Subjetividade e Psicologia Social do Trabalho: Reflexões Teórico-Metodológicas a partir de Duas Investigações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i1.e11405

Palavras-chave:

subjetividade, trabalho, psicologia social do trabalho, pesquisa qualitativa

Resumo

O presente artigo problematiza a relação entre subjetividade e trabalho na pesquisa em Psicologia Social do Trabalho (PST). O objetivo é explicitar as características da PST e as possíveis relações com abordagens teórico-metodológicas distintas, especialmente, a partir de duas pesquisas de doutorado que abordaram a relação entre subjetividade e trabalho em contextos distintos, urbano e rural. A primeira delas, realizada entre 2010 e 2014, foi fundamentada na Psicologia Sócio-histórica e buscou compreender a trajetória e os sentidos atribuídos ao trabalho por jovens profissionais egressos de uma universidade da região metropolitana do Rio de Janeiro/RJ, Brasil. A segunda investigação, por sua vez, foi desenvolvida com base na Psicossociologia e Sociologia Clínica, e realizada entre 2015 e 2019 na região nordeste do Estado de São Paulo, Brasil, junto a um grupo de trabalhadores rurais assentados. Apesar de realizados em distintos espaços e tempos, observamos, ao revisitar as teses, a sinalização de uma tendência dos trabalhadores/as à luta pelos lugares de forma mais individualizada no mundo precarizado do trabalho, o que denota o quanto a produção das subjetividades é relacionada ao trabalho e às condições objetivas em que vivemos.

Biografia do Autor

Geruza Tavares D'Avila, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Docente do curso de Psicologia, do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e da Residência Multiprofissional da Saúde da Família (RMSF) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Thainara Granero de Melo, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Docente do do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Referências

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: Aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322.

Antunes, R. L. C. (2018). O privilégio da servidão. O novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo.

Araújo, J. N. G. (2013). Psicossociologia do Trabalho. In F. O. Oliveira, A. M. Mendes, & A. C. Merlo (Orgs.), Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 321-326). Curitiba: Juruá.

Araújo, J. N. G., & Carreteiro, T. C. (2005). Conflito. In J. Barus-Michel, E. Enriquez, & A. Lévy (Orgs.), Dicionário de Psicossociologia (pp. 55-65). Lisboa: Climepsi.

Barus-Michel, J. (2004). O sujeito social. Belo Horizonte: Editora Puc Minas.

Bernardo, M. H., Oliveira, F., Souza, H. A., & Sousa, C. C. (2017). Linhas paralelas: As distintas aproximações da psicologia em relação ao trabalho. Estudos de Psicologia, 34(1), 15-24.

Coutinho, M. C. (2009). Sentidos do trabalho contemporâneo: As trajetórias identitárias como estratégia de investigação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(2), 189-202.

Coutinho, M. C. (2015). Psicologia Social do Trabalho em dois tempos. In M. C. Coutinho, O. Furtado, & T. Raitz (Orgs.), Psicologia social e trabalho: Perspectivas críticas (pp. 2-15). Florianópolis: ABRAPSO Editora.

Coutinho, M. C., & Oliveira, F. (2017). Algumas ferramentas teóricas para o estudo psicossocial do trabalho: Práticas cotidianas, processos de significações e identidades. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo, & L. Sato (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Vozes.

D’Avila, G. T. (2014). Movimentos laborais e sentidos atribuídos ao trabalho por jovens profissionais. Tese (doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis.

D’Avila, G. T., & Coutinho, M. C. (2019). Entre movimentos e trajetórias laborais de jovens profissionais. Psico, 50(2), e29659. DOI: 10.15448/1980-8623.2019.2.29659

Decreto nº 6.096, de 24 de abril (2007). Institui o programa de apoio a planos de reestruturação e expansão das universidades federais – REUNI. Link

Enriquez, E. (1997). A organização em análise. Petrópolis: Vozes.

Enriquez, E. (2004). Da solidão imposta a uma solidão solidária. Revista Cronos, 5(1/2), 19-33.

Esteves, E. G., Bernardo, M. H., & Sato, L. (2017). Fontes do pensamento e das práticas em Psicologia Social do Trabalho. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 49-88). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gaskell, G. (2001). Individual and group interviewing. In M. W. Bauer & G. Gaskell. (Orgs.), Qualitative research with text, image, and sound: A practical handbook for social research (pp. 35-56). Los Angeles: Sage Publications.

Gaulejac, V. (2004a). Psicossociologia e sociologia clínica. In J. N. G. Araújo & T. C. O. Carreteiro (Orgs.), Cenários sociais e abordagem clínica (pp. 35-47). São Paulo: Escuta.

Gaulejac, V. (2004b). O âmago da discussão: Da sociologia do indivíduo à sociologia do sujeito. Cronos, 5/6(1/2), 59-77.

Gaulejac, V. (2005). Identidade. In J. Barus-Michel, E. Enriquez & A. Lévy (Orgs.), Dicionário de psicossociologia (pp. 104-109). Lisboa: Climepsi.

Gaulejac, V. (2014). Neurose de classe: Trajetória social e conflitos de identidade. São Paulo: Via Lettera.

Gebrin, A., & Andreotti, R. (2016). Sociologia clínica e psicossociologia: A noção de implicação do pesquisador. Teoria & Sociedade, 24 (1), 142-157.

González Rey, F. L. (2002). Pesquisa qualitativa em psicologia: Caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Nunes, C. G., & Silva, P. H. I. (2018). A Sociologia Clínica no Brasil. Revista Brasileira de Sociologia, 6(12), 181-199.

Machado, M. C. Z., & Silva, M. M. (2015). Percursos formativos e identidades profissionais entre as pedagogas. Educativa, 18(1), 304-318.

Melo, T. G. (2019). Desenvolvimento rural, trabalho cooperado e subjetividades: A trajetória de cooperação do Assentamento Sepé Tiaraju. Tese (doutorado), Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, São Carlos.

Melo, T. G., & Scopinho, R. A. (2018). Políticas públicas para os assentamentos rurais e cooperativismo: Entre o idealizado e as práticas possíveis. Revista Sociedade e Estado, 33(1), 63-86.

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (12a ed). São Paulo: Hucitec.

Molon, S. I. (2015). Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky(5a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Parra-Valencia, L., & Galindo, D. (2019). Colonialidad y psicología: El desarraigo de la sabiduría. Polis e Psique, 9(1), 186-197.

Ribeiro, M. A., Oliveira, F., Bernardo, M. H., & Navarro, V. L. (2017). Práticas em psicologia social do trabalho: Pesquisa e intervenção. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 103-126). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sato, L. (2017). Diferentes faces do trabalho no contexto urbano. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sato, L., Andrada, C. F., Évora, I. M. A., Neves, T. F. S., & Oliveira, F. (2011). As tramas psicossociais da cooperação e da competição em diferentes contextos de trabalho. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 63 (Spe), 2-14.

Sato, L., Bernardo, M. H., & Oliveira, F. (2008). Psicologia social do trabalho e cotidiano: A vivência de trabalhadores em diferentes contextos micropolíticos. Psicologia para América Latina, (15). Link

Sato, L., Coutinho, M. C., & Bernardo, M. H. (2017). A perspectiva da psicologia social do trabalho. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sawaia, B. B. (2014). Transformação social: Um objeto pertinente à psicologia social? Psicologia & Sociedade, 26(spe. 2), 4-17.

Scopinho, R. A. (2017). A Psicologia Social do Trabalho e os trabalhadores das ruralidades. In M. C. Coutinho, M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia Social do Trabalho (pp. 127-150). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sennett, R. (2012). Juntos: Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. São Paulo: Record.

Soares, D. H. P., & Sestren, G. (2007). A trajetória socioprofissional. In D. T. Barros, M. T. Lima & R. Escalda (Orgs.), Escolha e inserção profissional: Desafios para indivíduos, famílias e instituições (pp. 81-96). São Paulo: Vetor.

Tittoni, J., & Nardi, H. C. (2011). Subjetividade e trabalho. In A. D. Cattani, & L. Holzmann (Orgs.), Dicionário de Trabalho e Tecnologia (pp. 277-280). Porto Alegre: Zouk.

Van Mierlo, B. C., Regeer, B., van Amstel, M., Arkesteijn, M. C. M., Beekman, V., Bunders, J. F. G., ... Leeuwis, C. (2010). Reflexive monitoring in action. A guide for monitoring system innovation projects. Amesterdam: Athena Institute.

Vygotsky, L. S. (2007). O pensamento e a palavra. In L. S. Vygotsky, Obras escolhidas (pp. 313-373). Lisboa: Relógio D’Água Editores.

Zago, N. (2003). A entrevista e seu processo de construção: Reflexões com base na experiência prática de pesquisa. In N. Zago, M. P. de Carvalho & R. A. T. Vilela. (Orgs.), Itinerários de pesquisa: Abordagens qualitativas em sociologia da educação. (pp. 287-309). Rio de Janeiro: DP&A.

Downloads

Publicado

29.04.2022

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa