, G. (2016). Un siècle de psychologie concrète. In G. Bianco (Org.), Georges Politzer, le concret et sa signification (pp. 5-43). Hermann Editeurs.

Bleger, J. (1988). Psicoanálisis y dialéctica materialista: Estudios sobre la estructura del psicoanálisis. Ediciones Nueva Visión. (Originalmente publicado em 1958)

Bleger, J. (2007). Psicologia de la Conducta. Paidós. (Originalmente publicado em 1963)

Braga, C. M. L. (2009). Comunicação e isolamento: Uma análise clínica de diários e blogs de adolescentes [Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. PUC-Campinas: Repositório Institucional. Link

Briggs, J. (26 de março de 2018). YouTube SEO ranking factor study retrived. Briggsby. Link

Carvalho, M. (2018). “Travesti”, “mulher transexual”, “homem trans” e “não binário”: Interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas. Cadernos Pagu, 52, 1-35. DOI: 10.1590/1809444920100520011

Cooper, D. (1985). Psiquiatria y antipsiquiatria. Paidós Ibérica.

Cunha, E. L. (2016). A psicanálise e o perigo trans (ou: por que psicanalistas têm medo de travestis?). Pediódicus, 1(5), 7-22. DOI: 10.9771/peri.v1i5.17172

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: Contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27. DOI: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Greenberg, J., & Mitchell, S. (1994). Relações objetais na teoria psicanalítica. Artmed. (Originalmente publicado em 1983)

Haider, A. (2019). Armadilha da identidade: Raça e classe nos dias de hoje. Veneta.

Herrmann, F. (2001). Andaimes do real. Caso do Psicólogo. (Originalmrnte publicado em 1979)

Kuchuck, S. (2021). The relational revolution in psychoanalysis and psychotherapy. Confer Books.

Lanz, L. (2015). O corpo da roupa: A pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. Uma introdução aos estudos transgêneros. Transgente.

Laplanche, J., & Pontalis, J-B. (1967). Vocabulário de psicanálise. Moraes Editora.

Liberman, A. (2014). Stephen A. Mitchell y el psicoanálisis rioplatense “clásico” (Bleger): Algunas convergencias. Clínica y Investigación Relacional, 8(1), 51-60. Link

Lukács, G. (2013). Ontologia do ser social. Boitempo. (Originalmente publicado em 1978)

Mariguela, M. A. (2005). Jacques Lacan, o passador de Georges Politzer, surrealismo e psicanálise [Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas]. UNICAMP.

Morera, J. A. C. (2017). El dispositivo trans: Sobre realidades, complejidades y subversiones al aparato cisheterosexual. Revista Enfermaria Actual, 32(1). Link

Politzer, G. (2004). Crítica dos fundamentos da psicologia: A psicologia e a psicanálise. Editora Unimep. (Originalmente publicado em 1928)

Ricoeur, P. (1977). Da interpretação: ensaio sobre Freud. Imago.

Roudinesco, E. (2016). Jacques Lacan: Esboço de uma vida, história de um sistema de pensamento. Companhia de Bolso.

Roudinesco, E., & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. Zahar.

Schulte, A. A., Gallo-Belluzzo, S. R., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2016). Postagens em blogs pessoais: Aproximação do acontecer humano em pesquisas psicanalíticas. Psicologia Revista, 25(2), 227-241. Link

Silva, G. R. A. (2021). Lutando para existir: Experiência vivida e sofrimento social de pessoas transgêneras [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. PUC-Campinas: Repositório Institucional. Link

Stolorow, R., Brandchaft, B., & Atwood, G. (2014). Psychoanalytic treatment: An intersubjective approach. Routledge. (Originalmente publicado em 1987)

Trevisan, J. S. (2018). Devassos no paraíso: A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade (4a ed.). Objetiva.

Winnicott, D. W. (1968). O medo do colapso. In C. Winnicott, R. Shepherd & M. Davis (Orgs.), Explorações psicanalíticas: D. W. Winnicott (pp. 70-76). Artes Médicas Sul.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Imago. (Originalmente publicado em 1971)

Winnicott, D. W. (1978). Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas. Francisco Alves. (Originalmente publicado em 1958)

Winnicott, D. W. (1983). O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Artmed. (Originalmente publicado em 1963)

Winnicott, D. W. (1988). Natureza humana. Martins Fontes.

Wittig, M. (2006). El pensamiento heterosexual. EGALES. (Originalmente publicado em 1992)

Publicado

26.07.2022

Como Citar

Silva, G. R. de A. da ., Barcelos, T. F. ., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2022). Lutando para Existir: Experiência Vivida e Sofrimento Social de Pessoas Transgêneras. Revista Subjetividades, 22(2), e12240. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12240

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa