Do Infarto à Esperança de Viver: Impactos Psicossomáticos de uma Experiência Traumática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12039

Palavras-chave:

infarto do miocárdio, psicanálise, trauma psíquico

Resumo

As doenças cardiovasculares são consideradas a maior causa de mortes no mundo. Os cuidados aos cardiopatas têm demandado esforços dos serviços de saúde e muitos psicólogos e psicanalistas, que compõem equipes multidisciplinares, se embasam na teoria psicanalítica para fundamentar suas práticas clínicas junto a esse público. Este estudo tem como objetivo investigar de que forma a experiência do infarto agudo do miocárdio (IAM) impacta um indivíduo, na sua dimensão psique-soma, conceito proposto por Donald Winnicott. Através do método de relato de caso, acessamos o material clínico produzido pelo registro dos atendimentos psicológicos de uma paciente infartada, acompanhada pelo pesquisador no período de um ano e meio. A pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética e teve consentimento da paciente. Baseado na teoria winnicottiana, percebemos que o infarto provocou abalos na dimensão psique-soma – causando episódios de despersonalização, grande fragilidade emocional, medo da morte, desesperança – e revelou seu caráter traumático, dada sua ação invasiva e abrupta. O processo psicanalítico nesse caso clínico se mostrou como um dispositivo de acolhimento e intervenção, no qual a paciente pôde revisitar a própria história, integrar situações traumáticas e recuperar sua esperança e desejo de viver.

Biografia do Autor

Lucas Henrique Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Psicólogo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Especialista em Cuidados Paliativos e Terapia de Dor pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Especialista em Saúde pelo Hospital das Clínicas da UFMG, Mestrando em Psicologia Social na UFMG

Alessandra Aguiar Vieira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Psicóloga e Psicanalista. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Cuidados Paliativos pelas Ciências Médicas MG.

Tereza Cristina Peixoto, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora e Mestre em Saúde e Enfermagem Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com doutorado sanduíche em Lisboa. Especialista em Psicologia do Trabalho, em Psicologia Hospitalar e em Humanização (SUS). Docente Adjunto no curso de Psicologia da UFMG.

Referências

Avellar, L. Z. (2009). A pesquisa em psicologia clínica: Reflexões a partir da leitura da obra de Winnicott. Contextos Clínicos, 2(1), 11-17. Link

Comissão Nacional de Ética em Pesquisa [CONEP]. (2018). Carta Circular nº 166/2018. Ministério da Saúde. Link

Conselho Federal de Psicologia [CFP]. (2010). Resolução 005/2010. CFP. Link

Conselho Nacional de Saúde [CNS]. (2012). Resolução Nº 466/2012. Ministério da Saúde. Link

Conselho Nacional de Saúde [CNS]. (2016). Resolução Nº 510/2016. Ministério da Saúde. Link

Cocco, M. R. (2017). O uso analítico do sonho: Um recorte da contribuição winnicottiana [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. PUC-SP: Repositório PUCSP. Link

Dias, E. O. (2006). Caráter temporal e os sentidos de trauma em Winnicott. Winnicott E-prints, 1(2), 1-8. Link

Dias, E. O. (2008). O distúrbio psicossomático em Winnicott. In R. M. Volich, F. C. Ferraz & W. Ranña (Orgs.), Psicossoma IV-Corpo, história e pensamento (pp. 107-120). Casa do Psicólogo.

Dias, E. O. (2014). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott (3ª ed.). DWW Editorial.

Ferraz, R. J. F. (2019). A espera e o gesto: Um olhar sobre a importância da esperança e sua psicopatologia a partir da obra de D. W. Winnicott. In D. Thé, J. Cavalcante, S. Ribeiro & V. Adjafre (Orgs.), O gesto espontâneo em 90 trabalhos (pp.105-116). Expressão Gráfica e Editora.

Fulgencio, L. (2004). A noção de trauma em Freud e Winnicott. Natureza Humana, 6(2), 255-270. Link

Fulgencio, L. (2011). A importância da noção de experiência no pensamento de D. W. Winnicott. Estudos de Psicologia, 28(1), 57-64. DOI: 10.1590/S0103-166X2011000100006

Fulgencio, L. (2012). Críticas e alternativas de Winnicott ao conceito de pulsão de morte. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 15(spe), 469-480. DOI: 10.1590/S1516-14982012000300008

Fulgencio, L. (2014). Aspectos diferenciais da noção de ego e de self na obra de Winnicott. Estilos da Clínica, 19(1), 183-198. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v19i1p183-198

Fulgencio, L. (2018). Os objetivos do tratamento psicanalítico para Freud e para Winnicott. Estilos da Clínica, 23(2), 344-361. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v23i2p344-361

Knebel, I. L., & Marin, A. H. (2018). Fatores psicossociais associados à doença cardíaca e manejo clínico psicológico: Percepção de psicólogos e paciente. Revista da SBPH, 21(1), 112-131. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582018000100007

Laurentiis, V. R. (2007). A incerta conquista da morada da psique no soma em D. W. Winnicott. Winnicott E-prints, 2(2), 1-13. Link

Laurentiis, V. R. (2016). Corpo e psicossomática em Winnicott. DWW Editorial.

Loparic, Z. (2006). De Freud a Winnicott: Aspectos de uma mudança paradigmática. Winnicott E-prints,1(1), 1-29. Link

Miranda, J. J., Timo, A. L. R., & Belo, F. R. R. (2019). Crítica à teoria da maternidade em Winnicott: É preciso ser mulher para cuidar de crianças? Psicologia: Ciência e Profissão, 39, 1-14. DOI: 10.1590/1982-3703003176863

Moraes, A. A. R. E. (2011). A constituição da capacidade de cuidar. Winnicott E-prints, 6(1), 1-14. Link

Naffah Neto, A. (2005). Winnicott: Uma psicanálise da experiência humana em seu devir próprio. Natureza Humana, 7(2), 433-454. Link

Ronick, P. V., & Campos, E. M. P. (2017). Pânico e desamparo em pacientes com cardioversor desfibrilador implantável. Revista da SBPH, 20(1), 99-121. Link

Serralha, C. A. (2019). O espaço potencial: Da origem à evolução. Estilos da Clínica, 24(1), 157-172. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v24i1p157-172

Tamagnini, E. J. G. (2014). A psicodinâmica do paciente cardiopata: Contribuições da psicanálise à cardiologia [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. USP: Biblioteca Digital USP. DOI: 10.11606/T.47.2014.tde-27112014-163132

Winnicott, D. W. (1978a). A mente e sua relação com o psique-soma. In D.W. Winnicott, Textos selecionados: Da pediatria à psicanálise (pp. 409-426). F. Alves. (Originalmente publicada em 1949)

Winnicott, D. W. (1978b). Psicose e cuidados maternos. In D. W. Winnicott, Textos selecionados: Da pediatria à psicanálise (pp. 375-387). F. Alves. (Originalmente publicada em 1952)

Winnicott, D. W. (1982). A moralidade inata do bebê. In D. W. Winnicott, A criança e seu mundo (pp. 104-109). LTC Editora.

Winnicott, D. W. (1983a). Da dependência à independência no desenvolvimento do indivíduo. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 79-87). Artmed. (Originalmente publicada em 1963)

Winnicott, D. W. (1983b). Os objetivos do processo psicanalítico. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 152-155). Artmed. (Originalmente publicada em 1962)

Winnicott. D. W. (1989a). O conceito de falso Self. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp. 51-54). Martins Fontes. Originalmente publicada em 1964)

Winnicott, D. W. (1989b). O valor da depressão. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp. 55-61). Martins Fontes. (Originalmente publicada em 1963)

Winnicott, D. W. (1989c). A cura. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp. 87-93). Martins Fontes. (Originalmente publicada em 1970)

Winnicott, D. W. (1990). Natureza humana. Imago.

Winnicott, D. W. (1994a). Fisioterapia e relações humanas. In C. Winnicott, R. Shepherd & M. Davis (Orgs.), Explorações Psicanalíticas (pp. 427-432). Artmed. (Originalmente publicada em 1969)

Winnicott, D. W. (1994b). A experiência mãe-bebê de mutualidade. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 195-202). Artes Médicas Sul. (Originalmente publicada em 1969)

Winnicott, D. W. (1994c). O uso do objeto no contexto de Moisés e o monoteísmo. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 187-191). Artes Médicas. (Originalmente publicada em 1969)

Winnicott, D. W. (1994d). O medo do colapso. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 70-76). Artes Médicas. (Originalmente publicada em 1974)

Winnicott, D. W. (1994e). A psicologia da loucura: Uma contribuição da psicanálise. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 94-101). Artes Médicas. (Originalmente publicada em 1965)

Winnicott, D. W. (1994f). Transtorno psicossomático. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 82-83). Artes Médicas. (Originalmente publicada em 1964)

Winnicott, D. W. (1994g). O conceito de trauma em relação ao desenvolvimento do indivíduo dentro da família. In C. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 102-115). Artes Médicas Sul. (Originalmente publicada em 1965)

Winnicott, D. W. (2011a). Fatores de integração e desintegração na vida familiar. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual (pp. 59-72). Martins Fontes. (Originalmente publicada em 1927)

Winnicott, D. W. (2011b). O primeiro ano de vida. Concepções modernas do desenvolvimento emocional. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual (pp. 3-20). Martins Fontes. (Originalmente publicada em 1958)

Winnicott, D. W. (2011c). O relacionamento inicial entre uma mãe e seu bebê. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual (pp. 21-28). Martins Fontes. (Originalmente publicada em 1960)

Winnicott, D. W. (2019a). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 13-51). Ubu Editora. (Originalmente publicada em 1953)

Winnicott, D. W. (2019b). Inter-relacionamento baseado em identificações cruzadas. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 206-218). Ubu Editora. (Originalmente publicada em 1968)

Winnicott, D. W. (2019c). O uso de um objeto e a relação por meio de identificações. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (pp. 141-153). Ubu Editora. (Originalmente publicada em 1969)

Winnicott, D. W. (2020). A dependência nos cuidados com a criança. In D. W. Winnicott, Bebês e suas mães (pp. 97-103). Ubu Editora. (Originalmente publicada em 1970)

World Health Organization (WHO). (2017). Cardiovascular diseases (CVDs). WHO. Link

Downloads

Publicado

09.08.2022

Como Citar

Carvalho, L. H., Vieira, A. A., & Peixoto, T. C. (2022). Do Infarto à Esperança de Viver: Impactos Psicossomáticos de uma Experiência Traumática. Revista Subjetividades, 22(2), e12039. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12039

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa